O distraído

Marcelo chegou à sua casa às dezoito horas e trinta minutos. Retirara-se da loja de calçados na qual trabalhava de caixa minutos depois das dezoito horas, um pouco irritado devido à atitude de um cliente, que, esnobe, soberbo, tratara-o com desdém e o constrangera na frente de três clientes e dois funcionários da loja – o sangue a ferver, os punhos cerrados, Marcelo rilhava os dentes, atiçando-o pensamentos que o exortavam a se arremessar contra o cliente que o destratava; soubera conter-se, no entanto.

Chamou por Renata, sua esposa. Ela não estava na casa. Marcelo rumou ao quarto, entrou no banheiro, do qual retirou-se vinte minutos depois, banhado, chinelos-de-dedos nos pés, camisa regata e short, barbeado, de cabelos penteados, e rumou à cozinha para preparar o jantar, o seu e o da Renata, e na cozinha encontrou Renata, à pia, lavando tomates e cebolas, saudou-a, beijou-a, nos lábios, e ela censurou-o:

– Tu és muito distraído, Marcelo.

– Eu? – perguntou-lhe Marcelo, surpreso com a declaração.

– Sim. Tu.

– Por que eu sou distraído?

– E ainda me perguntas? – e sorriu Renata.

– Não sei por que me dizes que sou distraído.

– Fui ao consultório da doutora Jaqueline levar os resultados dos exames médicos, os quais ela me pediu, na semana passada, passei na agência do banco **, e saquei R$ 500,00; ao sair da agência, te vi saindo da loja, chamei-te, uma, duas, mil vezes, e tu não me ouviste. Gritei, e tu a olhar, distraído, para o outro lado da rua.

– Não te ouvi.

– Claro que não me ouviste. Estavas distraído.

– Que horas eram quando me chamaste?

– Minutos depois das seis… Há alguns minutos. Abaixavam, já, as portas da loja.

– Tive a sensação de que eu ouvia alguém a me chamar.

– Tu és muito distraído, Marcelo. Chamei-te várias vezes, e não me ouviste. E tu não estavas muito longe de mim. Ouviste, me ouviste, mas, distraído, não reconheceste a minha voz.

– Eu não estava distraído, Renata.

– Não?

– Não. E eu não sou um homem distraído.

– Tu não és um homem distraído? Claro que és, Marcelo. Tu andavas a olhar não sei para onde, e, distraído, esbarraste, eu vi, em um homem, senhor de idade, derrubando-lhe a caixa que ele trazia consigo.

– Eu fiz isso?

– Fizeste. E aquele senhor de idade te chamaste a atenção, e tu, distraído, não o ouviste.

– Não percebi o que fiz.

– Claro que não; estavas distraído.

– Eu não estava distraído, Renata.

– Estavas, sim. Distraído estavas, Marcelo. Distraidíssimo.

– Tu me ofendes, Renata.

– Ofendo-te?

– Sim. E duas vezes.

– Explica-te.

– Explicar-me-ei a ti. Ao chamar-me de distraído, sendo que distraído não sou, tu me atribuis características que não me pertencem.

– Que dramático!

– Não zombes de mim, Renata.

– Continues.

– Continuo: Além de me atribuir distração, tu, após eu dizer-te que eu não estava distraído, insististe em me chamar de distraído, chamando-me, portanto, de mentiroso, e mentiroso não sou. Tu me ofendestes, Renata, duas vezes.

– E tu não estavas distraído, não?

– Não. E provo. Tu me chamaste, e não te ouvi, e esbarrei, tu me disseste, em um senhor de idade, derrubando-lhe a caixa que ele carregava. Não foi por distração que não te ouvi e que derrubei a caixa que o senhor de idade carregava ao nele esbarrar-me e que não o ouvi recriminar-me. Naquele momento, eu estava concentrado, muito concentrado, em uma morena de um metro e setenta, de minissaia verde e camisa branca decotada, que andava, melhor, desfilava, na calçada, no outro lado da rua, e eu…

E Marcelo cessou o relato ao fitar Renata, e notar-lhe o rosto carregado e o olhar ameaçador a fuzilá-lo, e ver, na mão direita dela, uma faca. E tratou, rapidamente, de de sua esposa afastar-se. E retirou-se, correndo, da cozinha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

Dragão Metafísico

Depósito de palavras, pensamentos e poesias.

%d blogueiros gostam disto: