As Vespas – de Aristófanes

Conta o comediógrafo eventos que se sucedem na casa de Filoclêon, confinado este à sua casa por seu filho, Bdeliclêon e os escravos Xantias e Sosias. No princípio, está Bdeliclêon, no terraço, mergulhado no sono, e, à frente da porta, guardando-a para impedir que por ela saísse Filoclêon, os dois escravos, um a dormir, o outro entre a vigília e o sono, e assim que o que estava a dormir desperta, entabulam ambos um diálogo, e narram cada qual o seu sonho, vindo a receber o de Xantias interpretações contrastantes. Logo, Filoclêon trata de tentar a fuga, já ciente o leitor de que o filho dele conserva-o na casa, suprimindo-lhe a liberdade, que ele tanto estima, para poupá-lo de chafurdar-se no vício que tanto lhe reprova, o de frequentar, com assiduidade, o tribunal, servindo de juiz nos julgamentos, para receber os três óbolos de pagamento pelo trabalho prestado à cidade, e, infalivelmente, condenar o réu, atendendo, assim, um vaticínio que lhe fizera o deus de Delfos: Filoclêon morreria se um acusado lhe escapasse das mãos, absolvido. Tinha Filoclêon, portanto, de ir ao tribunal, depositar, na urna, seu voto, pela condenação de Dracontidas, que viria a ser absolvido do crime que lhe imputavam. Usa de uma artimanha para escapar ao confinamento ao qual o filho o obrigara: enveredou pelos canos e calhas. Impedem-lo de empreender a fuga. Persiste Filoclêon: Entra no forno da chaminé. Num diálogo hilário com seu filho, que lhe pergunta quem ele é, diz ser fumaça de lenha de figueira. Bdeliclêon não se deixa ludibriar por artimanha tão absurda. Persiste Filoclêon, que urdiu outro estratagema: Diz que irá vender jumentos. E esconde-se sob o jumento. E aqui se dá a paródia à Odisséia. Indagado quem é, responde ser Ninguém, tal qual Ulisses responde ao Ciclope, no épico Odisséia, de Homero, vate helênico cuja existência é controversa.

Na sequência, anunciam-se os velhos juízes, as vespas, que recorrem a Filoclêon para eles irem ao tribunal assistir ao julgamento de Laques, e depositarem, na urna, um voto, de condenação. À frente da casa de Filoclêon pronunciam-se os juízes, que à ela não têm acesso, e clamam pela presença de Filoclêon. Bdeliclêon intervêm, e segue uma briga – homérica, digo, com um sorriso a enfeitar-me o rosto – entre Bdeliclêon e escravos contra os juízes. Para dar fim à contenda, propõem um debate entre Filoclêon e Bdeliclêon, aquele argumentando em defesa de seu trabalho, nobre, essencial para a conservação da ordem, este, em oposição ao trabalho de juiz, que são, entendia, escravos dos homens que de fato detinham em suas mãos o poder. Ficou acertado que se Bdeliclêon os persuadisse de que eram os juízes escravos, insignificantes, os juízes reconhecer-lhe-iam a vitória e abandonariam o projeto de conduzir Filoclêon ao tribunal. Contrastam as duas teses, a do pai e a de seu filho. Filoclêon, orgulhoso de suas incumbências, enaltece sua profissão, e é nítida a sua soberba, e o tom despeitado que emprega em sua exposição. É clara a sua arrogância; e o seu apreço pela profissão de juiz resume-se ao que dele auferia: prestígio, poder; nenhuma palavra ele pronuncia em favor da dignidade do cargo que ocupa; seu amor ao seu trabalho resume-se às exterioridades, ao título e à riqueza, ao poder adquirido, à proteção e aos favores que recebia dos soberanos, e à sua reputação, que se equivalia à dos deuses do Olimpo. Opõe-se-lhe à tese Bdeliclêon a sua: O juiz é apenas escravo, e é mal remunerado, recebendo mísera parcela dos impostos que os poderosos extorquiam ao povo, e ele, Filoclêon, limitava-se a obedecer quem lhe pagava o salário, isto é, as pessoas que dele exigiam o voto de condenação aos acusados, voto que ele jamais lhes recusava; era, portanto, Filoclêon, um serviçal, um insignificante serviçal, uma peça de um maquinismo cujas dimensões ele desconhecia. Ao encerramento da exposição de Bdeliclêon, reconhece-lhe o coro a vitória. Ainda assim, deseja Filoclêon ir ao tribunal; agora, seu filho reconhecendo-lhe o desejo indomável, propõe-lhe, no que ele concorda, simular, na casa dele, um julgamento. Providencia Bdeliclêon as urnas, as plaquetas, e ramos de incenso e de mirto para a invocação dos deuses, para que Filoclêon seja clemente com os acusados, e não com os acusadores. E dois homens pronunciam-se, ambos fantasiados de cachorros; destes, um é acusado de roubar queijo da Sicília. E a pena seria a de submetê-lo a uma coleira bem apertada. E teria Filoclêon de proferir a sentença, ou de condenação, ou de absolvição, após ouvir os argumentos de defesa e os de acusação. A cena que se desenrola é de humor impagável. E é sucedida por outra cena de equivalente teor cômico, agora Filoclêon, embriagado, exibindo um espetáculo de indecência e insolência de ruborizar Calígula, a vilipendiar e a maltratar os convivas. Livre de um vício, cai Filoclêon em outro vício, apesar das sábias exortações de seu filho.

Encerra-se o leitor a leitura desta antiga comédia grega certo de que Aristófanes não reconhecia virtudes nos juízes, que para ele eram apenas criaturas tolas a serviço de homens poderosos, e acreditava na imutabilidade dos tipos humanos, sendo os propensos aos vícios insensíveis aos apelos da razão e da sabedoria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: