Minoria Injustiçada – escrito por Zeca Quinha – publicado no Zeca Quinha Nius

A maior injustiça que se pode cometer contra as minorias é a resultante de incorreções comportamentais derivadas de preconceitos milenares, que, há milhares de anos, brotaram, nas regiões áridas além do Canal de Suez, às margens de um rio supostamente sagrado – sagrado, sabemos, para os povos rudes que nele banham-se. E uma injustiça, que a nós legaram as religiões milenares, que estão na origem dos males civilizacionais (são forças disruptivas), e a enaltecem a burguesia capitalista ultradireitista, que, desumana, explora os recursos naturais dos países ainda não corroídos, mas em vias de sê-lo, pelos valores que de há muito deviam ter desaparecido, e cujas influências são nefastas para o nosso ambiente cultural, é a que concerne às piadas. Em um país como o Brasil, cuja origem perde-se no tempo – os historiadores recusam-se a admitir que povos oriundos de regiões distantes habitavam, há milhares de anos, estas plagas, e dão como início da história do Brasil o dia em que nestas terras aportaram embarcações de sórdidos, crudelíssimos, insensíveis e desumanos povos conquistadores -, as injustiças permeiam todas as camadas sociais, mas são mais comuns na classe média, corroída pelos valores milenares originários de povo rude, discriminador, que se auto-intitula o único povo filho do ser divino, povo ímpar, escolhido, pelo homem celestial, para prevalecer, na Terra, sobre todos os outros povos.A classe média burguesa ultradireitista, neocapitalista fanática e neoliberal fundamentalista detesta e despreza a cultura autêntica do povo das comunidades, em especial as que brotam, livres, do chão dos morros das cidades litorâneas e das cidades das regiões ásperas, que a elite burguesa abandonou, e que recebem, do generoso governo brasileiro, vultosos recursos de programas sociais igualitaristas, que reduzem a desigualdade de renda e as injustiças sociais. A classe média, burguesa e neoliberal, em políticas de higienização social, construiu muralhas entre as classes sociais, conservando-se nas regiões ricas e prósperas, e mantendo o povo – que é a classe que produz a riqueza, com o apoio do governo brasileiro, e engrandece o País – nas regiões miseráveis, carentes de recursos. E de muralhas a classe média burguesa entende; ela construiu uma muralha para separar os burgueses dos Estados Unidos dos miseráveis da América Latina – que oxalá! venha a se converter na Pátria Maior; e outra ela a construiu para isolar, nas áreas ricas e prósperas, os israelenses, e, nas áreas miseráveis, os palestinos (e os israelenses, sabem as pessoas bem informadas, surrupiaram, dos palestinos, as terras onde hoje é o Estado de Israel). E os burgueses da classe média, além de construírem muralhas de pedras, tijolos, cimento e concreto, construíram outras muralhas, as muralhas culturais, segregacionistas, criando, assim, duas classes sociais, a privilegiada – a dos burgueses, que têm acesso a todas as riquezas, a todos os recursos, a todos os benefícios, a todos os privilégios, a todas as facilidades – e a dos desassistidos, dos miseráveis – que é isolada em bolsões de miséria, desprezada, tratada como lixo, e que, quando ousa entrar em shopping centers, templos consumistas dos burgueses, deles é enxotada como se cão fosse. E tais muralhas não são concretas; são ideológicas. E compõem-na o preconceito lingüístico, o preconceito musical, o preconceito cinematográfico, o preconceito que se vê em muitas formas de expressão artística e cultural. Não há área da arte em que os burgueses não tenham inserido os seus preconceitos ideológicos, que são onipresentes, e estão infiltrados em todos os campos da sociedade, em todas as manifestações populares, e, pode-se ver, mas raras pessoas atentam para a questão, nas piadas, as mais comuns e espontâneas formas culturais que o povo concebeu e aprimorou com a sua inteligência natural isenta dos vícios exclusivos da burguesia, mas que vem, no entanto, para surpresa geral, desde a década de oitenta do século vinte, sofrendo nefasta influência do humor preconceituoso da classe média burguesa – e nós, homens e mulheres do povo a odiamos. A infiltração dos valores burgueses nas piadas descaracterizou as mais singelas manifestações culturais populares, eliminando, delas, o que as engrandeciam, reduzindo-as a categorias culturais irrelevantes desprovidas de todo senso estético, artístico e cultural, e delas eliminando a criatividade intrínseca.Até há pouco tempo, as piadas refletiam a aguda penetração psicológica do povo brasileiro; agora, resumem-se à exibição de sentimentos rasteiros de repulsa às minorias, e uma das minorias mais agredidas, pelos burgueses capitalistas, em tom de piada – e muita gente, devido a isso, não detecta a sua sordidez -, é a da população negra brasileira, que não é mais protagonista de histórias que enaltecem o bom humor da sua classe. Contam-se, atualmente, piadas cujas protagonistas são loiras, e loiras unicamente; as piadas apresentam-las nas situações mais engraçadas e divertidas, emprestando-lhes os piadistas ares de pessoas bem-humoradas, cativantes e boas companhias. Ora, as mulheres negras, que são duplamente discriminadas pela sociedade burguesa, estão, nas piadas, extintas; elas adquirem, assim, a identidade de pessoas ranzinzas, desgraciosas, sem espírito esportivo – como se diz em linguagem popular. Há, no Brasil, “Piada de Loira”. Todos os brasileiros conhecemos inúmeras delas, e há, até, inclusive nas pequenas cidades brasileiras, campeonatos de “Piada de Loira”, mas não há, em todo o território brasileiro, campeonato de “Piada de Negra”. Há décadas não se ouve, no Brasil, uma piada cuja protagonista é a mulher negra, cuja ausência nas piadas de loira é a prova cabal da decadência da sociedade brasileira. Para evitar a queda do País no fundo do poço – um poço que, parece, não tem fundo –, e impedir que a injustiça social se perpetue no Brasil, é producente criar-se mecanismos que eliminem as fontes das desigualdades de classes, e as sociais, e as raciais. E uma das medidas a se implementar, e que contará, é certo, com a chancela dos movimentos sociais, das organizações não-governamentais e das organizações globais de defesa dos direitos humanos, é a do estabelecimento de cotas para mulheres negras nas piadas de loiras, pois as loiras, hoje, são hegemônicas neste gênero de manifestação cultural – e tal situação não pode perpetuar-se.Cabe aos dirigentes do Brasil, aos congressistas, ao Judiciário, aos advogados e aos líderes religiosos abraçarem esta causa, para a redução, ou eliminação – e a eliminação é o nosso objetivo –, da injustiça centenária que infelicita milhões de brasileiros.Oxalá a Razão ilumine os nossos dirigentes.

Nota de rodapé: Este artigo foi escrito em algum dia do passado, de um passado que passou há uns dias, mais concretamente há anos, como pode concluir toda pessoa que chegar a essa conclusão. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

Dragão Metafísico

Depósito de palavras, pensamentos e poesias.

%d blogueiros gostam disto: