Mensagem do Barnabé Varejeira – Teste de Alergia

Tenho, hoje, Cérjim, meu amigo do peito, pa contá po cê uma lembrança mia, de um fato que conteceu há um bom par de anos. Era o meu fio varão, o Bézinho, então um meninote robusto, encorpado; parecia ele um leitão engordado pa ceia de Natal. Tava bonitão, forte e pançudo o herdêro do meu sangue. Puxô pelo pai, a criança. Mas a mia muié, não sei pruque cargas d’água, encasquetô na cabeça que o fio dela e meu tava doente, e percisava fazê uns teste, teste de alergia. Não sei bem pruque, Cérhim, a mia muié tava animada com tar idéia, mas desconfio o que se assucedeu pa ela ficá tão presa numa idéia só, como um boi na canga: umas madame da cidade disséro pa ela que o nosso herdêro tava meio adoentado. Pronto! Foi o suficiente pa muié ficá preocupada. “Tá preocupada à toda.”, disse eu pa ela. E acrescentei: “Pare, muié, de dá ovido pas madame da cidade. Elas só põe fio doente no mundo, e acha que todos os fio das ôtras muié que não os das madame da cidade são doente tâmém. E elas cerca os fio com muito dengo, com muito abraço e bêjo, e estraga eles; estraga as criança. Dêxe de bobagem. O fio nosso tá bão. Esquece o palavrório das madame da cidade. Elas não sabe nem cozinhá, não sabe passá café no coadô, nem escoiê o feijão, não sabe nem o que é uma panela, e nem limpá bumbum de nenê elas sabe. E elas qué ensiná o cê a cuidar do seu fio! Intão, muié, esqueça. Quem deu os peito po seu fio tirá leite? O cê, ou as madame da cidade? O cê. Que as madame da cidade vá pos quinto e nunca mais vórte. Intão, esqueça o que as madame da cidade disséro. Esqueça. O nosso fio tá bão, pançudo, forte.” As mia palavra entráro por um ovido da mia consorte, e saíro po otro, fáci, fáci. Não encontráro obstáculo pela frente. Nenhum. Não teve jeito, Cérjim. Mia muié quis segui os conseio das madame da cidade. O fio ia tê que fazê os teste, teste de alergia. Que bêstera, meu Santo Deus Nosso Senhor Menino Jesus! E custava os óio da cara os teste: Cento e vinte barão. Barão não dá em árvre; e não chove barão na mia horta. E eu não ia gastá cento e vinte barão pa fazê uns teste sem propósito, teste que não serve pa nada. Teste que gente da cidade faz, e faz pruque é fraca. Mania de gente da cidade estraga gente da roça. Teste pa sabê se o menino tia alergia à formiga e à abeia e à açúcar e à casca de laranja e à leite, e a ôtros bicho. Cento e vinte barão! Não pago, não. Meu fio tava forte, robusto, pançudo, de peito bom, pernas forte. Mas, se a patroa queria fazê o teste, intão, pensei, vô fazê os teste, mas sem gastá um tostão. Eu não ia perder cento e vinte barão só pruque mia muié tava com idéia de madame da cidade. Mas não ia gastá, mermo, e de jeito maneira. Eu não ia, não. Não fiquei lôco pá queimá dinhêro, assim, sem mais, nem menos. Dinhêro não cai do céu. No ôtro dia, fui inté um abacateiro velho, que jâ morreu, onde havia, intão, uma coméia, e, com todo o cuidado do mundo, peguei uma abeia; e procurei meu herdêro; achei ele, falei pa ele esticá o braço; ele me obedeceu, e eu, prontamente, aticei a abeia no braço dele, e ele soltô um berrêro danado de infernal assim que a abeia picô ele com toda a vontade que o Menino Jesus deu pá ela. Foi um Deus nos acuda! Não demorô um piscar dos óio, a mãe dele apareceu, esbaforida, co os óio arregalado, como se tivesse visto uma sombração, uma abantesma, uma alma penada, de ôtro mundo, e acudiu ele. “O que aconteceu, Barnabé?”, perguntô ela pa mim.”Uma abeia mordeu o braço do nosso fio.”, respondi. “Abeia?!”, perguntô ela, surpresa. “É, muié, abeia. Eu peguei uma abeia, pus ela no braço dele, e aticei a bichinha pa ela mordê…”, dizia eu, mas não pude completá a frase pruque a mãe dos meu fio me interrompeu, intrigada: “Pru que o cê fez isso, ómi?” “Foi um teste de alergia. Pá vê se o sangue do nosso fio tá bão; se aguenta veneno de abeia.” “Agora o fio tá chorano.”, disse ela.  E arrespondi: “Eu sei. Tô veno e ovino. Deus Nosso Senhor Menino Jesus me deu óios pa eu vê e ovidos pa eu ovi. Não sô nem cego, nem surdo.” “E agora, o que vâmo fazê pa ele pará de chorá?”, perguntô ela. E arrespondí, já irritado com a muié, sem pensá no que falava: “Dá dois cascudo nas oreia dele que ele pára de chorá. Ou dêxa ele comigo. Três cintada resórve.” A muié afastô, sem pensá duas vez,o fio de mim. Depois, já acalmada dos nervo, ela foi me procurá pa uma conversa, conversa de marido e muié. E conversa vai, e conversa vem, resorvemo esperá dois dia pa vê o que ia acontecê co braço do menino, e prometi pa ela que eu não ia fazê mais nenhum teste de alergia com ele. No dia seguinte, o braço do menino tava co uma bruta brotoeja vermelhuda de dá arrepio; e eu esqueci a promessa que fiz pa muié pa qual prometi, na Igreja, diante de Deus, vivê na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, até o dia que a morte nos separasse. A promessa que fiz, na Igreja, com a testemunha de Deus e de todos os santos, irei cumprí; a otra, não; esqueci que a fiz. Saí de casa pa umas andanças e vortei de tardezinha, as galinha e os galo já empoleirado, e perguntei do nosso fio pa mia muié, que oiô pa mim, desconfiada, e preguntô o que eu trazia, nas mão, às costa. Muié é bicho danado de peçonhento: não querdita no marido. Eu disse pa ela que não era nada; e ela foi até a mia frente, com trocentas purga atrás das oreia, e empacô; e não havia cristão que a fizesse arredá pé de da minha frente. “O que o cê tem nas mão? Diga, ómi. Daqui não saio até o cê dizê o que diabos tá o cê planejano ca sua cabeça oca.”, cobrô ela de mim explicação. E eu, já enfezado de tanta atormentação, retruquei: “Foi a mia cabeça oca que fez eu casá co cê.” “Não arrédo pé.”, replicô ela. “Vô fazê um teste de alergia co nosso fio.”, respondi. “Teste de alergia!? O cê prometeu pa mim que não iria fazê mais nenhum teste de alergia co ele.”, observô ela. Muié tem boa memória, reconheço, mas só usa a boa memória pa lembrá o marido das coisa errada que ele faz. “Prometê, prometi. Mas não com o testemunho de Deus.”, repliquei, bufando. “Deus vê tudo, ómi. Deus vê tudo.”, regogô a mãe dos meu fio. “Ele só vê as promessa que a gente faz se a gente estivé dentro da Igreja.”, retruquei. “Dêxe de falá asneira, descrente. E basta! O que o cê tem, às costa, nas mão? O que o cê tá escondeno de mim? Sou sua muié; o cê não pode escondê nada de mim.”, exigiu ela; e eu, não teno ôtra opção, levei as mão pa frente da mia barriga, e mostrei pa mia muié o que tava comigo. “Um pote de vidro! O que tá dentro do pote de vidro?!”, perguntô ela, preocupada. E arrespondi: “Não tá veno, não, muié? O cê é cega, é? Deus deu po cê dois óio po cê vê. O que tá dentro do pote?! Veja, muié, cos seus óio: Uma cascavér!” A mãe dos meu fio desmaiô. Que sufoco passei nas hora seguinte! Eu tinha de ressuscitá mia muié. Meu Deus do céu! Foi um Deus nos acuda. Diz o ditado que Deus faz o certo por linhas torta. E é vredade. Adespois da experiência, a mia muié e eu chegâmo a um acordo. E ela desistiu dos teste de alergia que aprendeu cas madame da cidade, muié que só têm idéia que estraga as muié da roça.Cérjim, é esta a instória que eu me alembrei.Tenha um bom dia, Cérjim. Fique com Deus Nosso Senhor. Ôtro dia conto ôtra instória po cê. Intê.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: