A Linha da Sombra – de Joseph Conrad

Joseph Conrad, cujo nome de batismo é Józef Teodor Konrad Nalecz Korzeniowski, célebre escritor ucraniano de pais poloneses, é o autor do popular O Coração das Trevas (Heart os Darkness), que serviu de base para o filme Apocalipse Now, de Francis Ford Coppola. Escreveu inúmeras obras, em língua inglesa – idioma que dominava com maestria -, muitas delas inseridas no rol de obras-primas da literatura universal.
O livro A Linha da Sombra (The Shadow Line: A Confession), uma pequena obra de um pouco mais de cem páginas, é um exemplar do seu magistral talento narrativo, simultaneamente simples e exuberante, poderoso, vigoroso, e inventivo, e rico de expressões e de evocações de cenas dramáticas e trágicas. Não é esta novela uma das suas obras mais conhecidas. As mais populares são Lord Jim, Nostromo e a já citada O Coração das Trevas; mesmo assim, ela merece figurar no cânone das obras literárias mais valiosas de todos os tempos. É uma pequena obra-prima esta novela cujo protagonista, um jovem marujo que se vê nomeado, pelo Capitão Ellis, comandante do vapor Melita, tem de enfrentar enervantes desafios, desafios que massacram os homens de espírito fraco. Bangkok é o destino de sua primeira viagem. E o herói contracena com uma galeria de personagens: John Nieven; Hamilton; Capitão Giles; Capitão Ellis; Burns, o imediato; Ransome, o cozinheiro; Gambril; e outros figurantes. Além destes, e do herói – cujo nome não é mencionado – da aventura, há um outro personagem – cujo nome também não é mencionado -, o predecessor do protagonista no comando do vapor Melita, personagem, este, que havia morrido, numa viagem anterior, na embarcação e cujo corpo foi enterrado, por Burns, o imediato, no Golfo de Sião, na latitude 8*20′, norte, em local que estava na rota do vapor Melita. Conta-se que o falecido capitão era um homem de sessenta e cinco anos, obstinado, severo, introspectivo, que, trancafiado no camarote, tocava violino durante horas, ininterrupta e obsessivamente, e que mantinha a embarcação à deriva, sendo seu propósito, presumiam os tripulantes, o de jamais regressar à terra. E é este personagem, cujo nome, repito, não é indicado pelo autor, objeto de obsessão de Burns, o imediato.
Lançado Melita ao mar, os seus tripulantes adoecem de uma moléstia, que os alquebram, excetuados o capitão (o herói da aventura) e Ransome, o cozinheiro, acutilado, este, por alguma afecção cardíaca. Enquanto Burns, o imediato, e Gambril, e o segundo piloto e os outros tripulantes estavam acamados devido à febre que os prostrava, o capitão e Ransome desdobravam-se para se desincumbirem de suas árduas, desgastantes, tarefas; e estes dois personagens estavam sempre às voltas com os delírios de Burns, o imediato, que atribuía a febre malsã que debilitava os tripulantes do Melita ao espírito do falecido capitão. E Burns febricitava, delirava, presenciava, em sua mente perturbada, fantasmagorias.

Somando-se à febre que acometeu os tripulantes, o clima desfavorável, as trevas que envolveram a embarcação e a tempestade dificultaram o já difícil trabalho do capitão, o herói que não deu a público o seu nome. E o impacto das previsões agourentas do imediato no capitão não foi irrelevante: fê-lo, em algumas ocasiões, suspeitar, sob influência do medo, da tensão, das incertezas decorrentes dos contratempos, de sua sanidade, e a vislumbrar, em momento tão caótico, tão crítico, e em ambiente tão adverso, criaturas demoníacas, teratológicas, onde havia apenas humanos.
Se eu persistir na redação desta resenha, incorrerei, inadvertidamente, num pecado imperdoável: o de revelar o desenlace de tão intrigante aventura marítima concebida por um mestre da narrativa, dono de um estilo exuberante, másculo. No desejo de não cometer ato de tal gravidade, encerro-a com estas palavras: Joseph Conrad apresenta, nesta pequena obra-prima, um pouco de sua experiência de marinheiro; e dá ao mundo um presente do tamanho de seu imensurável talento, que tem as dimensões da vastidão dos sete mares.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: