Entrevista com o senhor Nulo da Silva, candidato a prefeito – parte 5 de 5 – publicada no Zeca Quinha Nius

Satisfeita a gula, o senhor Nulo da Silva, candidato a prefeito pelo Partido Extraordinário de Inteligentes Democratas e Eminentes Intelectuais (PEIDEI – mas não fui eu) regressou à sala de entrevistas, onde o entrevistador, apático, seguia a olhar o vazio desde o momento em que da sala retirara-se o senhor Nulo da Silva. O senhor Nulo da Silva sentou-se na cadeira que lhe estava reservada, e aguardou o entrevistador emergir da letargia em que mergulhara minutos antes. Decorridos alguns minutos, o entrevistador, imóvel, alheado, a olhar o vazio, o senhor Nulo da Silva levantou-se, foi até ele, e sapecou-lhe um tapa na nuca:

NULO DA SILVA: Acorde, besta!

ENTREVISTADOR: Hã! Quê! É o senhor, senhor candidato?

NULO DA SILVA: Não, bronco. É o papa Chiquinho, o metido à pobretão.

ENTREVISTADOR: Onde estávamos?

NULO DA SILVA: Você estava aqui; eu, na outra sala, fazendo uma boquinha.

ENTREVISTADOR: Não… É… Quero dizer… A entrevista. Em que ponto estávamos, na entrevista?

NULO DA SILVA: No ponto em que moí o seu cérebro você com a revelação de verdades que você não deseja conhecer.

ENTREVISTADOR: Então…

NULO DA SILVA: Então, eu darei as cartas neste atual trecho da entrevista, pois já vi que você está num estado de total alheamento mental, e não tem condições de apresentar-me uma pergunta sequer.

ENTREVISTADOR: Senhor candidato…

NULO DA SILVA: Falávamos da política dos políticos. Que frase esclarecedora! Os políticos, como eu dizia, senhor perguntador, entregam ao povo muitas benesses, após, claro, não podemos ignorar, e nem esquecer, surrupiarem-lhe boa parte da riqueza que ele cria com o suor do próprio rosto. Décadas após décadas, geração após geração, enfia-se, na cabeça do povo, idéias, que lhe debilitam a fibra, e o fazem abandonar o desejo de viver, plenamente, a vida, e a perder a vontade de lutar em defesa de seus próprios interesses. E como se faz isso? Com a inserção sub-reptícia, sorrateira, de valores que lhe são prejudiciais, persuadindo-o a adotá-los, e contra ele mesmo, contra seu bem-estar, até criar um consenso, que é falso, artificial, acerca de todas as questões, em especial da moral, que deixa de ser a antiga, a milenar, a universal, e passa a ser a nova, a moderna, a politicamente correta, enfim, a comunista. Enfim, o resultado de tal política é a acefalia do povo, que perde critérios para avaliar as coisas da vida; cria-se, assim, uma cultura amorfa, tola, desprovida de substância moral.

ENTREVISTADOR: É tão simples assim?

NULO DA SILVA: Não. Aparentemente é simples. Mas não é, daí a necessidade de muita paciência, e décadas de ininterrupta propaganda comunista, que nem sempre está abertamente apresentada como comunista, mas como democrática, em defesa da justiça social, e dos direitos dos trabalhadores, das mulheres, dos homossexuais, e hostis ao Ocidente, apresentadas de modo a impedir que os ocidentais percebam que são o alvo dos ataques e a induzi-los a adotar os novos valores como se fossem seu próprios, e não dos seus inimigos.

ENTREVISTADOR: E…

NULO DA SILVA: E, também, com a ampliação dos poderes do Estado. Aumenta-se o setor público, contratando muita gente, inchando o Estado, que desperdiça bilhões e bilhões de recursos públicos; e para manter a burocracia estatal em pleno funcionamento, isto é, desperdiçando dinheiro público, cobra-se impostos, e muitos impostos, do povo, que sempre paga a conta.

ENTREVISTADOR: Ciente de que a ampliação dos gastos públicos prejudica o povo, o senhor os reduzirá?

NULO DA SILVA: Você despertou, mas ainda continua a ser uma anta, a mesma de sempre.

ENTREVISTADOR: Senhor candidato…

NULO DA SILVA: Claro que não reduzirei os gastos públicos. Se eu o fizer perderei apoio político daquelas organizações que me sustentam e me apóiam.

ENTREVISTADOR: Senhor candidato…

NULO DA SILVA: Você ainda não despertou. Sua voz, tatibitate. Uma das ferramentas, e muito eficaz, de opressão é a socialização das pessoas, forçada, diga-se, desde os primeiros anos escolares. Os alunos não aprendem matemática, língua portuguesa, história; aprendem a socializar-se, e jamais a respeitar a sua própria individualidade. Censura-se a introspecção; louva-se a extroversão. Ser um indivíduo, único, autêntico, é censurável; todos têm de pertencer ao grupo, submeter-se ao grupo.

ENTREVISTADOR: Eu nunca havia pensado nisso.

NULO DA SILVA: Não me surpreende. E digo: O povo só aprende a ouvir discursos, e jamais a avaliá-los, e tampouco é instruído a conceber o que se passa nos bastidores, e a detectar identidade entre o teor dos discursos e a prática daqueles que discursam.

ENTREVISTADOR: É verdade.

NULO DA SILVA: Enfim, parece-me, o seu cérebro está adquirindo consistência. E digo: O assassinato de reputações de pessoas honestas, de fibra, de moral ilibada é uma arma extraordinariamente poderosa; destrói quem tem coragem, e desmoraliza quem o apóia e o defende. É tiro e queda.

ENTREVISTADOR: Sei…

NULO DA SILVA: Você ainda está tonto. Metade de seu cérebro continua a ser inteiramente de paçoca; a outra metade começa a adquirir consistência. Há… Direi as últimas palavras deste trecho da nossa entrevista, para, depois de mais uma boquinha, encerrarmo-la.

ENTREVISTADOR: Já estamos no final?

NULO DA SILVA: Esta é a penúltima parte; a próxima será…

ENTREVISTADOR: A última?

NULO DA SILVA: Gênio! O seu cérebro está funcionando. Digo, para encerrarmos esta parte da entrevista: Consultarei o povo só quando eu tiver a certeza de que ele me apoiará em minhas políticas; do contrário, sancionarei uma lei, que atende os meus interesses e os daqueles que me financiam e me sustentam, de modo que o povo jamais saiba o que fiz; e para ser bem-sucedido, conto com a mídia, que é chapa-branca. Outro ponto muito importante, essencial para a manutenção do meu poder, e da classe política, é conservar o simulacro de debate, de oposição entre eu e meus adversários. A oposição entre eu e eles se passa no proscênio de um teatro. E o que se passa nos bastidores? Só quem está lá sabe. Há unidade ideológica na pluralidade de partidos. O povo não sabe identificar a essência dos partidos políticos; deles só vê os logotipos e as siglas, e dos políticos ouve os discursos; e assiste às propagandas. E para arrematar: Eu sou sincero. Se não gosta o povo de um político sincero, que vote nos insinceros, que implementarão as mesmas políticas que eu disse que irei implementar. Meus adversários dizem que irão fazer o oposto do que farei, mas farão o mesmo. Vote no Nulo da Silva, candidato a prefeito pelo PEIDEI – mas não fui eu. Para muita gente, votar no Nulo é o mesmo que jogar o voto na lata de lixo. Cá entre nós, é preferível jogar o voto na lata de lixo do que na rede de esgoto.


Nota: O senhor Nulo da Silva levantou-se da cadeira, deu um tapa na nuca do entrevistador, então petrificado, tirando-o de sua imobilidade, e puxou-o, pelas mãos, levantando-o. E ambos rumaram, o senhor Nulo a gargalhar e o entrevistador a rir constrangido, para a sala contígua, para um lanchinho.

*

Publicamos o último trecho da entrevista que concedeu-nos o senhor Nulo da Silva, candidato a prefeito pelo Partido Extraordinário de Inteligentes Democratas e Eminentes Intelectuais (PEIDEI – mas não fui eu):

ENTREVISTADOR: Senhor candidato, para encerrarmos a nossa entrevista, fale-nos, em mais detalhes, da política de segurança à qual o senhor fez referência enquanto degustávamos do comes-e-bebes.

NULO DA SILVA: Eu o farei, e de muito boa-vontade.

ENTREVISTADOR: Fique à vontade.

NULO DA SILVA: Já estou. A violência é um dos maiores males que assolam a nossa sociedade. Os índices de violência, no Brasil, são elevadíssimos, um dos maiores do mundo. E é alto, também, a taxa de homicídios.

ENTREVISTADOR: De aproximadamente trinta assassinatos para cada grupo de cem mil habitantes, por ano.

NULO DA SILVA: Exatamente.

ENTREVISTADOR: É uma das maiores taxas do mundo.

NULO DA SILVA: Exatamente.

ENTREVISTADOR: E nada se faz para reduzi-la.

NULO DA SILVA: Você, perguntador de araque, me deixará responder à pergunta que você me fez? O entrevistado é você, ou eu?

ENTREVISTADOR: Desculpe-me, senhor candidato.

NULO DA SILVA: Não desculpo, não. E feche a matraca. E deixe-me responder à pergunta. As taxas de homicídios, no Brasil, aumentam ano após anos, e o governo não implementa políticas para reduzi-las. Quando muito, põe em prática uma política para inglês ver. E a mídia enaltece-se os políticos que a implementam. Mas de efetivo nada ocorre. São apenas peças de propaganda. Então, me perguntei: O que poderei fazer para reduzir os índices de assassinatos nesta cidade? E concebi um projeto perfeito: O agendamento de assaltos.

ENTREVISTADOR: Agendamento de assaltos?

NULO DA SILVA: Sim.

ENTREVISTADOR: Em que consiste?

NULO DA SILVA: Consiste num tiro na sua testa, se você não parar de me interromper a todo instante. Explico: Muitos assassinatos ocorrem durante assaltos às residências, ou roubos à mão armada, na rua. Então, sancionarei uma lei que obrigará todo cidadão a afixar uma placa, no muro de sua residência, com os seguintes dizeres: Os moradores desta casa estarão ausentes, no dia (e informa-se o dia), de tal hora até tal hora (e informa-se a hora).

ENTREVISTADOR: É absurdo!

NULO DA SILVA: Por quê? Evitando-se o confronto entre assaltantes e assaltados reduziremos as taxas de homicídios, que ocorrem, quase sempre, quando os assaltados reagem, e, consequentemente, irritam os assaltantes, que, por sua vez, perdem o auto-controle, e matam os assaltados.

ENTREVISTADOR: Absurdo, senhor candidato!

NULO DA SILVA: Que absurdo, o que! É uma fórmula mágica, cujo resultado será a redução significativa dos homicídios.

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Outro ponto da minha política de segurança consiste em permitir que os cidadãos tenham o direito de optar em não ter as suas residências assaltadas; para tanto, terão, quem assim o desejar, de pagar à prefeitura uma taxa de Direito ao Não-assalto.

ENTREVISTADOR: Quê! Absurdo!

NULO DA SILVA: Absurda é a sua carência de sabedoria política.

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Cale a boca, desgraçado! Os cidadãos que não desejarem participar desta política, que visa a redução dos índices de violência, terão de se dirigirem à Secretaria de Combate à Insegurança, e requererem o Certificado de Cidadão Isentos de Assaltos.

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Alguns detalhes desta proposta, que estão sendo discutidos pelos meus assessores: Um cronograma de assalto: Ou por sorteio; ou por seleção das residências: por exemplo: na segunda-feira, algumas casas, todas de números ímpares; na terça-feira, casas de números pares; e assim, por diante, alternativamente. Assim, haverá ordem.

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Todos os cidadãos têm o direito de serem agraciados com a presença de assaltantes nas suas residências.

ENTREVISTADOR: Quê! Absurdo!

NULO DA SILVA: Poderemos, também, subsidiar a ida dos cidadãos às pizzarias, aos restaurantes, aos shoppings na hora do assalto. Assim, os moradores ausentes de suas residências, os assaltantes poderão invadi-las sem que ocorra um confronto, que poderá resultar na morte dos assaltados, não por ação dos assaltantes, mas devido à ataques cardíacos. Além do mais, as pessoas, ao não passarem pela terrível experiência de serem assaltadas e terem para si apontadas o cano de revólveres, não desenvolverão nenhum transtorno mental, não sofrerão de depressão, não desenvolverão síndrome do pânico…

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Não me interrompa. A prefeitura irá economizar um bom bocado de dinheiro público com a minha política de segurança.

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: É uma política de igualdade. Ora, muitas pessoas têm as suas residências invadidas inúmeras vezes; outras, nunca. Então, com a minha política de agendamento de assaltos às residências todas as pessoas terão as suas residências invadidas por assaltantes. Haverá igualdade perante a lei. É a igualdade de oportunidades. Há pessoas que vivem oitenta, cem anos, e nunca têm a oportunidade de terem as suas residências invadidas…

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Não me interrompa, besta! Com esta política mato dois coelhos com uma cajadada só. E farei uma exigência aos bandidos: Que eles não abordem, de arma em punho, ou faca, ou qualquer outro instrumento de trabalho, pessoas, nas ruas, pois elas poderão se assustar, ou reagir, e assim frustrarem-lhes o propósito, e provocarem-lhes uma reação violenta, que poderá redundar na morte de alguém. Normalmente, nestes casos, são os assaltados que morrem, mas pode ocorrer, e raramente ocorre, uma fatalidade indesejada, e o assaltante vir a ser morto.

ENTREVISTADOR: Absurdo!

NULO DA SILVA: Para encerrar esta questão: Todos os assaltantes terão, segundo a minha política, direitos trabalhistas assegurados. Terão carteira de trabalho assinada, registro no INSS, aposentadoria por periculosidade. Todos eles terão direitos trabalhistas assegurados por lei.

ENTREVISTADOR: Absurdo, senhor candidato! Absurdo! A sua política é estupidamente absurda! Bandidos terão direitos trabalhistas assegurados por lei!?

NULO DA SILVA: E por que não? Se os políticos os têm, por que os bandidos não podem tê-los?

ENTREVISTADOR: Já ouvi muitos absurdos na minha vida, mas essa é demais!

NULO DA SILVA: Já está na hora de encerramos a entrevista, não, senhor perguntadorzinho de cérebro de minhoca?

ENTREVISTADOR: Sim. Sim, senhor candidato. Vamos ao ping-pong.

NULO DA SILVA: Ping-pong?

ENTREVISTADOR: É. Ping-pong. Eu digo uma palavra, e para ela o senhor dá outra palavra. Dirá o que o senhor prefere, gosta. Por exemplo: Eu digo: Cachorro; e o senhor diz: Dálmata; uma espécie de cachorro que o senhor, senhor candidato, aprecia.

NULO DA SILVA: Entendi.

ENTREVISTADOR: Posso começar o ping-pong?

NULO DA SILVA: Pode.

ENTREVISTADOR: Esporte.

NULO DA SILVA: Truco.

ENTREVISTADOR: Truco é esporte?

NULO DA SILVA: É.

ENTREVISTADOR: Está bem… Livro.

NULO DA SILVA: Um que se encaixe perfeitamente no vão entre o chão da cozinha e o pé quebrado da mesa.

ENTREVISTADOR: Pintor.

NULO DA SILVA: O Carlos, meu vizinho. Ele pintou toda a minha casa, e de graça. É um amigão. Se eleito, eu arrumarei para ele um emprego na prefeitura.

ENTREVISTADOR: Escritor.

NULO DA SILVA: Eu. Eu sei escrever.

ENTREVISTADOR: Encerro o ping-pong.

NULO DA SILVA: Já?

ENTREVISTADOR: Já. Senhor candidato, foi um prazer entrevistá-lo.

NULO DA SILVA: Papo furado! Você não teve nenhum prazer em entrevistar-me, imbecil. Você está bem diante de meus olhos, estendendo-me a mão para um cumprimento, exibindo-me o seu semblante, que transparece raiva contida. Você deseja quebrar-me o nariz com um soco, eu sei. Deixe de fingimento, vagabundo!


Nota: Engalfinharam-se o entrevistador e o senhor Nulo da Silva. Socaram-se. Pontapearam-se. Arrancaram-se os cabelos um os do outro. Foi uma luta de gladiadores romanos. Gastamos mais de três horas para apartá-los. E todos carregamos hematomas em todo o corpo. Foi um espetáculo de doer!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

Dragão Metafísico

Depósito de palavras, pensamentos e poesias.

%d blogueiros gostam disto: