O caçador de patos

Certo dia, em algum lugar da França, antes de o galo cantar, anunciando o alvorecer, e o Sol despontar no horizonte, Jean, um amante da arte venatória, a vibrar de energia, retirou-se da sua casa, para uma caçada, na floresta pantanosa. Carregava um rifle e um facão. A floresta da sua casa distava uma hora de caminhada de passos comedidos pela estrada de terra, então lamacenta.

Chegando na floresta, divisou, por entre as árvores rasteiras, em uma lagoa, um pato, que singrava, tranquilamente, a calma água barrenta, e, a curtos intervalos, na água imergia a cabeça, e imersa a conservava durante alguns segundos, e a emergia.

Deteve-se Jean. Não queria de sua presença alertar o pato. Preparou o rifle, cuidadoso, em silêncio, e nem a sua respiração se ouvia. Os seus movimentos eram precisos. Enfim, rifle preparado, apontou-o para o pato. Pô-lo sob a mira do rifle. Ia premir o gatilho, e alvejar o pato, na cabeça, estava certo. Não erraria o tiro, sabia. O pato estava, à sua mira, a trinta metros de distância, e deslocava-se, lentamente, despreocupado, como se vivesse no paraíso. Não erraria o tiro, sabia Jean, que prelibava a refeição: um pato assado. Lambia os beiços, água à boca, a olhar o pato, animal tão incauto, tão inocente, tão pacato, tão… pato. Alvejá-lo-ia, estava certo. Não erraria o tiro, sabia. A menos que…

Com o pato à sua mira – um pato pato, pensava Jean, regozijando-se, lambendo os beiços, água à boca… -, preparado para alvejá-lo, surpreendeu-o, e ao pato, o estalar de um graveto, o qual algum animal premira, e o pato alçou vôo, para contrariedade de Jean, que conseguiu controlar-se, conquanto praguejasse, em pensamento, e as pragas e maldições que, em pensamento, proferia, ecoassem no interior de seu cérebro.

E Jean, o pato à mira do rifle, disparou, e…

No mesmo instante em que Jean premiu o gatilho do rifle, e ouviu-se o estampido da detonação da pólvora, e o projétil principiou, cortando o céu, a sua viagem rumo ao pato, surgiu, não se sabe de onde, um marreco, que seguiu em direção oposta à que seguia o pato, do qual distava quarenta centímetros quando o projétil alvejou-lhe a cabeça, a dele, marreco, então mais pato do que o pato.

E penas de marreco voaram em todas as direções.

E o marreco, morto, sem cabeça, caiu no pântano.

E o pato voou, a salvar-se.

E Jean, que viu o pato a afastar-se, sabia que não fôra em vão o tiro: viu penas a bailarem no céu e um corpo cair no pântano. Correu, feliz e contrariado – contrariado, sim, afinal, não alvejara o pato –, célere, até o local em que caíra o marreco, morto; ao vê-lo, sorriu, e disse:

– Mirei o pato; acertei o marreco.

E foi, feliz, para a sua casa, assobiando uma canção popular e recitando uma poesia pastoril.

E assou o marreco.

E encheu o bucho com a saborosa carne de marreco assada.

E lambeu os beiços, deliciado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: