Imagem de Uma Pequena Cidade

O dia amanheceu radiante, ensolarado. Ele acordou. E meditou, à escuridão do quarto. Ouviu cantar um galo da vizinhança. E pouco tempo depois, chegaram-lhe aos ouvidos palavras de dois bem-te-vis a dialogarem, animados.

Uma cidade de cento e quarenta mil habitantes conserva os seus encantos. Perdeu muito do seu aspecto rústico de há cinquenta anos; e não assumiu a figura de metrópole mastodôntica. Amálgama de duas criaturas distintas, adquiriu aspectos que, não pertencendo à nenhuma delas, conferem-lhe fisionomia que provoca, simultaneamente, maravilhamento e estranhamento. Na área urbana, há casas construídas há cem anos, e outras, de construção recente, erguidas no centro da cidade, cujo desenho arquitetônico é inspirado nas casas antigas. Os munícipes conservam muitos costumes antigos, a cultura rústica, e o linguajar do tempo dos avós, com as suas expressões típicas, acaipiradas, proverbiais. O progresso industrial e tecnológico influencia, não há o que contestar, os costumes. A sua força, no entanto, não é tão impactante quanto se diz. Muita gente conserva os valores antigos – antiquados, dizem os moderninhos –, os quais recebeu de seus genitores, que os receberam de seus genitores, que os receberam de seus genitores, e cujas origens perdem-se no tempo. Superestimado, o progresso encanta, maravilha, penetra nas casas, e modifica os hábitos dos seus moradores. Que o progresso tecnológico modifica os hábitos e os costumes, é inegável; que modifique os valores, é discutível; que altere a essência dos homens, é questionável – não estou convencido de que a tecnologia insere novos valores morais e éticos, ou altera os existentes. A internet, dizem sociólogos e psicólogos, distanciam as pessoas umas das outras, interferem no relacionamento entre elas, tornam-las insensíveis, frias, desumanas. Conversa para boi dormir, dizem, hoje, num linguajar de eras antediluvianas, que se perde nas sombras do tempo, os adeptos da tecnologia. Atribui-se à tecnologia o que ela não pode fazer: mudar a essência humana. Os tecnofóbicos, para a conservação da espiritualidade e a renovação da harmonia entre o homem e a natureza, querem a destruição de todas as máquinas – e jamais reconhecem que estas melhoraram a condição de vida dos homens.

Na vizinhança, prossigo, encerrada a digressão, o galo anuncia, altivo, para que o mundo inteiro o ouça, toda manhã, infalivelmente, o nascer do dia.

Levanta-se da cama, banha-se, e saboreia, na cozinha, só, um frugal café-da-manhã. Num solilóquio silencioso, o semblante tranqüilo, pensa: A vida em áreas urbanas, nesta pequena cidade, conserva muitos aspectos da vida no campo: saudações; relações pessoais; rusticidade no falar arrastando os erres; carroças rangentes puxadas por um cavalo cujas ferraduras ressoam no asfalto. Nas ruas, veículos puxados por um cavalo, quase sempre moribundo, e veículos modernos, de alta tecnologia, impelidos por dezenas de cavalos. E charruas e rodas de carroças enfeitam jardins de casas de famílias ricas que vivem, no interior de suas casas, imersas num oceano de tecnologia – e tais famílias encantam-se, alumbram-se, com a rusticidade dos mecanismos, das mobílias, das ferramentas, das vestimentas, da arquitetura, do linguajar rurais de um tempo que não conheceram.

E retira-se da sua casa. A andar pelas ruas, atento às pessoas, classifica-as: gerentes de bancos; homens do campo; cabeleireiros; dentistas; agentes imobiliários; engenheiros; médicos; contadores; professores; arquitetos; vaqueiros; pedreiros; estudantes; farmacêuticos; mecânicos; serralheiros; policiais. Algumas delas vergam a indumentária típica da sua profissão; outras, não.

Ao encerramento do expediente, o Sol posto, a escuridão dominando, ele regressa para a sua casa. E na manhã seguinte, canta o galo de uma casa da vizinhança. E durante o dia ressoam os motores dos veículos que abafam a música da natureza, que ainda resiste ao avanço indiscriminado do progresso.

E seguem-se os dias.

E o galo a cantar toda manhã.

E o progresso ininterrupto…

E o galo a cantar…

E colidem-se o rural e o urbano, que se mesclam, e retroalimentam-se.

E a vida prossegue…

E o futuro a Deus pertence.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: