Livros que não terminei de ler. Livros que me desagradaram. Livros que me surpreenderam. E outras notas breves.

De todos os livros que li, de quatro deles não concluí a leitura, dois, embora tenham me desagradado, li até o ponto final, e muitos me surpreenderam, e destes digo algumas palavras antes de tratar dos outros seis. Surpreenderam-me, e agradaram-me, não poucos livros; foram muitos os que me prenderam a atenção, ocuparam-me horas e horas de dias e dias, a leitura indo de vento em popa. O primeiro livro que me deu, assim digo, um soco na cabeça, fazendo-me, deslumbrado, pensar acerca da literatura, de suas dimensões, amplas, e da nossa condição humana, foi Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévksi, de quem li, depois, Irmãos Karamazóvi e outros livros. Foi o meu primeiro contato com a literatura russa, da qual sou admirador. A história de Rasputin Raskolnikóv é extraordinária. Depois, li Moby Dick, de Herman Melville, que me fez viajar pelos mares; e Ana Karenina, de Leon Tolstói; e Dom Quixote, de Miguel de Cervantes Saavedra. E mais recentemente, surpreenderam-me, de Josué Montello, O Silêncio da Confissão, de José Cândido de Carvalho, O Coronel e o Lobisomem, e A Mulher que Fugiu de Sodoma, de José Geraldo Vieira. Citei apenas estes poucos livros, uma amostra da literatura que muito me surpreendeu. E até hoje me fazem pensar acerca da condição humana, tais livros inspirando-me muitos, e contraditórios, pensamentos. Agora, cito os dois livros que li de má vontade, não inteiramente, da primeira à última página, e por último os que abandonei de tanto me desagradaram. Quo Vadis?, de Henryk Sienkiewicz, de quem eu já havia lido, com muito agrado, O Campo da Glória; Quo Vadis?, no entanto, desagradou-me até a metade de suas páginas, e a partir deste ponto, seguindo a leitura, li com interesse, a leitura seguindo com agrado. O outro livro, dos dois que li, embora tenham me desagradado, foi Avalovara, de Osman Lins; de início, li, e li com vontade, até um certo ponto do livro, a partir do qual a leitura arrastou-se, para meu desconforto. Os quatro livros que não li até a página derradeira foram: Ulisses, de James Joyce; Macunaíma, de Mário de Andrade; Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa; e O Egípcio, de Mika Waltari. Li, de cada um deles, se muito, cem páginas, e os abandonei, irritado, desgostoso, deles esperando mais do que eles me ofereceram. O primeiro deles está incluído no cânone da Literatura ocidental, o segundo e o terceiro no da literatura brasileira, e o último é popular, ou foi durante algum tempo. Aqui fica o registro. Não está este texto um estudo de literatura, nem um ensaio; é apenas uma declaração, curta, simples, de um leitor.

*

Um livro, que li, sem vontade, a leitura arrastando-se, é de um dos maiores escritores do mundo: Aventuras de Pickwick, de Charles Dickens, de quem também li A Casa Soturna, e com muito gosto, apaixonadamente, posso dizer.

*

Um livro, bem pequeno, fez-me rir, e muito: Diário de um Louco, de Nikolai Gogol.

*

A literatura russa tem uma galeria de escritores extraordinários, geniais. Após ler Dostoiévski e Tolstói, o Leon, e não o Alexei, procurei por outros escritores da terra do Gagárin, e vim a conhecer Nikolai Gogol, Anton Tchekov, Ivan Turgueniev, Saltykov-Shchedrin, Alexei Tolstói, Evgueni Ievtuchenko e Voinovich são alguns deles.

*

Livros de pouco, ou nenhum, valor literário que li com muita vontade foram, de Patrícia Wentworth, O Punhal de Marfim, um americano, e Medo e Delírio em Las Vegas, de Hunter S. Thompson.

*

História Extraordinárias, de Edgar Allan Poe agarrou-me pela jugular.

*

Pode uma pessoa gostar de todos os gêneros literários existentes, sejam quantos forem, e de livros escritos pelos gênios e de escritos por escritores menores. Pode-se gostar de aventura, policial, romance histórico, espionagem, ficção científica, e todos os outros já criados. Robinson Crusoé, O Assassinato no Expresso do Oriente, Juliano, A Alternativa do Diabo e A Guerra das Salamandras estão entre as minhas leituras mais queridas. E Shakespeare e Dostoiévski e Thomas Mann e Proust e Machado e Camões, e Júlio Diniz e Joaquim Manuel de Almeida e Júlio Verne.

*

Fizeram da obra-prima do Giovanni Boccaccio, Decamerão, um livro proibido, fescenino, de má fama. É uma injustiça à obra do gênio literário italiano, um dos melhores livros que li. Dentre as cem histórias que Boccaccio narrou as de substância erótica correspondem a uma parcela ínfima, insignificante; infelizmente, foram elas que fizeram a fama do autor.

*

O meu primeiro contato com a obra de Dante Alighieri foi a leitura de O Inferno, o primeiro livro da Divina Comédia, numa edição, recheada de ilustrações de Gustave Doré, publicada pela Ediouro. Chamou-me a atenção, então, mais do que o texto, as ilustrações, impactantes, assustadoras.

*

Livros que me fizeram viajar para bem longe: Solaris, de Stanisław Lem, Contato, de Carl Sagan, Viagem aos Império do Sol e da Lua (Edição do Clube do Livro), de Cyrano de Bergerac, um narigudo bem engraçado, que Edmond Rostand retratou numa peça primorosa.

*

Livros que me causaram estranheza: Esperando Godot, de Samuel Beckett, e O Rinoceronte, de Eugène Ionesco.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Por Yla Meu Blog

Escritora ○ Poetisa ○ Romancista ○ Lírica

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

%d blogueiros gostam disto: