Conspiração (Qui sème le vent, 2011, França). Diretor: Frédéric Garson. Estrelando: Laurent Lucas e Natacha Régnier.

Ninguém encontrará, neste filme de Frédéric Garson, cenas de perseguição de carros e de motos, e de lutas mirabolantes, e de explosões, todas de inspiração hollywoodianas, cenas que desrespeitam as leis da física e as do bom-senso. Não assistirá a lutas que se estendem por cinco, dez minutos, os protagonistas a se baterem, a se socarem, a se estapearem, a arremessarem uns contra os outros todos os objetos que encontram à mão, e tampouco a baterem a cabeça, testa contra testa, como se fosse este um ato sensato, inteligente, o golpe mais eficiente que durante uma luta uma pessoa pode desferir contra o seu oponente, derrubando-o, e conservando-se ilesa. E tampouco cenas em que os criminosos disparam rajadas de metralhadoras contra o carro, que o herói do filme dirige, transformando-o em queijo suíço, e do qual o herói, retirando-se sem um arranhão, com um tiro certeiro alveja o criminoso, matando-o.
Narra o filme uma sofisticada trama de política internacional, que envolve representantes dos governos da França, da China e do Níger, e os de uma empresa de exploração de urânio e os de uma ong ambientalista.
São sequestrados, no Níger, país situado no norte da África, outrora colônia francesa, dois pesquisadores de uma ong ambientalista, Jean-Michel (Frédéric Pierrot) e Coralie (Johanna Bah), que examinam o solo à procura de elementos que lhes sustentem a tese que defendiam: a de que a exploração de urânio poluía a região. E não se sabe quem são os sequestradores.
Hugo Geoffrey (Laurent Lucas), coadjuvado por Hèléne Morange (Natacha Régnier), ele, o policial francês encarregado da investigação e negociação com os sequestradores de Jean-Michel e Coralie, ela, representante da ong ambientalista para a qual trabalham os dois pesquisadores sequestrados, envolvem-se, entre tapas e beijos, e olhares de repulsa e de paixão, numa trama protagonizada por inúmeros personagens, cada um deles em defesa dos interesses ou de um governo, ou próprio, ou o de uma empresa, sendo impossível distinguir dos vilões os heróis; no filme não há espaço para maniqueismo: não há os legítimos representantes do bem e os autênticos representantes do mal. Todas as personagens envolvidas, diretamente, no caso entre governos e empresas de exploração de urânio são nebulosas, estão na penumbra, não na escuridão absoluta, tampouco iluminados por um astro radiante. E só faço uma ressalva à caracterização das personagens: numa exibição, presumo, de inegável amor, imerecido, inexplicado, injustificado, por uma visão de mundo ambientalista, melhor, onguista, as três personagens que representam a ONG ambientalista, Hèléne Morange, Jean-Michel e Coralie, são apresentados como seres abnegados, puros, imaculados. Tal detalhe, todavia, não reduz o valor do filme nem sequer em um centavo.
Enquanto se desenrola a investigação e as negociações – que se arrastam, com avanços e recuos inesperados, enervando os negociadores – com os sequestradores e com os representantes do governo do Níger, general Kassoum (Oumar Barou Quedraogo) e coronel Aboubacar (Emile Abossolo M’bo), e com os da empresa francesa Urania, que há décadas detém a licença, concedida pelo governo nigerino, de exploração das jazidas de urânio nigerinas, agora cobiçada pelo governo da China, que lança mão de expedientes reprováveis para obtê-la, Hugo Geoffrey tem contato com Yassine (Mohamad Zeidan), seu intermediário com os sequestradores, ou, melhor, com quem usa os sequestradores para fins obscuros.
O filme surpreende pelo tratamento realista dado à trama, sem concessões ao heroísmo de um indivíduo onipotente, que enfrenta, no muque, todos os seus oponentes, e pela ausência de cenas, grandiosas e desnecessárias, de perseguições mirabolantes de carros e motos pelo centro movimentado de uma cidade populosa. Não há cenas criadas unicamente para impressionar o público sugestionável e dele esconder a inexistência de uma trama bem concatenada. Prende a atenção usando, apenas, uma trama bem urdida: é impossível antecipar o seu desenlace; não se sabe quem ordenou o sequestro de Jean-Michel e Coralie e com qual propósito. Foi o governo da China? ou o da França? ou o do Níger?
Afirmei, no início, que não se encontrará em Conspiração (Qui sème le vent), cenas de explosão. De inspiração hollyoodiana, não, não se encontrará; no entanto, nos momentos finais, há uma cena de explosão, curta, de um, dois segundos, e se vê uma nuvem de fumaça elevando-se no horizonte, atrás dos prédios. E só.
É Conspiração (Qui sème le vent) um filme para quem aprecia o que de melhor a sétima arte pode oferecer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: