Patrulheiros Fique Em Casa (Versão 2)

Eram seis horas da manhã.

João despertou, moveu-se, na cama, sob o fino lençol, lenta e cuidadosamente, para não acordar sua esposa, que fôra, às duas da madrugada, dormir, exausta, após um dia de muitas tarefas, no transcurso do qual dedicou-se a cuidar de seu pai, um ancião enfermo, que requer muitos cuidados. Sem fazer ruídos, sentou-se na beira da cama, calçou os chinelos, e retirou-se do quarto, e foi ao banheiro, onde deixara, na véspera, as roupas que usaria durante o dia de trabalho. Banhado, barbeado, penteado, perfumado, retirou-se, vinte minutos depois, do banheiro, andando pé ante pé, para não acordar sua esposa, que merecia o sono dos justos, e rumou à cozinha, onde preparou o seu café-da-manhã, e o de sua esposa e os dos três filhos. Eram sete horas e quarenta e cinco minutos, um de seus filhos, o primogênito, jovem recém-entrado na vida adulta, foi à cozinha, e saudou-o com a benção costumeira. João respondeu à saudação, orientou-o quanto às tarefas do dia, disse-lhe que ele ajudasse à mãe a cuidar dos irmãos menores e os entretivesse, e lhes aplicasse uns sopapos e puxões de orelhas, caso eles os merecessem. Pai e filho conversaram até às oito e meia. E despediram-se. Após pegar, de sobre a estante da sala a carteira, João retirou-se da sua casa, e deu os primeiros passos para ir à empresa.

Na casa vizinha à de João, às oito horas, acordaram José e sua esposa. Ela ficaria em casa, cuidando dos afazeres domésticos e entretendo os três filhos, todos crianças, o primogênito de oito anos. E José iria à empresa. José banhou-se. E comeu e bebeu do café-da-manhã que sua esposa lhe preparara. Com sua esposa conversou durante uns dez minutos, e dela recebeu uma pequena folha de papel sulfite com a lista de compras e uma receita médica e uma fatura da empresa de fornecimento de energia elétrica, e recomendações quanto à marca de alguns produtos e a composição deles. Após ouvir-lhe as orientações e recomendações, dela despediu-se com um beijo nos lábios, e retirou-se da casa, de sua esposa ouvindo que Deus o acompanhasse e para ela dizendo que ela ficasse com Deus. Eram oito e meia.

João e José saudaram-se, e rumaram, juntos, à empresa. Eram amigos de longa data e colegas de trabalho. Inteiraram-se das novidade e criticaram o governador e o prefeito. Elencaram as decisões autoritárias deles. Não haviam chegado à esquina, uma viatura do Patrulheiros Fique Em Casa, em baixa velocidade, aproximou-se deles. João e José, na expectativa, fitaram-la, receosos. Assim que a viatura se lhes aproximou, viram que havia dois patrulheiros no seu interior. Detiveram-se. E o patrulheiro sentado no banco do carona, carrancudo, ríspido, indagou-lhes.

– O que as donzelas estão fazendo aqui?

E José, homem que não leva desaforos para casa, replicou, de imediato:

– Por que você não cuida da sua vida!?

O patrulheiro cerrou as sobrancelhas, mordeu os lábios, rilhou os dentes, concentrou o seu olhar de poucos amigos em José e bufou de raiva. O motorista, se lhe antecipando, e antevendo uma luta corporal entre o outro patrulheiro e José, e medindo o porte deste e calculando a raiva daquele, de quem era conhecedor do temperamento atrabiliário, certo de ser ele um pavio curto, disparou a João e José a ordem:

– Retornem às casas de vocês. E fiquem em casa.

– E por quê?! – perguntou José, num tom de voz alto, desafiador.

– Estamos de quarentena. É ordem: todos devem ficar em casa.

E José replicou.

– E o que vocês dois estão fazendo aqui!? Por que vocês não estão nas casas de vocês?

O patrulheiro sentado, no banco do carona, tratou, e logo, de abrir a porta da viatura, desta retirar-se, e fincar pé diante de José, um palmo separando-o dele, fitando-o nos olhos, bufando, medindo-lhe, instintivamente, a força física. O outro patrulheiro retirou-se da viatura, foi até o seu colega, pediu-lhe calma, e disse para João e José:

– Nós – referiu-se a si mesmo e ao seu colega – estamos fazendo o nosso trabalho.

– E nós queremos ir à empresa fazer o nosso trabalho – replicou João.

– Entendemos, amigo – disse o patrulheiro. – Mas vocês têm de ficar em casa. Têm de respeitar a quarentena – ao dizer tais palavras, pôs a mão direita sobre o ombro esquerdo do seu colega, e a este pediu que se acalmasse e se afastasse de José. Ele lhe atendeu ao pedido, e de José afastou-se, de má vontade, sem desviar, dele, o olhar, em nenhum momento; nem piscar, piscou. E enquanto o patrulheiro de cara-de-poucos-amigos, enfezado, e José, igualmente enraivecido, encaravam-se, prontos para se lançarem um contra o outro e socarem-se até à morte, João e o outro patrulheiro estenderam-se no seguinte diálogo:

– José e eu somos pais de família. Temos de trabalhar, para ganhar o nosso o nosso arroz e feijão de todo dia. Não podemos nos dar ao luxo de permanecermos em casa. Não somos ricos. Não nascemos em berço de ouro.

– Eu entendo…

– Se me entende, deixe-nos ir trabalhar; precisamos do nosso ganha-pão.

– Recebemos ordens para abordarmos todos os elementos…

– Agora somos “elementos”?! Que absurdo! Não somos pessoas, não?!

– Quero que você me entenda. Recebemos ordens…

– Não as cumpra…

– Não podemos.

– E por que não? Ninguém tem de cumprir ordens que prejudicam outras pessoas.

– Ouça…

– Vocês não têm que acolher ordens que contrariem a consciência de você.. A menos que concordem com os desmandos do governador e do prefeito.

– É a lei, meu amigo. É lei. Estamos cumprindo a lei.

Assim que o patrulheiro proferiu tais palavras, José, que, encarando o outro patrulheiro, que o encarava, e que se continha para não se lançar sobre ele, empurrou-o, jogando-o contra a viatura, surpreendendo-o com tal golpe, e atraindo para si a atenção de João e do outro patrulheiro, e para este disse, em tom elevado, aproximando-se dele, desafiador, quase lhe encostando no nariz o nariz:

– Lei!? Lei!? Vocês respeitam leis que impedem as pessoas de trabalharem!? Vocês respeitam leis que impedem as pessoas de tirarem o sustento do próprio trabalho!? Que tipo de homens sãos vocês? Vocês não são homens; vocês são ratos.

Enquanto José lançava tais palavras ao rosto do patrulheiro, o outro patrulheiro, recuperando-se do empurrão, deu uns dois passos na direção de José, punho cerrado. João, mantendo o estado de espírito, interpôs-se entre eles, e foi pelo patrulheiro empurrado. José, aqui, encerrou a sua palestra inspirada pela fúria que ele, com extrema dificuldade, continha, voltou-se para João, e fez um movimento em direção ao patrulheiro que o empurrara, preparado para neste encaixar, na cabeça, um soco; o outro patrulheiro puxou José pelo ombro; e José, instintiva, e automaticamente, moveu, com um gesto abrupto, o braço, acertando-lhe, com o cotovelo, o nariz. João pediu a José calma, chamando-o à razão. Enquanto o patrulheiro golpeado no nariz recuava alguns passos, curvava-se para a frente e levava as mãos ao nariz e o outro patrulheiro, indeciso, olhava ora para o seu colega, ora para José e João, João puxou José para trás, e ambos afastaram-se dos dois patrulheiros alguns metros. E o patrulheiro que até segundos antes desafiava-os, foi até o que massageava o nariz atingido pelo cotovelo de José. Transcorridos alguns segundos, o patrulheiro, após avaliar o nariz do seu colega, voltou-se para José, e disparou-lhe:

– Você irá pagar muito caro pela afronta.

– Você é só um cachorrinho do governador e do prefeito – retrucou José.

João pediu a José calma. Este se conteve. João tinha ascendência moral sobre seu amigo mais novo, homem buliçoso, de muita energia. De temperamento sereno, sempre o orientava, e não foram poucas as vezes que seus conselhos, acolhidos por ele, o impediram de se envolver em apuros. José respeitava-o, reconhecia-lhe a autoridade; daí conter-se assim que ele, de frente para si, olhando-o nos olhos, as mãos pousadas em seus ombros, pediu-lhe calma, numa voz tranquilizadora. José calmo, João voltou-se, fitou os patrulheiros, moveu a cabeça em direção a José, pediu a este que permanecesse onde estava, disse-lhe que iria resolver a questão, e foi até os patrulheiros, aproximou-se deles, e desculpou-se com o patrulheiro golpeado, no nariz, por José, e prosseguiu:

– Estamos todos nervosos com a situação. Não queremos desentendimentos. Eu e José temos de trabalhar. Eu tenho esposa e filhos que precisam de mim, e José é casado, a esposa dele tem de ficar em casa para cuidar dos três filhos deles, todos crianças. E ela não pode ir trabalhar. Ela é professora de uma creche, que está fechada; e os três filhos dela e de José foram dispensados de frequentar a escola. E a esposa de José não sabe se, no próximo mês, receberá o salário, e nem se manterá o emprego, ou se será demitida. Se demitida, a renda da família de José se reduzirá à metade. E se José também perder o emprego!? Vocês me entendem? A situação da minha esposa e minha não é tão preocupante, pois temos um escritório em casa; e minha esposa dá aulas particulares, de inglês, via computador, e tem uma boa renda. Mas eu tenho de conservar o meu emprego; se eu o perder a renda da minha família se reduzirá à metade. E a de José? A esposa dele pode perder o emprego, e José também. E o que será deles e dos filhos deles, se ambos perderem o emprego? De onde eles tirarão o dinheiro de que precisam para comprar a comida para eles e para os três filhos deles? Eles não terão renda.

– Eu entendo – respondeu o patrulheiro que tivera seu nariz golpeado por José. – Mas nós estamos cumprindo ordens.

– E as ordens que vocês receberam – replicou João, seguro de si – são injustas. Vocês não têm a obrigação moral de cumpri-las, se a consciência de vocês entendem que elas fazem mal, muito mal, às pessoas.

Entreolharam-se os dois patrulheiros. João notou que eles estavam confusos, entrechocando-se no cérebro deles pensamentos conflitantes; e se persuadiu de que, com algumas palavras sensatas, poderia chamá-los à razão e fazê-los entender que eles, sendo patrulheiros, têm o desejo de ajudar as pessoas, e não o de prejudicá-las. Antes, porém, de dar sequência à sua palestra, o patrulheiro com o nariz machucado tomou a palavra:

– Todas as pessoas têm de ficar em casa. Fora de casa, podem ser infectadas pelo coronavírus, que já matou milhares de pessoas e que irá matar muita gente se ninguém respeitar a quarentena. Toda pessoa tem de pensar no bem-estar coletivo, e não em si mesma, só nos seus próprios interesses.

– Mas… – principiou João, reconhecendo a intransigência do patrulheiro, presumindo, e corretamente, que a cabeça dele estava recheada de imagens apocalípticas inspiradas pela agressiva campanha midiática que aterrorizou bilhões de pessoas mundo afora; sabia, estava certo, de que seria praticamente impossível convencê-lo do erro em que ele se encontrava.

– Ouça-me – prosseguiu o patrulheiro. – Ouça-me: Você e o seu amigo, se perderem o emprego, poderão conseguir outro…

– O quê!? – interrompeu-o João, surpreso com o que ouviu. Os seus gestos e o tom de sua voz, ligeiramente mais elevada do que o habitual, atraíram a atenção de José, que, até este momento, controlando-se, conservava-se à parte.

José andou na direção de João, e dos patrulheiros, que o fitaram. Com um gesto, João pediu-lhe calma, e, dirigindo-se aos patrulheiros, disse:

– Se perdermos o emprego, José e eu não teremos a certeza de conseguirmos outro. Você disse – prosseguiu, olhando para o patrulheiro com o nariz machucado – que José e eu poderemos conseguir outro emprego; você reconhece que não há certeza de que conseguiremos outro; é só uma possibilidade, e não uma certeza.

– Amigo – retomou a palavra o patrulheiro -, a vida é mais importante…

– Mais importante do que o quê!? – perguntou José, irritado, antecipando-se a João, indo na direção do patrulheiro.

João interpôs-se entre José e os patrulheiros, para impedir que eles se engalfinhassem numa luta corporal  da qual todos saíram machucados. Sabedor do temperamento sanguíneo do seu amigo, tinha consciência de que a situação poderia vir a desandar, e converter-se num constrangedor espetáculo de animalidade; até o momento, com muita fleuma, conteve os ânimos exaltados de José e do patrulheiro de cara de poucos amigos; mas, agora, não tinha mais a certeza de que contaria com a calma que lhe inspirasse palavras que exercessem alguma ascendência sobre os outros três personagens com os quais contracenava neste grotesco capítulo da história humana; entendia que perdia o controle da situação, que o protagonismo não era mais seu, que outros dois personagens, José e o patrulheiro de cara de poucos amigos ascendiam nos papéis que representavam, que eles, de coadjuvantes, assumiriam o papel de protagonistas. João sabia que se perdesse para eles o papel principal os eventos que se seguiriam exibiriam cenas constrangedoras, reduzidos os quatro personagens a criaturas irracionais, estúpidas. Foi então que veio em seu socorro uma idéia: dizer aos patrulheiros que ele e José não iam à empresa, para trabalhar, mas que saíram de casa para um passeio; e assim fez; e do patrulheiro ouviu:

– Não se permite aglomerações na rua.

– O quê!? – perguntaram João e José, surpresos, em uníssono. – Aglomerações!? Aglomerações!?

– Vocês dois… – prosseguiu o patrulheiro.

E João e José o interromperam.

– Nós dois somos dois homens, apenas. Aglomerações… Estamos…

– Mude o seu tom de voz, rapaz – vociferou o patrulheiro de cara de poucos amigos contra José, desse aproximando-se, ameaçador, fuzilando-o com os olhos, furioso, preparado para acertar-lhe um soco na cabeça. José, antecipando-se-lhe, golpeou-o com um soco, no nariz, com tanta força, que o arremessou-o para trás. O patrulheiro, sua cabeça jogada para trás, caiu, desequilibrado, sentado, pousando, como pôde, desajeitadamente, as mãos no chão, para não bater com a cabeça no muro de uma residência; via-se-lhe no rosto, estampada, a surpresa que dele se acometeu; e um fio de medo; ele não previra, era certo, que José poderia alvejá-lo com um murro tão potente, certeiro, que quase lhe roubou a consciência; era visível a sua confusão e o seu estado de semi-consciência, de quem não entendia o que se passava; olhava, desnorteado, cerrando e descerrando as pálpebras, mal conseguindo ver o que estava a um palmo de seus olhos. João não precisou ir até José para contê-lo, pois ele, vendo, caído, o patrulheiro, deteve-se a observá-lo. O rosto de José transparecia a raiva contida que lhe fervia nos vasos sanguíneos. O outro patrulheiro acudiu o patrulheiro caído; acocorado, deu-lhe leves tapas no rosto, para retirá-lo do torpor em que o soco que recebera o mergulhara, chamando-o pelo nome, sob os olhares de João e José.

Assim que se recompôs, o patrulheiro, massageando o rosto, levantou-se, desajeitadamente, com a ajuda de seu colega, e olhou para José, este, então, com o olhar franzido, o cenho cerrado, os músculos do rosto contraídos, os punhos fechados, em posição de ataque. O olhar do patrulheiro, agora, não exibia a confiança de antes; era o olhar de um homem amedrontado e humilhado. João, reconhecendo que os ânimos haviam se esfriado – o de José, inclusive, pois, sabia João, José agora tinha o domínio, conquistado pela sua estatura e força física e agressividade, sobre os seus oponentes -, desculpou-se com os patrulheiros, e, para os persuadir de deixar a eles, João e José, a seguirem o rumo, tranquilamente, até a empresa, decidiu exibir a sua carta derradeira, na qual pensara enquanto os patrulheiros se recuperavam da lição que José lhes ministrara:

– Patrulheiros, José e eu não saímos, ele, da casa dele, eu, da minha, para irmos à empresa, e nem para uma caminhada – as suas palavras, magnéticas, atraíram a atenção dos patrulheiros e de José, e os três, José mais do que os outros dois, intrigados, na expectativa, ouviram João, atentamente. – Direi a verdade parta vocês. Nós saímos, José da casa dele, eu da minha, para irmos à boca do Tião Tatu. Vocês o conhecem. Ele é uma personalidade muito famosa na cidade. É ele, e vocês sabem, quem fornece maconha, cocaína, lsd, crack, para os magnatas locais, os médicos, os advogados… Não preciso falar para vocês o que vocês já sabem, e melhor do que eu. Ora, José, na casa dele, e eu, na minha, confinados, não conseguimos aturar, eu, minha esposa e filhos, José, a esposa e os filhos dele. Precisamos espairecer. As mulheres falam mais do que a boca, e os filhos são muito barulhentos. São insuportáveis. Estamos José e eu à procura de um pouco de refresco. E onde há tranquilidade, agora, com todo o auê causado pelo coronavírus? Na boca do Tião Tatu. Lá, José e eu gozaremos de algumas horas de calmaria. Precisamos alimentar o espírito esmagado pela esposa e pelos filhos. E urgentemente. Não aguentamos mais. Estamos a ponto de explodirmos. E lá, na boca do Tião Tatu, sabemos, a esta hora, há, além do néctar dos deuses, novinhas, novinhas irresistíveis. Entendem-nos? José e eu só queremos nos divertir.

Os patrulheiros entreolharam-se, e sorriram, cúmplices; ato contínuo, um deles, o que dirigia a patrulha, disse, sorridente, para João e José:

– E por que vocês não nos disseram antes?!

– Ora, é que pensávamos que vocês iriam nos prender – respondeu João.

– Prender vocês por quê!? – perguntou o patrulheiro, num misto de surpresa e indignação. – Não recebemos ordens para prendermos homens de bem. Temos ordens para abordarmos toda pessoa que sai de casa para trabalhar, ou para caminhar. Vocês não estão incluídos em nenhuma destas duas categorias. Se tivessem nos falado antes, teríamos evitado a confusão.

– Não sabíamos – comentou João, surpreso, mas ocultando dos seus interlocutores a surpresa.

– Tudo bem – disse o patrulheiro. – São águas passadas.

– Lamentamos o mal-entendido – desculpou-se João. – Eu e José pedimos desculpas. Principalmente a você – disse, dirigindo-se ao patrulheiro que recebera o soco de José; e voltando-se para José, transmitiu-lhe, com o olhar, a mensagem, que ele compreendeu de imediato.

– Desculpe-me – disse José, dirigindo-se ao patrulheiro que golpeara minutos antes. – Não era a minha intenção…

– Tudo bem – interrompeu-o o patrulheiro. – Desculpas aceitas – e estendeu a mão, em cumprimento a José, que lha apertou amigavelmente. – Você tem um ótimo soco de direita – comentou, sorrindo, jocoso. – Respeito quem me manda para o chão com um soco. Mas não abuse, não. Da próxima vez você não me pegará desprevenido.

Os quatro personagens cumprimentaram-se, amigavelmente, renovaram os pedidos de desculpas, trocaram algumas notícias; e desejaram-se um bom dia. E os patrulheiros entraram na viatura, e deixaram João e José livres para irem à empresa trabalhar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: