Tatu Bola e Taco de Baseball enfrentam Massa Bruta – parte 2 de 8

Capítulo 2

Um garoto de bicicleta e um motorista de caminhão

No entroncamento das avenidas X* e A*, Massa Bruta, a gigantesca criatura humanóide, com o seu corpanzil disforme, seus músculos salientes, que lhe revestiam todo o corpo – e nenhum anatomista poderia identificar cada um dos músculos que lho revestiam – atraiu a atenção de centenas de pessoas, cujos olhares convergiam para ele, todas horrorizadas, boquiabertas, estupidificadas, abismadas, assustadas, amedrontadas, a respiração suspensa, incapazes de concatenar os pensamentos, petrificadas, como se o tempo houvesse cessado o seu curso. Não havia uma pessoa consciente, naquele momento. As pessoas regressaram à consciência quando Massa Bruta emitiu um urro tonitroante, que agitou folhas de árvores, deslocou cartazes, estilhaçou vidros de óculos, de veículos e de janelas de prédios.

– Curvem-se diante de Massa Bruta, o Conquistador! – declarou Massa Bruta, em tom de ordem; cavernosa, assustadoramente tétrica, a sua voz.

Pessoas corriam de um lado para o outro.

Muitos passageiros e motoristas de táxi abandonaram os veículos.

Das janelas muitas dentre as pessoas que haviam, curiosas, ao parapeito se debruçado para ver o que ocorria recolheram-se ao interior do prédio; outras, no entanto, a curiosidade a inspirar-lhes o desejo de conhecer o que se passava nas avenidas X* e A*, sobrepujando o medo que a atormentavam, conservaram-se ao parapeito das janelas, ou do interior do prédio rumaram ao parapeito, os olhares a convergirem para Massa Bruta.

Um garoto de uns doze anos, montado em uma bicicleta vermelha, tendo às costas uma mochila com o símbolo de um time de futebol espanhol, passou, lentamente, pela direita de Massa Bruta, a vinte metros dele, e, surpreendendo a todos, principalmente a Massa Bruta, e dirigindo-se a ele e atraindo-lhe a atenção, gritou a plenos pulmões:

– Você está no país errado, fórtão. Você está no Brasil, e não nos Estados Unidos!

Massa Bruta replicou-lhe, olhar petrificante a fitá-lo, com voz cavernosa, rilhando os dentes:

– Garoto idiota!

– Idiota é você, burrildo! – treplicou o garoto, sob o olhar escrutinador e terrivelmente demoníaco de Massa Bruta e os olhares temerosos das pessoas que testemunhavam a cena. – Onde você pensa que está, imbecil? Em Nova York? Você está em São Paulo, retardado – e em nenhum momento parou de pedalar, deslocando-se lentamente.

– Garoto idiota! – rosnou Massa Bruta. – Quebrarei todos os seus ossos – e deu os primeiros passos na direção do garoto de bicicleta que o tratara tão ousada e imprevidentemente sem tomar conhecimento dos seus atos.

– Ai! – exclamou o garoto de bicicleta ao ver Massa Bruta aproximando-se de si. – Meu Deus do céu! O monstrão está vindo me pegar. Caramba! Vai, bike, vai. Mais rápido! Mais rápido – e firmando os pés nos pedais, levantou-se do selim, os olhos muito abertos, mordendo os dentes, e acelerou as pedaladas. – Vai, bike, vai. Tire-me da enrascada, que eu comprarei pneus novos para você – e sentia os passos pesados de Massa Bruta aproximando-se de si.

Ziguezagueando por entre os veículos, o garoto de bicicleta, com a destreza de um ciclista profissional, deslocava-se, cada vez mais rápido, apesar dos obstáculos dos quais tinha que se desviar, sob olhares aterrorizados de muitas pessoas, que viam dele aproximar-se Massa Bruta.

– Só um milagre salvará o garoto – comentou um homem.

E Massa Bruta, esmagando carros e motos, deslocando, com o seu corpanzil disforme, ônibus e caminhões, arremessando alguns deles a vários metros de distância, corria no encalço do garoto de bicicleta, que usava todas as suas energias para dele escapar.

Massa Bruta arremessou, com o braço esquerdo, um ônibus contra um prédio.

O garoto de bicicleta acelerava as pedaladas.

Massa Bruta agarrou uma moto, e arremessou-a contra o garoto, que por puro golpe de sorte dela esquivou-se, sem que soubesse que Massa Bruta a arremessara em sua direção, no instante em que contornava, pela direita, um carro – a moto passou, zunindo, a um metro de sua cabeça, e foi colidir contra um caminhão cinquenta metros à frente.

– Diabos! – exclamou o garoto de bicicleta, assustadíssimo. – Maldito monstro! Tô perdido! Cacilda! Mamãe!

*

No prédio da emissora de televisão C*, reuniram-se Carla, Rodolfo e Larissa. Conversavam e assistiam à televisão imagens, transmitidas por telefones celulares, do que ocorria na intersecção das avenidas X* e A*. Eram as imagens impactantes; algumas registradas à distância, muitas não; todas exibiam uma parte do cenário devastado e a ação do protagonista do episódio: Massa Bruta.

– Que bicho é aquele? – perguntou Larissa, perplexa.

– Massa Bruta é o nome dele – respondeu-lhe Carla, num tom de voz tímido e inaudível.

– E o que ele quer? – perguntou Rodolfo mais para si do que para as suas colegas de trabalho.

Carla era uma morena de um metro e sessenta, magra, ossuda, quase esquelética. Diziam-lhe que ela era anoréxica, o que a irritava a ponto de fazê-la perder as estribeiras e replicar com obscenidades, levando os que lhe testemunhavam os rompantes de fúria às lágrimas de tanto gargalharem. Era atrevida e desbocada; não tinha papas na língua (ou nas línguas – diziam que ela tinha duas, como as víboras), e sempre envolvia-se em atritos com seus colegas de trabalho e seus superiores hierárquicos. Aos vinte e dois anos, solteira, diziam-lhe, excitando-lhe a bílis, que ela ficaria para titia porque nenhum homem gosta de chupar osso. “Sabem para que serve um osso?”, perguntava Carla aos engraçadinhos que lhe faziam tão desabonadores comentários, e todos dela afastavam-se, pois conheciam a resposta para a pergunta, para evitar escândalo, certos de que ela descarregaria uma enxurrada de palavras que as freiras não gostam de ouvir.

Rodolfo era um homem alto, esbelto, de um metro e noventa, com óculos a adornarem-lhe a cara de nariz adunco, lábios finos e descoloridos, testa larga, sobrancelhas espessas cujas extremidades internas tocavam-se na base do nariz. Devido a essa peculiaridade de sua fisionomia alcunharam-no Monteiro Lobato; outros o apelidaram Visconde de Sabugosa, ou Sabugo Científico, porque tinha ele o hábito – vício, diziam – de usar um vocabulário incomum e era dado a argumentações de cunho científico e filosófico acerca de trivialidades, que podiam ser explicadas com palavras comuns por todos os filhos de Deus. O seu ar apalermado e o seu jeito atrapalhado inspiraram aos colegas e amigos um apelido a ele: Clark Kent, o único sobrevivente de Kripton. “Ele tem um jeitão de alienígena”. Não eram poucas as pessoas que faziam tal observação.

Larissa, a Barbie, assim alcunhada devido às semelhanças físicas entre ela e a boneca mais famosa do mundo, sonho de consumo de onze dentre cada dez moças, era uma graciosa mulher de trinta anos que conservava a beleza de mulher de vinte, conservados todos os adornos de um belo corpo feminino de traços impecáveis. Não era uma burra das anedotas. Muitos homens a requestavam, inclusive Rodolfo, ao seu modo desajeitado. Era dotada de raciocínio ágil, e era muito agitada, quase, dir-se-ia, hiperativa; era dona de um texto ágil e persuasivo, rico de imagens cativantes, límpidas e esclarecedoras. Era desembaraçada. A sua postura sem reservas – e associada à sua beleza incomparável – intimidava muitos homens e deles ela extraía informações que nenhum dos seus colegas de profissão extraíam. Era muito bem-sucedida, e raros foram os seus fracassos nos doze anos durante os quais exerceu a profissão de jornalista.

Naquele momento, os olhares dos três jornalistas convergiam para a tela de televisão que transmitia imagens dos eventos que se desenrolavam nas avenidas X* e A* e arredores.

– De onde ele veio? – perguntou Rodolfo, referindo-se a Massa Bruta.

– Não sei – respondeu-lhe Larissa. – Sabemos apenas que ele quer dominar-nos, escravizar-nos.

– Vamos até lá – disse Carla.

– Chamem Olavo e Paulo – disse Rodolfo.

– Onde eles estão? – perguntou Larissa, olhando, rapidamente, de um lado para o outro da sala, à procura deles; não os encontrando, virou-se para Carla e Rodolfo. – Onde eles estão?

– Eles estavam aqui há alguns minutos – disse Rodolfo.

– Quando eu liguei a televisão, eles estavam aqui – disse Larissa.

– Como eles desapareceram, assim, tão de repente? – perguntou Carla, incrédula.

– Para onde eles foram? – perguntou Rodolfo.

– O sumiço deles, conveniente – comentou Larissa.

*

Pela avenida A* deslocava-se, de bicicleta, o garoto. E dele Massa Bruta aproximava-se, e rapidamente.

Um caminhão rumou, em alta velocidade, na direção de Massa Bruta. Quando distava dez metros dele, o motorista saltou para fora do caminhão, que colidiu contra o monstro disforme. E o garoto de bicicleta pôde distanciar-se de Massa Bruta, que ergueu, com as duas mãos, o caminhão, como se erguesse uma bolha de sabão, e arremessou-o na direção de um prédio.

O estrondo, ensurdecedor.

E Massa Bruta procurou pelo garoto de bicicleta.

– Onde você se escondeu, garoto idiota?

Não o encontrando, circunvagando o olhar pelos arredores, voltou a sua atenção ao homem que dirigia o caminhão.

– Onde está quem dirigia o caminhão? – perguntou em alto brado. – Apareça, covarde!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

Dragão Metafísico

Depósito de palavras, pensamentos e poesias.

%d blogueiros gostam disto: