Esquerdismo, ideologia das trevas. Presidente Bolsonaro, Arte Sacra e Belas Artes. Tunísia. E outras notas breves.

O esquerdismo é deplorável. Ideologia de criaturas do pântano, diz Marco Frenette, que, em uma de suas publicações recentes, afirma que os esquerdistas não estudam – nem política, nem história, nem psicologia, nem filosofia, enfim, nenhum assunto, completo; eles lêem livros que lhes fortalecem as crenças esquerdistas, a sociopatia, livros que lhes dão instrumentos para se desconectarem da realidade, para viverem, digo, na segunda realidade, fictícia, fantasiosa, realidade paralela, cujo ecossistema social, político, idealizado, é inteiramente comunista. São desonestos; e robustecem suas crenças mesmerizados com as palavras – ressignificadas pelos intelectuais que alimentam a fantasia criminosa esquerdista – que lhes ecoam na mente doentia, ou em processo gradativo de adoecimento. E Marco Frenette também atenta para o uso, pelos conservadores, em suas manifestações, do vocabulário esquerdista, sem perceberem que estão a fazer o jogo do inimigo.

Em duas outras de suas publicações, fala, em uma delas, de uma curiosidade: um episódio cômico envolvendo Lênin, que, em viagem a Paris, teve, roubada, a sua bicicleta; e deplorou o defensor da extinção da propriedade privada a supressão da sua valiosa propriedade, que lhe foi subtraída sem a correspondente indenização; e, na outra, que os revolucionários desejam reescrever a História, e esfaquearam Jair Messias Bolsonaro e atearam fogo numa estátua de Borba Gato em ações orquestradas que participam de um movimento que é, talvez, o prefácio de um capítulo tenebroso da história brasileira -, porque ainda não têm meios para caçar e matar os conservadores, ou, é melhor dizer, os bolsonaristas e os cristãos.

E ainda acerca de esquerdismo, comento um texto de Jairo José da Silva, “Tipologia do Esquerdismo”, que ele publicou em sua página no Facebook. É interessante e ilustrativo. Elenca os cinco tipos de esquerdistas: o débil; o intelectualmente deficiente; o impotente; o hipócrita; e, o inexistente. Começo pelo último, que, segundo o autor – e toda pessoa sensata há de concordar com ele -, não existe, e de fato não existe, pois não são os esquerdistas os santos da lenda do movimento revolucionário, pois eles jamais repartem a renda. Agora, o primeiro tipo: é o homem despersonalizado, gregário. E o segundo: é o sujeito que não sabe ler a realidade fora da dicotomia explorador-explorado: para ele, todas as relações humanas seguem as regras da luta de classes: o pai explora o filho, o patrão o empregado, o homem a mulher, e assim impreterivelmente. E o terceiro: é o fracassado. E o quarto: é o pequeno-burguês, sujeito bem-sucedido, que vive da exploração de atividades capitalistas, e que tece loas às bondades socialistas, e adora os heróis comunistas, e deplora as atividades capitalistas, assim se apresentando como um homem sensível e humano, mas sem jamais abrir mão de seus bens, de seu conforto.

*

O presidente Jair Messias Bolsonaro para a Lei Rouanet assinou decreto que ajudam pequenos artistas, o homem comum – diz André Porciuncula -, ao reduzir a burocracia. E dá atenção à Arte Sacra e às Belas Artes. O Brasil está a se livrar, aos poucos, de uma política cultural que privilegiava espetáculos grotescos, imundos, de homens a urinarem, em praça pública, na cabeça de outros homens, e de crianças a tocarem, em museus, homens nus, e de homens e mulheres, em círculo, de quatro, a se enfiarem uns nos fiofós dos outros o nariz. Que se persista na política iniciada pelo governo do presidente Jair Messias Bolsonaro, para que o Brasil possa se ver livre dos demônios que corromperam gerações inteiras de brasileiros fazendo do Brasil uma miniatura do inferno.

*

Aldo Lebed dá notícia da destituição e da cassação, na Tunísia, pelo presidente tunisiano, respectivamente, do primeiro-ministro e da imunidade dos parlamentares. E o presidente da Tunísia também acionou o exército contra o parlamento e pôs o país sob Lei Marcial. Segundo o autor, tais ações do presidente tunisiano vão contra a elite globalista da Nova Ordem Mundial, a Irmandade Muçulmana e o Califa Erdogan, e contra, também, Barack Hussein Obama.

*

Em entrevista a Rodrigo Constantino,  André Porciuncula afirma, citando Eric Voegelin, que a guerra em que estamos envolvidos é a de sempre, a eterna, a na qual os humanos se batem, desde que o mundo é mundo; antagonizam os humanos que crêem numa ordem transcendente e os que negam aos humanos a transcendência; entre os que querem viver e deixar viver e os que alimentam um eternamente insatisfeito apetite pelo poder.

*

Felipe Fiamenghi está na lista dos que criticam, duramente, Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação do governo Bolsonaro. Em sua publicação de 27/07/2021, além de manifestar o seu descontentamento com o ex-ministro, revela ressalvas suas aos intelectuais, pessoas (e aqui ele está, presumo, aludindo a Olavo de Carvalho e aos olavistas, que adoram tecer ao presidente Jair Messias Bolsonaro críticas construtivas, que infalivelmente o constrangem) que de teorias políticas entendem, mas da política do dia-a-dia não sabem nem uma vírgula.

*

Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares, elenca as idéias defendidas pelo movimento negro, idéias que correspondem em tipo e grau às da esquerda: desencarceramento de criminosos, liberação das drogas e vitimização dos bandidos. E para ele, os negros militantes idolatram criminosos, estes seus heróis e mártires.

*

Na entrevista que concedeu à Rádio Cidade Luis Eduardo Magalhães, da Bahia, o presidente Jair Messias Bolsonaro fala de sua saúde; de Adélio Bispo e de sua filiação ao Psol; e da economia brasileira; da pandemia, das decisões de governadores e prefeitos, chanceladas pelo STF; dos efeitos deletérios de lockdowns e quarentenas e toques de recolher decretados por governadores e prefeitos; e lembra do alerta que desde sempre fizera: de cuidar da saúde e da economia; e trata dos programas federais de apoio aos micros e pequenos empresários, o Pronampe; e do Auxílio Emergencial, que atendeu a mais de sessenta milhões de brasileiros sendo que quase quarenta milhões deles são trabalhadores informais – e do consequente endividamento do governo federal; e relembra da política do “Fique Em Casa que a Economia a Gente Vê Depois” e dos males que dela resultou, quase vindo a levar o Brasil à bancarrota; e dos estímulos do Governo Federal aos homens do campo, que do presidente recebeu elogios sinceros; e das demarcações de terras indígenas e quilombolas, políticas que, outrora, sendo uma farra, com demarcações indiscriminadas, redundava em insegurança para os proprietários de terras; e da posse de armas-de-fogo; e das multa aplicadas pelo IBAMA; e da Reforma Administrativa; e de outros assuntos da alçada do Governo Federal. Em poucos minutos, o presidente Jair Messias Bolsonaro oferece aos ouvintes da Rádio Cidade Luís Eduardo Magalhães uma amostra do hercúleo trabalho do Governo Federal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: