Tatu Bola e Taco de Baseball enfrentam Massa Bruta – parte 6 de 8

Capítulo 6

A luta do século

Round 2

Na rua M*, quatro criminosos invadiram uma lanchonete e assaltam os fregueses. Nesta rua, como em muitas outras ruas da cidade de São Paulo, criminosos aproveitaram-se da confusão e do medo decorrentes da ação de Massa Bruta e invadiram residências, prédios, agências bancárias, lojas de eletroeletrônicos, lojas de roupas, de móveis, agências imobiliárias, supermercados, mercadinhos, restaurantes, casas lotéricas, e assaltaram os clientes e os proprietários. Nas ruas, ladrões abordavam motoqueiros, e suprimiam-lhes, apontando-lhes para a cabeça o cano de um revólver, a moto. Multiplicaram-se, assustadoramente, os latrocínios. Multiplicaram-se os assassinatos, os roubos e os estupros desde que Massa Bruta surgiu no cruzamento das avenidas X* e A*. Desdobraram-se as forças policiais para manter a ordem. Mas o caos instalou-se na cidade de São Paulo, e disseminou-se, como uma metástase, pelas cidades conurbadas, e principiou a espalhar-se pelas cidades vizinhas, e espalhar-se-ia por todo o estado de São Paulo se não fosse contido em seu movimento avassalador. Todas as corporações policiais estaduais – militar e civil – e as guardas municipais foram convocadas para conter o avanço da criminalidade.

Na lanchonete, na rua M*, policiais e os quatro criminosos protagonizaram tiroteio, ao encerramento do qual, quinze minutos depois de principiado, três criminosos estavam mortos e um gravemente ferido, e dois policiais estavam feridos, um no braço esquerdo, e um no ombro direito e no ventre.

Na delegacia de policia da rua N*, o capitão Mascarenhas perguntou à secretaria acerca do paradeiro dos policiais Vasconcelos e Duarte.

– Não sei, senhor – respondeu-lhe a secretária. – Eles estavam, aqui, há poucos minutos. Assistiram comigo, à televisão, à notícia a respeito de Massa Bruta, e, de repente, desapareceram.

– Que diabos! – esbravejou o capitão Mascarenhas. – A cidade, um caos, e aqueles dois policiais desaparecem sem deixar avisos.

– Eles foram atender algum chamado – sugeriu a secretária.

– A viatura está na garagem – observou o capitão Mascarenhas. – Onde se meteram o Vasconcelos e o Duarte? – perguntou mais para si do que para a secretária, que ergueu os ombros dando a entender que não tinha a mínima idéia de qual era o paradeiro deles.

*

Rodolfo estacionou o carro, do qual retiraram-se ele, Larissa e Carla, cautelosos todos eles, os olhares de todos eles convergindo para Massa Bruta, que andava, passos pesados, despreocupado, pela rua Z*, como se fosse o seu dono, certo de que ninguém lhe atravancaria o avanço. No caminho, ele esmurrava carros, caminhões, ônibus, arremessando-os a grande distância, contra os prédios, espalhando o terror por onde passava, abandonando atrás de si um rastro de destruição. Rodolfo, Larissa e Carla ora corriam, ora andavam a passos acelerados, ora a passos lentos, receando atrair a atenção de Massa Bruta. Ocultando-se atrás de veículos, gravavam de Massa Bruta imagens reveladoras. Massa Bruta não tinha conhecimento de que seus passos eram seguidos por aqueles três audazes jornalistas, que dele aproximavam-se, nele conservando distância segura. Dos três, o mais atrevido era Carla, que desejava ir até Massa Bruta e indagar-lhe da razão de tanta destruição. Continham-na Rodolfo e Larissa, e não com pouco esforço. E não foram raras as vezes que Rodolfo censurou-lhe a inconseqüência, e puxou-a pelos pulsos, e, agarrando-a pela cintura, conteve-a e a pôs atrás de si, e, escudando-a, seguia na mesma direção que Massa Bruta seguia, dele conservando distância segura.

*

Levantou-se Taco de Baseball, entontecido, recuperando-se dos golpes que Massa Bruta lhe dera. Reconstituía-se o sistema da armadura, que, de tecnologia avançada, possuía inteligência artificial e componentes nanotecnológicos. Não poderia ser golpeado, uma vez mais, por Massa Bruta, antes da reconstituição da estrutura de todos os seus componentes. Enquanto a armadura não se reconstituísse, tinha Taco de Baseball de conservar-se imóvel. Pouco depois, o taco de baseball e o planador, voando, foram até Taco de Baseball, que empunhou o taco de baseball, e, já quase inteiramente reconstituída a sua armadura azul-prateada, subiu no planador. Robôs nanotecnológicos massagearam-lhe todos os músculos e restabeleceram-lhe as comunicações entre os nervos afetados pelos golpes que lhe encaixara Massa Bruta e pela queda após o pontapé que Massa Bruta desferira-lhe, arremessando-o a quilômetros de distância. Recomposto, Taco de Baseball foi até Tatu-Bola, que, distante dele cinco quilômetros, no topo de um prédio, acompanhava, de longe, o deslocar de Massa Bruta e o rastro de destruição que ele deixava atrás de si. Reunidos, Taco de Baseball e Tatu-Bola entabularam conversa. As primeiras palavras Tatu-Bola as proferiu em seu tom peculiar, calmo, pachorrento, silabado, firme:

– Como iremos, caro amigo, sobrepujar um inimigo tão poderoso? Invencível ele é? É incomensurável o poder daquela grandiosa criatura. Os golpes que lhe desferimos, moveram-no, mas nenhum arranhão gravaram naquele corpo de rigidez de rocha, melhor, de diamante.

– Não sei, Tatu, como o derrotaremos. Confesso: não sei como derrotar aquele vilão.

– A nossa estréia na carreira de heróis não está a nos sair favorável – comentou Tatu-Bola. – Não podemos fracassar, Taco. Veja a destruição que aquele monstro saído das fornalhas do inferno provocou. Ou o tiramos de ação, ou ele reduzirá a cidade de São Paulo às cinzas.

– E como iremos derrotá-lo?

– Temos de atacá-lo, e atacá-lo, e atacá-lo, pelos flancos, pela face, pelas costas, até encontrar, dele, o ponto fraco.

– Se ele fosse o Aquiles, derrotá-lo-íamos em um piscar de olhos.

– Que ele tem um ponto fraco, tem, mas qual é o ponto fraco dele?

– Temos de encontrá-lo, antes que ele encontre o nosso.

– Há um ponto vulnerável naquela massa disforme – disse Tatu-Bola -, mas onde ele está?

Feita a pergunta, silenciaram-se Taco de Baseball e Tatu-Bola.

*

Na rua Y*, atrás de Massa Bruta, indo na direção dele, à distância de um pouco mais de cem metros, Rodolfo, Larissa e Carla, cautelosos, ziguezagueavam por entre os destroços e saltavam por sobre crateras. Larissa, com dificuldades para transpor um obstáculo, auxiliada por Rodolfo e Carla, que a ergueram pelas mãos, puxando-a, Rodolfo, pela mão direita, Carla, pela mão esquerda, viu Tatu-Bola e Taco de Baseball, passando, o primeiro, com um salto, o segundo, voando com o planador, do topo de um prédio de um lado da rua para o topo de um prédio do outro lado da rua, e para eles chamou a atenção de Rodolfo e Carla.

*

Tatu-Bola e Taco de Baseball, os movimentos sincronizados, decidiram atacar Massa Bruta, certos de que não seriam bem-sucedidos; mas teriam de conter aquele monstro disforme, impedir-lhe o avanço, imobilizá-lo, se possível, ou ele espalharia o caos por toda a cidade de São Paulo, disseminaria o pânico por toda a grande São Paulo, que já se deparava com o caos, que, como metástase, espraiava-se por várias cidades, caos promovido por criminosos, que se aproveitaram da presença de Massa Bruta, e agiam, como que em movimentos coordenados, em diversas cidades, furtando, roubando, assaltando, espancando, estuprando, matando. E a corporação policial e o Corpo de Bombeiros já estavam saturadas atendendo às chamadas de pessoas apavoradas. E multiplicavam-se as chamadas de pessoas que recorriam à polícia e aos bombeiros. Reduziu um pouco as preocupações dos organizadores das corporações policiais ao mesmo tempo em que as aumentava a ação de muitos homens que decidiram reagir à ação dos criminosos. Alguns, de posse de um revólver, ou de uma pistola, reagiam aos assaltos, aos roubos, e matavam os assaltantes, ou os rendiam após pô-los desacordados ao encaixar-lhes golpes ou de muay-tai, ou de capoeira, ou de judô, ou de kung-fu, ou de tae-kwon-dô, ou de outra arte marcial. A reação da população obrigou os criminosos a recuarem. Mas eles poderiam vir a se reorganizar e recuperar o território perdido se ninguém desse cabo de Massa Bruta.

Tatu-Bola saltou de um prédio, converteu-se em esfera acobreada, e Taco de Baseball golpeou-o, com o taco de baseball, arremessando-o contra Massa Bruta. A colisão entre o corpo de Massa Bruta e o de Tatu-Bola, tão intensa, tão impactante, que produziu um deslocamento de ar devastador, que arremessou veículos a vários metros de distância e estilhaçou vidros das janelas dos prédios próximos. E Tatu-Bola, ricocheteado, realizou, no céu, um arco, e foi pousar na parede de um prédio, nela fincando suas garras poderosas, inquebráveis, afiadas. Ato contínuo, saltou na direção de Massa Bruta. Taco de Baseball disparou um raio luminoso contra Massa Bruta, enceguecendo-o. Assim que Tatu-Bola converteu-se numa esfera acobreada, Taco de Baseball golpeou-o, com o taco de baseball, arremessando-o contra Massa Bruta. Atingindo Massa Bruta, Tatu-Bola, em forma de esfera, fê-lo recuar dois passos. E Tatu-Bola ricochetou. E Taco de Baseball golpeou-o, arremessando-o contra Massa Bruta. E Tatu-Bola atingiu Massa Bruta na cabeça. A ação de Taco de Baseball e Tatu-Bola conferia um aspecto hilário ao embate. Voando, a vinte metros de altura e a trinta metros de distância de Massa Bruta, em redor dele, Taco de Baseball golpeava Tatu-Bola, então, em sua forma esférica, contra Massa Bruta, o qual Tatu-Bola atingia, e ricocheteava, e Taco de Baseball golpeava-o, arremessando-o contra Massa Bruta. Foi um ataque incessante, dir-se-ia coordenado à perfeição. Massa Bruta não conseguiu reagir. Quando descerrava as pálpebras, Taco de Baseball disparava contra ele uma poderosa rajada luminosa, enceguecendo-o. E restava a Massa Bruta descarregar golpes a esmo, no seu vão esforço de atingir Tatu-Bola, urrar, praguejar e ameaçar, com voz cavernosa, que ecoava por toda a cidade de São Paulo, os seus dois oponentes.

Tal situação, no entanto, não se perpetuaria. Uma hora, ou Taco de Baseball erraria o golpe, ou Massa Bruta golpearia Tatu-Bola. E Massa Bruta golpeou Tatu-Bola, de cima para baixo, afundando-o no chão. Ato contínuo, Massa Bruta pulou, e caiu sobre Tatu-Bola, que ainda estava em sua forma esférica acobreada, erguendo nuvem de pó, cinzas, detritos e pedras. Assim que se dissipou a nuvem, revelou-se aos olhos de todos Massa Bruta, em pé, imóvel, diante de uma esfera acobreada, que se abriu, de repente.

E Tatu-Bola, sorriso estampado no rosto, proferiu uma exclamação de ares cômicos:

– Não doeu!

E com os dois pés Tatu-Bola deu uma pancada em Massa Bruta, surpreendendo-o, elevando-o no céu três metros.

E Taco de Baseball golpeou Massa Bruta, arremessando-o para o alto, e seguiu no seu encalço, e golpeou-o ao mesmo tempo em que por ele foi golpeado. E Taco de Baseball e Massa Bruta foram arremessados para o chão em pontos distantes um do outro trezentos metros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: