Lula, fada madrinha dos ricos

Diz a lenda que o Lula é o pai dos pobres, além de o dono do Brasil, o homem sem pecados, herói nacional que luta contra o grande capital neoliberal do mercado financeiro, e dos banqueiros, que lucram bilhões com capital improdutivo e especulativo.
Se é verdade, ou não, o que a lenda ensina, eu não sei; sei, no entanto, que, ao fim do governo dos petistas, souberam os brasileiros que haviam no Brasil cem milhões dos descendentes de Cacambo e Lindóia que não usufruíam dos benefícios de um salutar sistema de saneamento básico, e, também, que os bancos nacionais, que são poucos, colheram durante a era lulista lucro bilionário, enquanto os pobres cidadãos da Terra de Santa Cruz viviam à míngua.
Anteontem, 15 de Janeiro, li notícia de estarrecer… Mentira. Não é de estarrecer. O que a notícia traz não me surpreendeu: Os banqueiros nacionais estão a favor do filho do Brasil, do mais ilustre deles, o Luís Inácio, a Idéia, que, para muitos, é o dono do Brasil, cujas obras, em especial a de transposição de águas do Velho Chico, o Bolsonaro ousou concluir. Compreensível. E tem mais: Os banqueiros odeiam o presidente Jair Messias Bolsonaro. Ora, também é compreensível, afinal ele reduziu os juros do cheque especial, e consideravelmente, tirando dos banqueiros uma formidável fonte de lucro fácil; e implementou o PIX, que afetou, consideravelmente, o setor bancário e o de operadoras de cartão de crédito, assim das mãos dos banqueiros tirando outra fonte de lucro fácil; e criou o Fintech, favorecendo os cidadãos pobres, que, até então à margem do sistema bancário nacional, agora contam com acesso fácil aos serviços financeiros. O presidente Jair Messias Bolsonaro está, juntamente com o seu Posto Ipiranga, a pôr um fim ao oligopólio dos cinco, ou seis, grandes bancos brasileiros, favorecendo, assim, os cidadãos mais pobres das camadas sociais brasileiras mais baixas. E não falei das revogações, assinadas pelo nosso querido Capitão, de milhares de regulamentos que só serviam para infernizar os brasileiros.
Que se conceda ao senhor Luís Inácio o título de fada madrinha dos ricos.

“Mas” e “apesar de”, o Bolsonaro, e a má-fé e a má-vontade dos anti-bolsonaristas.

Já é o caso de internação compulsória em casa de Orates, ou, dizendo em vernáculo camoniano, em casa de gente doida de pedra, maluca, biruta, lelé, dodói da cabeça.
Sempre que estão numa situação que não lhes é do agrado, conhecedores de ótimas notícias, sendo obrigados a, infelizmente, dá-las, na inexistência de péssimas notícias, aos brasileiros deste e de outros quadrantes do universo, os anti-bolsonaristas inserem uma conjuncão adversativa, o já proverbial e folclórico Mas, personagem que adquire ares de entidade mágica onipresente na milenar cultura brasílica. E por que o Mas, e não o Porém, o Todavia, e outras figurinhas de igual quilate? Talvez seja restrito o vocabulário dos autores das peças que se convencionou chamar jornalísticas – e talvez eles também não sejam íntimos do Pai dos Burros, de um Dicionário de Sinônimos e de outros monstros mitológicos, lendários em terras tupiniquins. De tanto empregarem o Mas, que este se cansou de fazer papel de bobo. Chega! Basta! Esbravejou o dito cujo, que se recusou a exibir a sua beleza ao mundo e deixar-se usar por azêmolas acéfalas. Ia o jornalista a escrever o título de uma peça jornalística, assim a iniciando: “A economia brasileira cresceu três por cento em relação ao ano anterior (…)”. E detinha-se o profissional das notícias, e após alguns segundos a pensar com os seus botões, prosseguia, recorrendo ao amigo fiel de toda obra: (…), mas ainda não atingiu o patamar de 2.002.”. E tal se viu vezes incontáveis nestes anos de governo Jair Messias Bolsonaro. Já está o senhor Mas desgastado; é ele, hoje, alvo de piada; o povo brasileiro está, ao reconhecê-lo, onde quer que ele esteja, a apontá-lo, e a rir-se dele, a bandeiras despregadas. A reputação do hoje mais popular membro da família Conjunção Adversativa não foi enodoada por ele, mas pelas pessoas que dele fazem mal uso. Agora, parece, e tudo dá a entender, cientes de que Mas não é mais útil, os anti-bolsonaristas foram buscar à família Locução Prepositiva um aliado, e aliciaram o Apesar De, que lhes serve para os mesmos fins, e em algumas peças jornalísticas já se lê: Apesar de seu bom desempenho, o setor de construção civil ainda está abaixo do desempenho de 2.014.
Quem me chamou a atenção para este fenômeno sui generis, um misto de jabuticaba e pororoca brasileiras, foi João Luiz Mauad.
Nota de rodapé: não reproduzi, nesta pequena obra-prima, menhum título de nenhuma reportagem; limitei-me a expor o fenômeno – ou femônemo, assim se diz por aí.

Fique em casa; o Bolsonaro e o Guedes nós os culparemos depois.

No longínquo ano de 2.020, de triste, e constrangedora, memória, não poucas pessoas, facilmente sugestionáveis, de cabeça baixa, os joelhos dobrados, a suplicar aos órgãos competentes – competentes em sua iniquidade – ordens desarrazoadas que as escravizassem, esmagadas, trituradas em seu ser, no âmago de sua alma, pela mídia televisiva e internética, estribilhou, doentia, e histericamente, o poema, saído de uma cabeça doentiamente má, “Fique em casa; a economia a gente vê depois.”, certas de que “Fique em casa” era sinônimo de paralisação das atividades econômicas, e “a economia a gente vê depois” de crise econômica, e não podem, hoje, tergiversar: sabiam o que pediam, e o que desejavam, dispostos a, para pouparem vidas, que a vacina iria salvar, enfrentar, depois, depois de ficarem, a economia, que se depararia com dificuldades sem conta, que foram previstas quando a história do ano de 2.020 se principiava. Que a economia brasileira sofreu um golpe, e tombou, é fato; e é fato, também, que as previsões, feitas por especialistas, que reproduzem o que as pesquisas indicam, e seguem a ciência, previsões que, tão agourentas, anteviram desastre econômico sem igual na história do Brasil, não se concretizaram, para o bem do Brasil, para a alegria – e alegria agridoce – dos brasileiros, e para tristeza dos que encontraram no episódio codiviano uma oportunidade imperdível de fazer em terras brasileiras o inferno. Organismos internacionais anteviram um tombo de 9% do PIB nacional; e o que se viu foi um de 4%. Tal cenário, não tão ruim quanto o previsto, provocou, ainda assim, imensos males aos brasileiros, que, aos milhões, após perderem o emprego, sob sol e chuva, enfrentaram, humilhados, durante horas a fio, o desgaste, emocional e físico, em filas quilométricas de bancos oficiais, para retirarem, uns, o auxílio governamental, outros as economias acumuladas durante os anos de trabalho. A taxa de desemprego da população economicamente ativa foi à estratosfera, milhões de brasileiros a amargarem vida de desocupados e a viverem de pouco, mas indispensável, dinheiro, durante meses, até atravessarem os dias de vacas-magras, que ninguém sabia quantos seriam, pois eram muitos, uma legião, os políticos dispostos a prolongarem o sofrimento do povo para, ao final da história, amealharem os seus dividendos políticos -tudo indica que eles, e não todos eles, deram com os burros n’água. E tal estado, de, para muitos, desesperança, estendeu-se por meses, que vieram a completar um ano, e prosseguiu além. E não demorou, arrefecendo-se a epidemia – e não estou convencido de que enfrentamos uma epidemia causada por um vírus -, a brotar, de todos os cantos, vozes, saídas das profundezas da Terra, a bradarem, veborrágicas, contra o presidente Jair Messias Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, que, amalgamados, constituem um monstro mitológico, lendário, o Bolsoguedes, para alguns espécime terrivelmente devastadora, para outros um ser benfazejo, as críticas mais acerbas, as acusações mais humilhantes, deles fazendo os únicos responsáveis pela crise econômica que o Brasil então enfrentava, o desemprego em níveis insustentáveis, os juros altos, o dragão da inflação, insaciável glutão, a devorar pessoas, e a queimar-lhes o pouco do dinheiro que elas conservavam em mãos, e a moeda corrente nacional, o Real, a adquirir ares de substância tóxica. Esqueceram-se, e, parece-me, convenientemente, que já era esperada a crise econômica, crise, esta, o “depois” do poema que recitavam, todo santo dia, no café-da-manhã, no almoço, no café-da-tarde, na janta, e ao acordar e ao dormir, enfim, em todas as horas do dia, “depois” que, sabiam, seria – e agora era – a consequência inevitável do “fique”. Falhou-lhes a memória, aqui.

E dá-lhe “Bozo genocida!”, “Guedes incompetente!”, “Bozo destrói economia do Brasil!”, “Guedes vagabundo!” “A economia brasileira está um desastre!” Desandava a economia brasileira. Profetizava-se a bancarrota do Brasil. E não acabou-se a história. Transcorreram-se os meses. O Real, outrora tóxico, valorizou-se, o PIB enriqueceu-se, o mercado de trabalho tangencia a situação de pleno emprego, o dragão da inflação está domado, os juros sob controle. E os Fique em Casa, diante do cenário que não lhes corresponde ao que previram, e, não erro em dizer, desejavam, estão, agora, a, em vez de reconhecer os méritos do Bolsoguedes, a comparar o desempenho econômico do Brasil com os de países que se saíram melhor da crise que a todos os países abateu, para desmerecer o trabalho, e trabalho de peso, valioso, do presidente e seu Posto Ipiranga.

Má-vontade anti-bolsonarista

É tanta a má-vontade dos anti-bolsonaristas em reconhecer os méritos do presidente Jair Messias Bolsonaro que me pergunto se é o caso clínico, patológico.
Dentre eles, há os que dizem que o presidente Jair Messias Bolsonaro nada fez que beneficia o brasileiro pobre, o pobre povo brasileiro. Em que mundo vivem tais pessoas? Em qual dimensão? Não ouviram elas falar do Auxílio Emergencial, do Pronampe; e da apreensão de drogas e de bens de traficantes; da redução dos casos de assassinatos (que no governo Bolsonaro caíram da casa dos 60.000 ao ano para a dos 40.000 – número ainda elevado, é verdade, para um país de duzentos milhões de habitantes); e do Titula Brasil, programa de reforma agrária que já entregou a quase quatro centenas de milhares de famílias brasileiras o título definitivo de posse de terra na qual elas vivem há décadas, em alguns casos há duas, três gerações? E não ouviram os anti-bolsonaristas falar do trabalho, louvável, admirável, de Sérgio Camargo à frente da Palmares, e do de André Porciuncula na Secretaria da Cultura, e do de Carlos Nadalin na Secretaria de Alfabetização, e do de Rafael Nogueira à frente da Biblioteca Nacional; e do trabalho que se desenvolve na Ceagesp, e na Caixa Econômica Federal, e na Petrobras, e em muitas estatais, ora lucrativas? (Quanto ao Sérgio Camargo, ele chegou a propor a mudança do nome da Palmares. Que nome seria apropriado: Princesa Isabel, ou André Rebouças?).
E o que falar do trabalho da ministra Damares Alves à frente do Ministério da Família e da Mulher e do da ministra Teresa Cristina à frente do Ministério da Agricultura? E quantos elogios merece o ministro Paulo Guedes, o nosso Posto Ipiranga?
Em um dos momentos mais sensíveis da história brasileira – e da história universal -, quando, em nome do combate a um vírus, políticos e metacapitalistas decidiram agir para levar à bancarrota economias nacionais, o governo Jair Messias Bolsonaro, após um tombo em 2.020, ergueu-se, recompôs-se, revigorou-se, encorpou-se, e empurra o Brasil para um futuro alvissareiro, digam o que quiserem os anti-bolsonaristas, que estão, também eles, mesmo que não dêem o braço a torcer, a usufruir do sucesso do governo do homem, o Jair Messias Bolsonaro, que eles tanto odeiam.
Diante do cenário favorável e da perspectiva de significativas melhoras econômicas e sociais nos meses e anos vindouros, os anti-bolsonaristas, ao darem boas notícias, pronunciam, indefectivemente, a conjunção adversativa “mas”, que lhes serve como uma luva para todo discurso. Torcem o nariz para o sucesso do governo Jair Messias Bolsonaro, e, pior, enraivecem-se sempre que têm notícia, que não pode desmentir porque verdadeira, dos bons ares que o governo do Capitão está a mover.
Contra o presidente, além dos traidores, hoje personagens folclóricos que o povo despreza, lutaram presidentes dos poderes legislativos e ministros da alta corte do judiciário e profissionais da mídia, pessoas que agem tais quais sapadores.  E segue adiante Jair Messias Bolsonaro.
É óbvio que nem tudo são flores no governo Jair Messias Bolsonaro. Pesando-se, no entanto, em duas balanças, em uma as políticas boas do governo Bolsonaro, em outra as ruins, chega-se à conclusão de que aquela pesa mais, muito mais, do que esta, principalmente se se contextualizar as políticas do governo federal na realidade vigente, e não em um mundo abstrato, ideal.
E os anti-bolsonaristas não se vexam de cuspir, virulentos, na cara do presidente Jair Messias Bolsonaro: “Nazista! Fascista! Genocida! Matou  seiscentos mil brasileiros!” A ladainha de sempre.

Líderes da CPI Covid

Os três líderes da CPI do Covid-19 deram com os burros n’água. Não emplacaram a narrativa que dá o presidente Jair Messias Bolsonaro o responsável principal, e único, pela morte de mais de seiscentos mil brasileiros pelo Covid. Levaram o caso às cortes internacionais, e deram com o nariz na porta. Acreditaram os três nobres senhores que as suas demandas as cortes internacionais as acolheriam. E um dos três aristocratas tupiniquins quis porque quis outra CPI do Covid. E houve políticos que desejaram outra CPI das Fake News. Destas duas séries televisivas da política brasileira, ambas na primeira temporada, os inimigos do presidente Jair Messias Bolsonaro não conseguiram jogá-lo às cordas, fazê-lo beijar a lona, arremessá-lo no cadafalso; querem eles, agora, uma segunda temporada, e nesta fuzilá-lo ao paredón. Fracassarão, é certo.
Ninguém há de negar: quem acompanha as aventuras da política brasileira não morre de tédio; nelas há de tudo, e mais um pouco: drama, tragédia, humor, e mistério, e suspense, e crimes, muitos crimes. O escritor mais privilegiado pelas musas jamais conceberia tramas que sejam mais intrigantes e emocionantes do que as da política brasileira. Enquanto os políticos se esfalfam, os brasileiros, de boas, emocionam-se com as reviravoltas, algumas rocambolescas, do folhetim político nacional.
Pede-se que as novas temporadas da política nacional não caiam num ramerrão debilitante – o que, parece, está para acontecer dada a falta de imaginação dos inimigos de Jair Messias Bolsonaro, o que os faz previsíveis.

Fique em casa, se puder.

E não é que já começaram a reescrever a história? Lembro-me que jornalistas (não sei se é correto chamá-los jornalistas), artistas (artistas?), homens da Lei (que lei?), e esportistas, e intelectuais (considero inapropriado defini-los assim), e políticos, desde Março do longínquo ano de 2.020, de triste memória, exortaram, com ares autoritários, e alguns ameaçaram com multa e prisão, os brasileiros a se trancafiarem em casa, a se isolarem, repetindo, ad nauseam (gostou do latim, querido leitor?), o hipnotizando, aterrorizantemente mesmerizante, estribilho “Fique em Casa.”, do qual milhões de brasileiros não conseguiram, depois de por ele capturados, se livrar. Durante vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, que se estenderem por meses sem fim, a sentença a proferiram homens e mulheres dedicados, sabemos, ao bem-estar da humanidade, em programas de auditório, de culinária, de arte, esportivos, durante a transmissão de jogos, nos intervalos e durante programas infantis, enfim, concentraram-se os profissionais da mídia (e muitos da internet) a proferir a sentença, que se assemelhava a um mandamento divino, “Fique em Casa.”. Agora, cientes de que a política “Fique em Casa; a economia a gente vê depois.” causou um estrago danado na economia de países inteiros, já estão os seus defensores a reescreverem a história. E tão cedo. Mal acabou – se é que acabou – tal capítulo da história, e já estão a dizer que não disseram o que todos sabemos que disseram. 

O presidente Jair Messias Bolsonaro comparece a um estúdio de um outrora popular telejorna da outrora mais poderosa emissora de televisão do Brasil, e, diante da crítica que ele faz à política do “Fique em Casa”, a entrevistadora (se é que se pode dizer assim), sem-cerimonisamente afirma que disseram, não “Fique em casa”, mas “Fique em casa, se puder.”. Quem se lembra de, em algum momento ouvir os defensores do “Fique em “Casa” dizerem “Fique em Casa, se puder.”? Dizem que brasileiro tem memória fraca. Se é verdade, não sei. Eu só sei que eu, um brasileiro, devo ter, e tenho certamente, memória fraquíssima, pois não me lembro de, em algum momento desde o ano de 2.020, ouvir alguém, menos ainda um funcionário da tal emissora de televisão, pedir, solicíta, e gentilmente, aos brasileiros “Fique em casa, se puder.”. E tem mais. Tem mais?! Tem. Contou-me um passarinho que já se apresentou, em um desses portais de notícias da internet, uma personalidade que eu nunca tinha visto mais gorda, que afirmou que no Brasil jamais se decretou lockdown e quarentena. Pôxa vida! Essa doeu. Devemos os brasileiros darmos mãos à palmatória, e reconhecermos que não nos lembramos, e jamais entendemos, o que se passou em nosso querido país nos últimos dois anos.

Compreendo a atitude daquelas pessoas que estão, agora, a desconversar, a reescrever a história. Compreendo. Elas defenderam uma política que, sabiam, iria causar uma crise econômica, viram a crise econômica se avizinhando, viram que o povo entendeu a causa da crise (a política do Fique em Casa), tentaram, em vão, jogar a batata quente no colo do presidente Jair Messias Bolsonaro, história, esta, que não colou, história que os brasileiros não a compramos. Diante de tal cenário, sobrou aos defensores do “Fique em Casa” uma alternativa, a única: negar que algum dia defenderam a política do “Fique em casa.”

Por que linhas acima afirmei que os defensores do “Fique em Casa” sabiam que tal política resultaria, infalivelmente, em uma crise econômica? Ora, a resposta encontra-se na sentença “Fique em casa; a economia a gente vê depois.” Aí está uma relação de causa e efeito. “Fique em casa” é sinônimo de “paralisação das atividades econômicas” e “a economia a gente vê depois” de “crise econômica”. Portanto, toda pessoa que defendeu tal política sabia que o “Fique em casa” (paralisação das atividades econômicas) seria a causa de um efeito “a economia a gente vê depois” (crise econômica), o que de fato se deu, em parte. Por que “em parte”, e não em seu todo? Por que o presidente Jair Messias Bolsonaro e sua equipe ministerial não ficaram morcegando durante estes dois anos; trabalharam, e com inteligência. E os brasileiros temos de lhes dar crédito: eles fizeram do Brasil um dos países que melhor se reergueram do tombo de 2.020. A economia brasileira atinge níveis de quase pleno emprego, o câmbio está razoavelmente bem, a taxa de juros baixas, a inflação controlada, enfim, todos os índices econômicos são positivos, e o futuro próximo alvissareiro.

Bolsonaro, a inflação e a deflação. E os antibolsonaristas.

Cena 1: passado – a inflação está corroendo o poder de compra dos brasileiros.
Comentário do esquerdista: Bozonaro e Guedes, fascistas e nazistas! Querem matar todo mundo de fome! Genocidas!
Cena 2: presente – a deflação forçará, por tempo indefinido, os brasileiros a adiarem as compras, o que provocará uma depressão econômica.
Comentário do esquerdista: Bozonaro e Guedes, fascistas e nazistas! Querem matar todo mundo de fome! Genocidas!
Cena 3: futuro – a estabilidade dos índices de preços ao consumidor representa falta de dinamismo da economia brasileira.
Comentário do esquerdista: Bozonaro e Guedes, fascistas e nazistas! Querem matar todo mundo de fome! Genocidas!

Anti-bolsonaristas, tarados pelo Bolsonaro.

É impressionante, embora não me impressione, a tara dos anti-bolsonaristas por Jair Messias Bolsonaro, homem ao qual eles atribuem todos os crimes cometidos na Via-Láctea e, não sei se procede a informação, que um passarinho me contou, na galáxia de Andrômeda, e não havendo crime ao qual apontá-lo como o seu autor, o condenam por algum ato, que, segundo eles, é reprovável, mais do que reprovável, indecente, mais do que indecente, imoral, mais do que imoral, criminoso, e pedem-lhe a prisão perpétua, e a sua posterior morte, se possível ao paredón, por um fuzil empunhado por um novo homem, o revolucionário comunista.
Um dos desarrazoados que eles, verborrágicos, os olhos negros de ódio, a fisionomia carcomida pelo instinto assassino, num galimatias de imprimir em rosto de defunto ar de surpresa, refere-se ao respeito do presidente brasileiro pelos símbolos nacionais, dentre eles, principalmente, a Bandeira Nacional, e pelas datas cívicas, em especial o 7 de Setembro. O presidente Jair Messias Bolsonaro sempre deu provas, e provas sinceras, de seu amor pelo Brasil, e sempre demonstrou o devido, e merecido, respeito pelos símbolos pátrios mais caros aos brasileiros, símbolos os quais os esquerdistas e outros que se lhes assemelham sempre vilipendiaram, sempre desprezaram, símbolos pelos quais eles sempre mostraram ódio, e desamor, símbolos os quais sempre rasgaram, publicamente, enraivecidos, símbolos nos quais sempre cuspiram, sempre defecaram, símbolos que, agora dizem os anti-bolsonaristas, como que indignados, o presidente Jair Messias Bolsonaro usurpou – assim eles dizem -, convertendo-os em símbolos do bolsonarismo, que é, para eles, um movimento fascista, nazista, machista, racista, negacionista, terraplanista, genocida, e etecétera e tal, e agora estão eles a declamarem às musas poemas heróico-patrióticos convocando o povo, o verdadeiro povo brasileiro, e não o que o Bolsonaro cooptou, para resgatar o valor, valor inestimável, dos símbolos nacionais, tão conspurcados pelos bolsonaristas e por seu líder, o tal de Bozonazi, no jargão antibolsonarista. E qual foi a demonstração que os anti-bolsonaristas deram, ultimamente, de amor pela Bandeira Nacional? Num país distante, ao norte do Brasil, uma certa senhora, cantora, desconhecida de trezentos milhões de brasileiros, pisoteia a Bandeira, orgulhosa de seu ato, e os antibolsonaristas não a reprovam. É com atos de tal grosseria e desrespeito que os antibolsonaristas pretendem resgatar os símbolos nacionais.

Não há justiça no Brasil – um exemplo da mentalidade anti-bolsonarista.

Que no Brasil a justiça tarda e falha é do conhecimento de todos. E não é raro os brasileiros ouvirmos histórias, e das mais bizarras, umas, grotescas e arabescas, saídas da cabeça de um Edgar Allan Poe, outras, obras de um Franz Kafka. E quando a justiça, mesmo tardando, não falha, os brasileiros, ao tomarmos conhecimento de tal feito, inusitado, coçamos a cabeça, desconfiados, a nos perguntarmos onde está a armadilha.
Há um elemento interessante na relação de certas pessoas com a Justiça, ou o que elas entendem por Justiça: o desejo pessoal. Não sei se me faço compreender. Usarei outras palavras para explicar o que pretendo dizer: há pessoas para as quais só há Justiça se o veredicto do juiz corresponder ao que elas desejam, ao que elas querem. Neste ano, dois casos são, para mim, emblemas da presunção, arrogância, estupidez, de certas gentes que entenderam equivocadas, melhor, criminosas, a ação de juízes, que não lhes atenderam à vontade, a de anti-bolsonaristas radicais, gentes que, por si mesmas, já haviam posto o presidente Jair Messias Bolsonaro no banco dos réus, e o condenado ao cano de um fuzil – o fuzilador a obrigá-lo a ficar de frente para um paredón, e, ao premir o gatilho, tal qual Che Guevara, um dos carniceiros de Sierra Maestra, bostejar, com o seu olhar vulturino, e seu espírito assassino: “Viva la revolución. Hay que endurecerse pero sin perder la ternura.” -, e que, vindo a saber do veredicto, enraivecidas, descarregaram todo o ódio que as alimenta, esbravejaram, e xingaram os juízes e o réu com os mais carinhosos e simpáticos apodos. Não posso deixar de dizer que no auto dos processos o nome do presidente não estava presente, o que é compreensível, afinal ele não era uma personagem envolvida nos dois casos, mas, entretanto, todavia, porém, no entanto, os seus detratores, que o apontaram como um dos envolvidos, ferindo-o, verborrágicos e boquirrotos, com o dedo acusador, queriam porque queriam que ele fosse condenado à prisão. Na cabeça de tal gente, Jair Messias Bolsonaro já estava condenado – e toda decisão judicial que não chegasse a tal termo estava corrompida em todo o seu processo. Não estou, aqui, a me referir a políticos, artistas, jornalistas, figurinhas carimbadas da vida pública, cujas faces estampam famosos programas de emissoras de televisão, e capas de revistas, e a primeira página de jornais e sites de notícias. Estou a falar de pessoas com as quais nos esbarramos no dia-a-dia.
São os casos aos quais até o momento fiz alusão o da morte, por um bolsonarista, de um lulista, e o das mortes de dois aventureiros que se embrenharam na floresta amazônica (eles se tinham na conta de desbravadores da estirpe dos Bandeirantes?). Em nenhum dos casos, tinha o presidente do Brasil participação – não era ele o protagonista, nem um coadjuvante, nem sequer um figurante, daqueles que nem fala possui e resumindo a sua participação na história a andar, ao fundo, misturado com dezenas de outros figurantes, que, iguais a ele, estão irreconhecíveis. Os auto-intitulados juízes não apreciaram o epílogo da história. Queriam, e querem, que o presidente Jair Messias Bolsonaro seja sumariamente condenado, senão à morte, à prisão perpétua numa fétida enxovia, vivendo de comer de suas fezes e beber de sua urina. Segundo os anti-bolsonaristas este é o destino que está reservado ao objeto do ódio deles. Para eles, há Justiça apenas quando a vontade deles é atendida. Não há, no mundo, almas tão justas.

Bolsonaro, o presidente que o Brasil precisa.

Era no tempo do rei.
Assim começa Manuel Antônio de Almeida a aventura de Leonardo Pataca, seu herói, no admirável Memórias de um Sargento de Milícias.
Mas a história que hoje contarei nesta crônica não se passou no tempo do rei; deu-se há três anos, na república, sob o governo Bolsonaro, e dela só ontem eu tomei conhecimento. Por que, então, ó, autor – pergunta-me, curioso, o leitor -, vós falais do Almeida e do Pataca? Por nada, não – respondo -, querido eleitor. Eu apenas gosto de tal frase; acho-a simplória e sofisticada, plebéia e aristocrática.
Encerrado o intróito desta crônica, que é curta, digo para o que vim.
É esta a história que o nosso querido Capitão Bonoro – Bomnosares, para os íntimos – protagonizou:
Estava o presidente Jair Messias Bolsonaro montado na sua motoca, tal qual um nobre cavaleiro de antanho, agaloado com exuberante indumentária, montado em seu alazão ricamente ajaezado, a parlamentar com seus eleitores, quando, de repente, surpreendo-o, chega aos seus ouvidos presidenciais, saída da boca de um seu inimigo, a pergunta: “E o Queiroz?” E o presidente, com a fleuma de um gentleman, para orgulho da Rainha Elizabeth, responde-lhe: “Ele ‘tá com a sua mãe.”

Bolsonaro é culpado – um exemplo da mentalidade antibolsonarista

Rodolfo, meu grande amigo, eu não entendo, juro – juro, com uma das mãos às costas, fazendo figas -, o que há na cabeça dos mais fervorosos críticos de Jair Messias Bolsonaro, o presidente e o homem. Parece que estão eles doentiamente apaixonados pelo nosso querido Mito, também alcunhado Capitão Bonoro, e por alguns chamado Bomnosares, mas, inscientes do que lhes vai no espírito, vituperam catilinárias verborrágicas, a revelarem a alma demencial que lhes inspira todas as atitudes, contra o homem que miram, para alvejá-lo roubando-lhe, se não a vida, o amor à vida.
Erro em chamar tais criaturas de críticos do presidente Bolsonaro, pois críticos dele eles não são. Atribuem, sempre com as suas proverbiais presunção e estupidez neles já identificadas, apanágios de seres desprezíveis, ao presidente todos os males do mundo, e o condenam, a ferverem de ódio, ao fogo do inferno, sem sequer lhe oferecerem, o que para eles é inadmissível, o direito de falar uma palavra que seja em sua defesa. Estamos em um tribunal, e neste são os antibolsonaristas o acusador, o advogado de acusação, o juiz, o promotor, o procurador, as testemunhas, o júri, e, no banco dos réus, sentado, algemado, amordaçado, Jair Messias Bolsonaro, que antes mesmo de passar pelo enquadramento da porta principal do tribunal ouvira o veredicto: culpado. Kafkaniano, o processo.
É esta a mentalidade dos antibolsonaristas: Bolsonaro é culpado porque é culpado; se ele é culpado; se sabemos que ele é culpado; então, ele não tem o direito de dizer que ele não é culpado.
Chama-me a atenção – e o que me chama a atenção não me surpreende – o senso de justiça dos antibolsonarista: Bolsonaro e todos os seus aliados são culpados de todos os crimes que lhes imputam; os inimigos dele jamais cometem crimes. Para os que odeiam Jair Messias Bolsonaro – e estou a falar de não poucas pessoas de meu convívio – há, assim eu interpreto o pensamento deles, no Brasil, duas Constituições Federais, dois Códigos Civis, dois Códigos Penais, dois Direitos Criminais, dois, enfim, sistemas jurídicos, um, que existe para julgar, exclusivamente, Jair Messias Bolsonaro e seus aliados, e a condená-los, infalivelmente, o outro a julgar os inimigos dele, e a inocentá-los, invariavelmente.

 Há não muito dias, ouvi um antibolsonarista, professor de filosofia, a declamar, com o fervor dos fanáticos, um poema antibolsonarista cujos versos defendiam uma tese extraordinariamente perspicaz – na opinião dele: o Bozonazi (é assim que ele se refere ao presidente) e seus filhos são criminosos, milicianos, porque a imprensa publica muitas reportagens que tratam dos crimes que eles cometeram. Perguntei ao distinto herdeiro de Sócrates, Platão e Aristóteles se a imprensa é tribunal. Ele me fitou com cenho franzindo, ar de poucos amigos. E permanecemos ambos os dois em silêncio por um curto momento. E seguiu-se um diálogo, que nas linhas abaixo eu reproduzirei o mais fielmente possível:
– A imprensa é tribunal? Tem a imprensa poderes legais?
– Bozominion – falou-me, agressivo, quase aos berros, a ponto de se atirar sobre mim, e esganar-me -, você é gado do Mitonazi. A imprensa pública fatos, apenas fatos. E não foi só um jornal, uma televisão, uma revista, um site, que publicou reportagens que falam dos crimes da Família Bozofascista Miliciana Genocida Negacionista. Foram vários.
– Mas – falei, medindo as palavras -, a imprensa já publicou, e não há muito tempo, acerca do seu político de estimação, o (e citei-lhe o nome) muitas reportagens a respeito dos crimes dele.
– E ele respondeu aos processos, e provou-se inocente.
– Eu sei. Mas a imprensa publicou as reportagens. Com as publicações, provou que ele era culpado? Não. Os casos foram aos tribunais, que o inocentaram. Se ele pôde contratar advogados, e defender-se, nos tribunais, de todas as acusações que lhe fizeram, o Bolsonaro também pode. Até prova em contrário, o presidente é inocente. Eu não sou jurista, mas sei que ao acusador, e não ao acusado, cabe o ônus da prova, que deve ser apresentada, nos tribunais, diante do juiz, dos advogados, do promotor, do júri. Toda pessoa tem direito à legítima, ampla, defesa. Segundo a justiça, o que vale para o Chico vale para o Francisco. E não se tira de um peso duas medidas. O Bolsonaro….
– O Bozonazi é miliciano genocida. Matou mais de seiscentas mil pessoas de covid. O governo dele é o mais corrupto da história do Brasil.
– Mas ele tem direito a…
– Fascistas têm direitos, gado!? Fascista nem gente é!
E tratei de encerrar a conversa, que só me traria mais aborrecimentos do que os que até então eu já tivera.
‘Ta’í, meu amigo, um exemplo da mentalidade antibolsonarista.

Bolsonaro e Trump, e Biden, e Putin. ICMS, e programas sociais, e carga tributária, e arrecadação de impostos. Notas breves.

Ouvi, de anti-bolsonaristas, durante o governo Trump, que o presidente Jair Messias Bolsonaro, servil ao seu congênere americano, estava a entregar o Brasil aos Estados Unidos. Agora, ouço aqueles mesmos anti-bolsonaristas, num momento em que ocupa a cadeira presidencial americana o Joe Biden, que já se revelou hostil ao presidente Jair Messias Bolsonaro, e diante do estreitamento das relações diplomáticas e comerciais entre o governo brasileiro, resumido, este, na pessoa do presidente Jair Messias Bolsonaro, e o governo russo, sintetizado na figura de Vladimir Putin, afirmarem que o presidente Jair Messias Bolsonaro é irresponsável e inconsequente ao manter boas relações com o seu colega russo, a ponto de, inclusive, estando Rússia e Ucrânia, em Fevereiro deste ano, na iminência da detonação de um confronto bélico direto, empreender uma viagem ao país dos tzares, ignorando exortações, que mais parecem ameaças, da Casa Branca, para assinar contrato de importação, pelo Brasil, da Rússia, de ingredientes de fertilizantes, produtos indispensáveis à saúde do agronegócio brasileiro, e, mais recentemente, insistindo em ignorar exortações, que aos ouvidos de quem sabe ouvir soam como ameaças, do governo americano, assinar com o Kremlin contratos de importação, pelo Brasil, da Rússia, de óleo diesel. Alegam os anti-bolsonaristas que a postura do presidente brasileiro pode redundar em aplicação, pelo governo americano, contra o Brasil, de sanções econômicas, o que viria em desfavor do Brasil, prejudicando, consequentemente, os brasileiros. Ora, por que o governo americano iria aplicar sanções econômicas contra o Brasil? Porque está, na ótica dos críticos do presidente brasileiro, o Brasil a ignorar as orientações do governo americano. E o que teria de fazer o governo brasileiro, então, para evitar que o governo americano imponha sanções ao Brasil? Teria de agir em consonância com os conselhos que tão amigavelmente lhe oferece o governo americano. Em outras palavras, que o governo brasileiro seja servil ao governo americano. Mas é claro que os anti-bolsonaristas simulam ignorar – e muitos, penso, de fato o ignoram – o real significado do que estão a dizer. Compreensível. Estão a torcer e torcer o discurso para praticar seu esporte predileto: difamar o presidente Jair Messias Bolsonaro.
*
Abaixa o governo federal o valor da alíquota de ICMS que incide sobre os combustíveis, objetivando impedir que o dragão da inflação destrua o poder de compra da moeda brasileira. Não entro no mérito de tal política – desconheço-a em seus detalhes. É minha intenção, nesta nota breve, chamar a atenção para uma das razões aventadas pela oposição ao governo Jair Messias Bolsonaro: a redução da alíquota de ICMS sobre combustíveis irá redundar na redução de investimentos públicos em programas sociais, principalmente saúde e educação. Procede tal crítica? Não estou na minha praia, mas digo que, considerando o pouco que sei a respeito, investimentos em saúde e educação estão garantidos no orçamento, correspondem à certa porcentagem do montante de arrecadação de impostos, que depende da situação econômica, e não da carga tributária, que, ensina a experiência, se extorsiva, a prejudicar a economia, redunda em arrecadação de impostos inferior à que se obtêm com uma carga tributária que não onera os cofres das empresas. Podemos dizer, então, que o dedo que acusa o presidente Jair Messias Bolsonaro de irresponsável e inimigo dos mais pobres está a fazer, única e exclusivamente, demagogia barata.

Crimes do Bolsonaro

1 – Mandar a serpente entregar a maçã proibida para a Eva;
2 – Arremessar contra a Terra o meteoro que exterminou os dinossauros;
3 – Causar a extinção dos unicórnios;
4 – Afundar Atlântida;
5 – Trair Leônidas, rei de Esparta;
6 – Matar os pais de Bruce Wayne;
7 – Furar o olho de Camões;
8 – Atear fogo em Roma;
9 – Destruir Krypton;
10 – Afundar o Titanic;
11 – Queimar várias folhas do manuscrito de Almas Mortas, de Nikolai Gogol;
12 – Matar o príncipe Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austro-húngaro;
13 – Derrubar o Colosso de Rodes;
14 – Despejar duas bombas atômicas nas cidades japoneses de Hiroxima e Nagasaki;
15 – Matar Gwen Stacy;
16 – Roubar do Museu do Louvre a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci;
17 – Afundar Lemúria;
18 – Sequestrar Helena de Tróia;
19 – Causar a erupção do vulcão Krakatoa;
20 – Criar desavenças entre os Káuravas e os Pândavas;
21 – Matar o tio Ben; e,
22 – Mandar Dalila seduzir Sansão e cortar-lhe os cabelos.

Sob o governo Bolsonaro, o preço dos alimentos, o da gasolina e o do botijão de gás.

Ouvi, e li, afirmações anti-bolsonaristas de fazer cair o queijo – quero dizer, o queixo – de todo filho-de-Deus que conserva, íntegro, no mínimo um neurônio. E o pior: os autores delas as fizeram os antibolsonaristas em tom de superioridade intelectual, e cultural, e, acima de tudo, moral, dando-se ares de autênticas entidades benfazejas que incorporam em seu ser a sabedoria universal, a exibirem aquele proverbial olhar de juiz majestático – confortavelmente sentado num esplendoroso trono dourado – diante do qual todos os seus suditos genuflexionam-se, pusilanimemente, temerosos de terem a cabeça do corpo arrancada por um verdugo a manusear um machado afiadíssimo.
Dentre as falas dos anti-bolsonaristas, às quais fiz alusão, comento, aqui, citando um exemplo, o teor das que apresentam comparações entre os preços de alimentos, gás de cozinha e gasolina vigentes no governo do presidente Jair Messias Bolsonaro e no governo de Luís Inácio Lula da Silva. É de ruborizar Nero e Messalina a desfaçatez, em alguns casos, a estupidez, em outros, daqueles que as deram a público, de viva voz, ou com memes e textos.
Em uma comparação, e não reproduzo, aqui, os preços, expostos, num quadro, em duas colunas, uma a representar o governo do Bolsonaro e a outra a representar o do Lula, pois tais detalhes são irrelevantes para o exercício do meu argumento, dá-se o preço de um botijão de gás de cozinha, e o de um quilo de arroz e o de um de feijão, e o de um quilo de carne, e o de um litro de gasolina. Até aqui, nada que mereça atenção. Agora, o detalhe que me franzir o cenho: na coluna que representa o governo Bolsonaro os preços dos produtos citados acima são os atuais, e na que representa o governo Lula há uma nota: preços médios. Cocei a cabeça. Remoí os pensamentos. O que o autor de tal peça quis dizer com ‘preços médios’? Algum brasileiro, em algum momento da era que se iniciou no dia 1 de Janeiro de 2.003 e se encerrou no dia 31 de Dezembro de 2.010, foi ao açougue e perguntou ao açougueiro “Qual é o preço médio de um quilo de acém (ou de patinho, ou de alcatra, ou de filemignon)?”, e alguém, em qualquer uma das cinco regiões geográficas que constituem o território nacional, em um posto de combustível, perguntou ao frentista, antes de decidir quantos litros de gasolina iria comprar, “Qual é o preço médio de um litro de gasolina?”, e quem perguntou, numa empresa de venda de gás “Qual é o preço médio do botijão?”? Acredito que ninguém tenha feito, durante aquela era de triste memória, nenhuma destas três perguntas.  Então, por que cargas-d’água compara-se os atuais preços de produtos com os seus preços médios durante o governo lulista? Qual o porquê de tal comparação, que é sem pé e sem cabeça?
Dá-se a impressão, devido às diferenças de preços percebidas entre os atuais e os médios do período compreendido entre 2.003 e 2.010, que inflação houve, e exclusivamente, no governo Bolsonaro. Não sei se é correta esta leitura que faço de tal quadro comparativo. Independentemente de qual seja, é de causar estranheza.
Qual seria então, ô, sabichão, o certo a se fazer?! Não sei. Mas acredito que deveria se informar, no quadro, dos produtos listados, os preços vigentes no mês de Janeiro de 2.003 e no mês de Dezembro de 2.010, e a inflação neste período, e os valores do salário mínimo então em vigor. Assim, sim. Oferecer-se-ia às pessoas que tomaram conhecimento de tal quadro comparativo, que estava acompanhado, digo agora, de um pequeno texto, no qual se lia apenas lugares-comuns anti-bolsonaristas e nenhuma explicação econômica, elementos que lhes permitiriam avaliar, com realismo, se assim posso dizer, o desempenho econômico dos dois governos – desconsiderando-se, é claro, o contexto econômico, e o político, nacional e internacional -, o que daria uma idéia, mesmo que pálida, do trabalho dos dois governos. Mas suspeito que tenha sido a intenção das pessoas que o elaboraram afastar da verdade quem o viu e se deu ao trabalho de ler o texto, que o acompanha, de poucas palavras.
Além disso, tinham de lembrar os leitores que entre o governo de Luís Inácio Lula da Silva e o de Jair Messias Bolsonaro existiram o de Dilma Rousseff e o de Michel Temer.

Macron, Shinzo Abe, Elon Musk, Bolsonaro. Disney. E outras notas breves.

Dizem por aí que está o Emmanuel Macron em maus lençóis devido ao seu envolvimento, que não está bem explicado, com uma empresa de aplicativo de condução de passageiros – não sei se é assim que se diz -, o UBER. E em maus lençóis também estariam, e por outras razões, o Justin Trudeau e o primeiro-ministro da Itália. Ouvi dizer, também, que o primeiro-ministro da Itália estava para renunciar, ou renunciou, não sei, ao seu cargo, mas o presidente recusou atender-lhe ao pedido.
*
Assassinaram o ex-primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aliado do Donald Trump, crítico feroz da China e apoiador de Taiwan. É tal crime um dos mais importantes, senão o mais importante, deste ano de 2.022. Infelizmente, à tragédia a mídia em peso dedicou, se muito, uma nota de rodapé, e bem discreta, tímida e envergonhadamente. Compreensível, afinal não é ele um pascácio da patota esquerdizóide que está a pôr a civilização de pernas para o ar.
*
É Elon Musk um guardião da liberdade, inimigo visceral daqueles metacapitalistas ocidentais que mandam e desmandam em todo o mundo, ou é ele um salafrário de marca maior fazendo-se de paladino da liberdade, sendo, na verdade, um amigo, ou apenas um aliado, ou então um humilde serviçal, daqueles metacapitalistas que, dizem os admiradores do homem mais rico do mundo, ele jurou combater?
*
No governo Bolsonaro reduziu-se, consideravelmente, e admiravelmente, os índices de homicídios, e os espíritos-de-porco declaram de viva voz, desavergonhadamente, que o Brasil nunca viu tanta violência quanto à que se existe após o nosso querido Capitão Bonoro envergar a faixa presidencial.
*
Contou-me um passarinho que a Disney, outrora (ou ainda é?) a mais amada, a mais querida, a mais admirada empresa de animação do mundo, está indo de mal a pior porque as pessoas que decidem o teor de suas obras cinematográficas encamparam, doentiamente apaixonados, ou apaixonadamente doentios, em sua integridade, o teor do manual politicamente correto, das políticas identitárias, a ponto de não medir as consequências de suas decisões.
*
… e no Sri Lanka o povo se revolta. E não foi por falta de a aviso. Assim que o governo daquele pequeno país asiático implementou insanas políticas ditas ambientalistas, observadores perspicazes previram elevação da inflação de preços de gêneros alimentícios e destes a escassez, e revoltas populares, e crise energética.
*
Emmanuel Macron, em tom que não deve ter agradado aos franceses, anuncia o racionamento de fornecimento público de energia, política que é consequência direta do corte abrupto de fornecimento de energia produzida pelos russos ao país de Asterix.
*
Noticia-se a melhora de índices econômicos brasileiros: aumento do emprego da população economicamente ativa, controle da inflação de preços, Real valorizado frente ao Dólar, previsão de crescimento do PIB na ordem dos dois por cento neste ano de 2.022. E reconhecem os anti-bolsonaristas o sucesso do governo Bolsonaro na área econômica? Não. Eles declaram, enojados, mal-humorados, que o Brasil não melhorou; que foi o mundo que piorou. Primeiro, tal afirmação é uma inverdade. Segundo, dando-se mão à palmatória, e reconhecendo-se a validade da afirmação dos anti-bolsonaristas, obrigamo-nos a reconhecer que é o governo Bolsonaro competente, afinal, comparando-se o desempenho econômico brasileiro nestes tempos de caos que políticos e empresários produziram em nome de combate a um vírus que veio sabe-se lá de onde com o das outras nações, sobressai-se, com honras, o Brasil.

Bolsonaro e cultura. Lula. Agronegócio. Ameaças ao Brasil. Guerra das moedas. Russofobia. Mercenários. Mídia. Esportes. Notas breves.

Li, hoje, notícia alvissareira: o presidente Jair Messias Bolsonaro vetou a lei Aldir Blanc, que distribuiria, se sancionada pela caneta presidencial, uma nota preta, não aos artistas populares, que passam maus bocados, e não têm meios de vender o seu peixe, mas aos que, além de nadarem em dinheiro, se arvoram credores dos brasileiros. Há semanas, rejeitou-se a lei – ou um projeto de lei, não sei – intitulada Paulo Gustavo, que tinha fim semelhante e que encontrou o mesmo fim da que o presidente vetou há pouco. E alguns antibolsonaristas declaram, verborrágicos e atrabiliários, que é o presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, hostil à cultura, ele a destruir a cultura brasilera. Pensa tal gente que é cultura a obra artística de artistas famosos, e unicamente a obra deles – e não sei se acerto ao falar “a obra artística de artistas famosos”. A cultura de um povo o povo a faz, e não um grupo de gente privilegiada com bons laços políticos e empresarias e midiáticos.

*

E Lula ora diz algo que vai de encontro ao que ele disse há anos e ora ao encontro do que há anos ele disse. Tem multípla personalidade, o homem, ou ele se dobra e se desdobra, em vão, para agradar às múltiplas facções de seus apoiadores, e aliados, e eleitores, e fãs, aqui em terra em que se platando tudo dá e no exterior. É Lula extraordinariamente maleável, flexível, a contorcer-se para adotar a figura de todos os que lhe querem bem, assim criando com todos eles afinidades e identidade.

*

Não entendi até hoje, e jamais entenderei, a sem-razão da razão irracional daqueles que agridem o agronegócio brasileiro, e pedem-lhe a extinção – para o bem-estar da floresta amazônica, da biodiversidade, e do planeta Terra, e da Via-Láctea. De onde vêm a carne, e os ovos, e as frutas e legumes, e outros produtos comestíveis que tais pessoas enviam, todo santo dia, para o bucho? Será que elas acreditam que o leite de vaca brota, espontaneamente, dentro das caixinhas e dos pacotes de plástico, e os grãos de arroz e de feijão nascem, assim, num “Faça-se o feijão! Faça-se o arroz!”, dentro de pacotes, nas gôndolas dos supermercados? Presumo que haja (e haja o que hajar – alguém já disse – escrevo o pensamento que me resvala a cabeça) pessoas – e muitas delas pecuaristas e agricultores americanos e franceses – que entendem ameaçador aos seus negócios o robustecimento da indústria agropecuária brasileira, e, por esta razão, e por nenhuma outra, financiam campanhas em desfavor do agronegócio brasileiro. Entendo. Mas aqueles brasileiros que, ensandecidos, descabelam-se, sinceros em suas catilinárias contra quem produz o alimentos que eles comem, não contam com a minha compreensão.

*

Não é pouca a gente que, a estudar, com seriedade, as coisas que se sucedem em nosso mundo, atenta para a ameaça que a atual política externa americana, sob o desgoverno do Biden, incomodada com a política do presidente Jair Messias Bolsonaro, representa ao Brasil. Artistas hollywoodianos, secundados por seus congêneres brasileiros, estão a falar as mais rematadas asneiras e asnices acerca do Brasil. E contam tais personalidades com o apoio de organizações internacionais e de organizações não-governamentais, e de políticos e ativistas e cantores e atores brasileiros, todos confessos adoradores de esquerdistas e ditadores, e propugnadores de políticas socialistas, politicamente corretas.

*

Veio ao Brasil, dos Estados Unidos da América, nesta semana, a subsecretária de Estado para Assuntos Políticos, Victoria Nuland, que, diz-se por aí, abriu, em 2.014, na Ucrânia, a caixa de Pandora, obtendo a queda do então presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, um fontoche, todos sabemos, do Vladimir Putin. E quem substituiu o presidente deposto foi um preposto, assim dizem, dos globalistas ocidentais. E vai a Ucrânia a seguir sua sina rumo ao seu destino, que ninguém lhe inveja. Pressiona a representante americana, informam algumas publicações, o governo brasileiro a assumir postura menos amigável a Moscou, e mais alinhada a Washington. Parece que o presidente Jair Messias Bolsonaro terá muita dor de cabeça pela frente. Quem é que sonha estar na pele de tal homem?!

*

Li que empresas chinesas compram, da Rússia, carvão e petróleo, e pagam em Yuan, e não mais em Dólares. E que países europeus estão a comprar, via outros países – estes dispostos a apagarem ao Putin em Rublos -, da Rússia, o gas e o petróleo que, por baixo do pano, enviam aos seus clientes, que, não querendo aparecer na foto, mantêm, para o público de todo o mundo, imagem de dignos e aguerridos inimigos do vilanesco Vladimir Putin.

*

Na cidade ucraniana de Mukatchevo, demoliram monumento, e arrancaram uma placa memorial, ambos em homenagem a Pushkin, mestre da literatura russa. Qual a justificativa para tal atitude? Sentimento russófobo, que exacerba-se, não apenas na Ucrânia, mas em boas quadras do mundo, insuflado pela mídia ocidental.

*

Contou-me um passarinho que na Ucrânia soldados russos capturaram mercenários originários de países da OTAN. É a guerra, pergunta-se, entre Rússia e Ucrânia, ou entre países da OTAN e Rússia?

*

Pessoas que há não muito tempo escreveram, em tom de alerta, artigos percucientes acerca da concentração dos meios de comunicação ocidentais num tal de Projeto Sindicato, conglomerado midiático sob controle de uma meia dúzia de nababos ocidentais, estão, agora, a comprar da mídia ocidental, acriticamente, a narrativa da guerra que ora se desenrola na terra dos cossacos.

*

O senado do estado americano da Carolina do Norte aprovou um projeto de lei que não concede permissão para pessoas transgêneros – homens que se dizem mulheres – de participar de competições oficiais com mulheres.

Bolsonaro, o salvador do mundo, evita a terceira guerra mundial.

Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente do governo Bolsonaro, homem que, durante suas ingentes tarefas – hercúleas, dir-se-ia -, evitou a extinção das girafas amazônicas (e de outros animais – que não receberam a devida atenção dos ambientalistas – tipicamente amazônicos, tais como cangurus, ursos-panda, bisões e linces), a inspirá-lo suas proverbiais sabedoria e perspicácia intelectual de primeira grandeza, irrivalizada, reconhece a preeminência da arte política internacional de Jair Messias Bolsonaro, presidente do Brasil. Antes de qualquer outra pessoa, aqui, no Brasil, e em qualquer outro país, entendeu ele que o excelentíssimo presidente brasileiro evitou, com a sua viagem ao país dos eslavos, uma guerra mundial, a terceira, que iria, se eclodisse, dizimar a espécie humana, e, talvez, e não é exagero pensar, cortaria ao Terra ao meio. É tão admirável a grandeza intelectual do ex-ministro que os anti-bolsonaristas, invejosos, a atormentar-lhes a incomparável sutileza dele, decidiram, em peso, num ataque aparentemente coordenado, disparar-lhe críticas contundentes, para ferir-lhe o ego, e destruir-lhe a reputação de homem íntegro, e exibir suposta falsidade da avaliação penentrante e certeira que ele fizera das alvissareiras consequências da ação política do presidente Jair Messias Bolsonaro, que, de tão poderoso, fez curvar-se diante de si Vladimir Putin, o tzar russo.


O presidente Jair Messias Bolsonaro telefonou para o líder russo, o manda-chuva siberiano, e disparou-lhe à queima-roupa, com a autoridade que seu nome impõe: “Vladimir, deixe de frescura, taoquei!? Que história é esta de guerra!? Deixe de lorota. A Rússia é um país muito grande. Por que você vai querer mais terra, ô, homem de Deus! Pegue uma enxada, e vá capinar a Sibéria.” E seu congênere da terra do gelo, intimidado, respondeu: “Sim, senhor Bomnosaro. Sim, senhor. Já encomendei a enxada. E já mandei as tropas sob minhas ordens se afastarem da Ucrânia.” Diante de palavras tão meigas e pacíficas, o presidente brasileiro anunciou: “Ô, Vladimir, estou, aqui em Moscou, desembarcando do avião. Desmarque todos os seus compromissos. Arrume a mesa, aí, no Kremlin, para tomarmos um cafezinho. Estou levando, além do café, uma delícia que só o Brasil tem: jabuticaba.” E o presidente russo, lambendo os beiços, agradeceu: “Obrigado, senhor Bomnosaro. Obrigado. Muito obrigado. O senhor também trouxe, de Minas, pão-de-queijo?” “Sim, Vladimir, sim. E eu esqueceria?! Prepare a mesa, Vladimir, prepare a mesa. Vamos encher o bucho, taoquei!?”


E foi assim que o presidente Jair Messias Bolsonaro evitou a terceira guerra mundial. Que a Academia Sueca dê ao presidente brasileiro o Nobel da Paz, neste ano de 2.022.

Presidente Bolsonaro e o 7 de Setembro de 2.021.

As manifestações democráticas, e populares, de milhões de pessoas pedindo liberdade, justiça, paz, e as ações do presidente Jair Messias Bolsonaro surpreenderam gregos e troianos. Não há, em todo o universo, excetuados o presidente do Brasil e um seu reduzido círculo de aliados, quem saiba o que de fato se deu nos meses que antecederam o já histórico 7 de Setembro de 2.021 e nos dias que logo se lhe seguiram. São incontáveis as teorias que intelectuais, de direita e de esquerda, conservadores e revolucionários, bolsonaristas e anti-bolsonaristas, apresentaram, todos, ouso dizer, certos cada qual de que a que apresenta, sendo a correta, explica o que ocorreu antes, durante e depois da efeméride. Sabe-se que as manifestações do presidente e de seus apoiadores não corresponderam às narrativas que acerca delas aos quatro ventos os anti-bolsonaristas espalharam; não representaram um movimento de golpe às instituições democráticas capitaneado pelo presidente Jair Messias Bolsonaro, cuja personalidade é hostil ao autoritarismo de qualquer espécie, como ele deixou claro em não poucas declarações e em atos inúmeros – o que se viu foi, única e exclusivamente, a exibição de irrivalizado apoio popular ao presidente, que, conquanto a mídia diga o contrário, conserva a sua popularidade intacta e é o político mais influente do Brasil. Muitos formadores de opinião, que, pelo visto, de ninguém forma a opinião, insistiram, todavia, em emprestar-lhes – e insistem em tão reprovável postura, suas interpretações sob influência de idéias que dão o presidente brasileiro um personagem vilanesco, crudelíssimo – ingredientes que elas não possuem, a má-fé, que lhes recheia o espírito, a movê-los, pois eles, embora observem os fatos, e, pode-se supor, os compreendam, bostejam, desavergonhadamente, mal-intencionados, para explicá-los, narrativas mentirosas, que apontam o presidente como um ditador iníquo, um político inescrupuloso, sem jamais ilustrá-las com dados que as corroborem, e as repetem, durante trinta horas por dia, dez dias por semana. Não se vexam os detratores do presidente em mentir descaradamente, mesmo que, e principalmente se, flagrados em pecado. E não foram as manifestações impopulares, a contarem com a participação de, se muito, meia dúzia de gatos pingados – é esta a história que a imprensa insiste em, negando a realidade, e desejando impôr suas narrativas, propagar, o que, aliás, ela faz, despudoradamente, sempre que os bolsonaristas – bolsominions, para os íntimos – se manifestam, e em número imensurável, em apoio ao presidente, cobrindo avenidas inteiras, num espetáculo de espontaneidade inegável, trajados com os indefectíveis verde e amarelo, numa ordem admirável, que jamais desanda em grosserias, ataques aos policiais, quebradeira generalizada de patrimônio público e particular, ações gêmeas dos atos violentos dos anti-bolsonaristas sempre que estes saem à rua, aos punhados. E a imprensa insiste em rotular anti-democráticas e golpistas, de robôs fascistas e nazistas, as manifestações ordeiras e pacíficas dos bolsonaristas, e democráticas, espontâneas, de um povo que pede por liberdade, as barbaridades orquestradas pelos anti-bolsonaristas.

Do ano de 2.021, o ato político emblemático é o da Carta à Nação. Há quem jure, e de pés juntos, que redigiu-a o ex-presidente Michel Temer. É tal carta sua obra-prima. E há quem diga que a escreveram quatro mãos, as do presidente Jair Messias Bolsonaro e as do já mencionado ex-presidente. E chegou-me ao conhecimento que há quem pense que a redigiram as mãos do ex-presidente e as de Alexandre de Moraes, ministro do STF. E para alguns sagazes espécimes do espírito humano, redigiram-la os três protagonistas, acima citados, de nossa aventura, não após o 7 de Setembro, mas antes do primeiro ato deste capítulo da história brasileira ser executado. Não sei quem a redigiu. Conta-se acerca da confeção dela estas quatro versões – e talvez algumas outras, que a imaginação fértil de alguém tenha concebido e não me vieram ao conhecimento.

E acerca de qual foi o papel que cada um dos principais personagens da trama, que se começou a dedenhar meses antes, representou podemos aventar hipóteses. Envolvem-nos conjecturas: o presidente Jair Messias Bolsonaro, após intensificar, no dia 7 de Setembro, ao ministro Alexandre de Moraes as críticas, se viu numa arapuca, e, sem meios de cumprir as ameaças, recorreu ao ex-presidente Michel Temer, suplicando-lhe, humilde, e constrangedoramente, socorro, de cabeça baixa, prosternando-se diante dele, e com zumbais grotescas revelou-se-lhe submisso; o ministro Alexandre de Moraes, vendo-se em maus lençóis, e certo de que o presidente cumpriria as ameaças, que tinham destinatário certo, trêmulo, e apavorado, ao passar as noites anteriores em claro, solicitou ao ex-presidente cujo nome encontra-se, neste artigo, duas vezes, linhas acima, intervenção, um diálogo com o presidente, este, enfurecido, com a faca e o queijo na mão, pronto para cortar o queijo, e entregar a cabeça do ministro, numa bandeja, ao povo brasileiro, ou a este entregá-lo de corpo inteiro, e que o povo lhe concedesse o destino que entendesse lhe fosse merecido, que seria, provavelmente, o escalpelamento, seguido da imolação, em praça pública, numa exibição de selvageria e barbarismo inéditos nos anais da história da civilização; eram muitos os ministros do STF, e senadores e deputados federais, e governadores, e inúmeros outros personagens da política nacional, todos preocupados com o recrudescimento das tensões entre o presidente e, do STF, os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, principalmente agora que o presidente deu ao mundo uma demonstração de assustadora força popular, obrigando-os a reconhecê-lo o personagem mais poderoso da trama, e a brandirem a bandeira branca, ostensivamente, para que ninguém a ignorasse, e a pedirem por um diálogo com o presidente, e o ex-presidente Michel Temer eles o nomearam o interlocutor entre eles e o presidente; os políticos jogaram a toalha, derrotados, humilhados, ao reconhecerem, rendidos à verdade, que sagrou-se vitorioso do embate o presidente, que lhes exigiu a rendição unilateral, incondicional; todos os personagens envolvidos na trama se viram num ponto de inflexão: ou todos recuavam, cada qual de sua posição, ou o conflito será inevitável, e em tal momento estavam, todos, em pé de igualdade, e se fossem para o confronto este seria duradouro e sangrento, e seu fim apenas Deus conhecia, mas nenhum deles quis arcar com as consequências do recrudescimento das agressões mútuas, abrir a caixa de Pandora, e decidiram resolver o imbróglio confabulando amigavel, e diplomaticamente, até chegarem a um denominador comum; o presidente acovardou-se, recuou, de golpista, bruto, acanalhado, de espírito ditatorial, converteu-se em arregão, frouxo, covarde, afinal, tinha, em suas mãos, o poder de decidir sobre a vida e a morte de seus inimigos, mas, não querendo usá-lo, contemporizou; o ministro Alexandre de Moraes e o presidente, aliados, simularam hostilidade recíproca, o ministro a representar o papel de inimigo dos brasileiros, para estimular os bolsonaristas e outros brasileiros, todos indignados com a postura do ministro, a irem em favor do presidente, fortalecendo-o, para que ele simulasse a postura de quem pretendia romper de vez a corda, e assim obter concessões de seus inimigos sem que necessitasse ir às últimas consequências, o que faria, se o desejasse, agora com amplo e irrestrito apoio popular; o presidente pretendia, dentro das quatro linhas da constituição, destituir ministros do STF e punir senadores, deputados e governadores, mas recuou, no último instante, porque não contava com apoio dos militares; o presidente blefou, orquestrou seus movimentos desde o início, em acordo com uma ou duas pessoas. São muitas as hipóteses que dão as razões que levaram o presidente à publicação da Carta à Nação. Qual explica o que de fato se deu? Acredito que, além do presidente, apenas um (talvez dois) personagem conheça a história.

Após a publicação da Carta à Nação, testemunhou-se atos inusitados de agentes públicos, jornalistas, opositores do presidente, apoiadores dele, e supostos apoiadores dele, dentre estes os conservadores revolucionários (que são, na opinião deles mesmos, os mais esclarecidos e ilustrados e intelectualizados homens do universo – e que ninguém ouse emulá-los!), intelectuais que lhe descarregam, sem critério algum, críticas construtivas, pessoas que ambicionam governar o Brasil, mas sem o ônus da responsabilidade que o cargo de presidente cobra, e têm o desplante de sugerirem ao presidente a nomeação deste e daquele personagem para este e aquele cargo da burocracia federal, e atrabiliários, esbravejam, exibindo caras e bocas grotescas, e rodam a baiana, sempre que ele não lhes atende as sugestões, que soam como mandamentos divinos, e tampouco as demandas deles, muitas delas pessoais. Li, de um dos conservadores revolucionários – e não vejo razão para citar-lhe, aqui, o nome, pois entendo que é importante o tipo, e não o indíviduo -, um texto, curto, e risível, que dele exibe orgulhoso desdém pelos bolsonaristas e pelo presidente. Declara o distinto intelectual que são otárias as pessoas que foram às manifestações do dia 7 de Setembro; e em outro texto seu, recria a cena da Independência ou Morte, às margens do Ipiranga, imortalizada na famosa pintura de Pedro Américo, o presidente Jair Messias Bolsonaro fazendo a vez de Dom Pedro I e encerrando sua participação em tal episódio curvando-se, desavergonhada e covardemente, aos lusitanos. Além destes dois textos, li um terceiro, de outro conservador revolucionário – cujo nome dispenso-me de registrar, pelas razões expostas acima – que, aludindo a Winston Churchill, apequena o presidente brasileiro, que, tal qual Nevil Chamberlain, de constrangedora biografia, preferindo à guerra a vergonha, teria a guerra e a vergonha. O que se percebe em tais textos é o uso, por seus autores, de um verniz de erudição; comparam personagens de momentos históricos distintos, mirando um objetivo: difamar o presidente Jair Messias Bolsonaro. Desconsideraram os contextos, caso os conheçam, para emprestar um ar de seriedade às críticas que teceram ao presidente brasileiro, e de autoridade, autoridade de pessoas cultas, superiores porque capazes de evocar personagens e eventos históricos – críticas que, desataviadas de seus paramentos retóricos, revelam-se tão rasas e boçais quanto as que fazem ao presidente os inimigos dele -, e deles transparecem, não frustração e desilução, que pretendem exibir, porque suas sábias exortações não foram contempladas com a atenção presidencial, mas a raiva, que não conseguem conter sempre que contrariados em seus desejos. Entendo que tais conservadores revolucionários – e os conservadores revolucionários são uma legião – querem que o presidente realize o sonho deles, o de pôr abaixo o estamento burocrático, e que ele assuma – só, nu, e com a mão no bolso – as consequências de seu ato intemerato, supostamente heróico, e, ansioso, tenso, amedrontado, viva à espera da reação dos oponentes dele – não são intelectuais abnegados, que se limitam a observar e analisar os eventos; fosse assim, eles não esbravejariam tanto, com tanta raiva, que se esforçam, em vão, para conter, sempre que o presidente assume uma postura que não corresponde à que eles consideram a correta e toma uma decisão que não está em acordo com as diretrizes do manual deles. A postura deles, cômica. Eles se fazem de aliados e apoiadores do presidente, mas estão sempre constrangendo-o com  críticas construtivas, que não têm efeito prático, e teorias que a realidade da política brasileira do dia-a-dia rejeita.

E o que dizer dos inimigos do presidente? Até a véspera da publicação da Carta à Nação, eles declaravam aos quatro ventos que era ele um ditador, um golpista, que iria, agora, com a sua exibição de força popular (o que contrastava com a narrativa midiática que indicava que fôra pouca, minúscula, ou nenhuma, a adesão popular às manifestações, e, portanto, ao presidente, e com a que, há meses imprensa, institutos de pesquisa e políticos de oposição publicavam, a de que ele perdia apoio popular e aumentava-lhe a rejeição), exibindo suas garras anti-democráticas, autoritárias, golpistas, ditatoriais, totalitárias, encerrar, em definitivo, as atividades do STF, do Senado e da Câmara dos Deputados, e assumir plenos poderes, a sustentar-lhe a autoridade absoluta as Forças Armadas. A imprensa nacional e a internacional já tinham prontos os discursos de condenação às ações disruptivas do ditador brasileiro, para os inimigos dele um ser híbrido de Hitler e Mussolini, pior que ambos. A campanha difamatória estava pronta. Aguardavam os inimigos do presidente, ansiosos, a lamber os beiços de prazer, a prelibar a conquista, o presidente decidir pela prisão de algum ministro do STF, ou de algum governador; ele, todavia, se lhes opôs às expectativas, silenciando-os. Diante da inesperada, imprevisível decisão presidencial, restou-lhes alcunhá-lo covarde, frouxo, arregão, e difamá-lo. Era-lhes visível a frustração. Agora, não tinham eles o crime, o de atentado à Democracia, a imputar ao presidente Jair Messias Bolsonaro. E encerrou-se o capítulo 7 de Setembro de 2.021, cujo ato derradeiro foi o da Carta à Nação. E dá-se continuidade à história, agora em um novo capítulo.

Qual foi o ato inicial do capítulo que se encerrou com a publicação da Carta à Nação? Não sei. Em retrospectiva, observo os atos que recheiam tal capítulo, e vou retrocedendo até os estertores do mês de março do seminal ano de 2.021, ano emocionante, repleto de reviravoltas, fenômenos fantásticos, ano de vibrar de entusiasmo o coração dos homens, e vejo um ato: o da substituição, pelo presidente, do comando das três Forças Armadas. E, após retirar duas folhas do calendário, no mês de maio, dia 7, vejo o passeio, de moto, do presidente, este a levar a tiracolo o ministro da Infra-estrutura, Tarcísio Gomes de Freitas (Tarcisão do Asfalto, para os íntimos; Thorcísio, para os fãs de histórias em quadrinhos), na ponte de Abunã, sobre o Rio Madeira, fronteira do estado do Acre com o de Rondônia. Após estes dois atos, nota-se uma alteração na postura do presidente. Dias depois, a inspirá-los o que se viu sobre o Rio Madeira, apoiadores e admiradores do presidente o convidaram para um passeio de moto pelas largas e extensas avenidas de Brasília – e ele não se fez de rogado. Esta é a narrativa oficial. Pergunto-me, no entanto, se os apoiadores do presidente haviam, de antemão, confabulado, amistosamente, com membros da equipe presidencial a respeito do passeio em Brasília e dos outros que se lhe seguiriam, e antes, mesmo, do ato que o presidente e seu popular ministro protagonizaram na ponte que conecta o Acre à Rondônia (e não é tolice pensar que muitos motoqueiros pertencem à equipe do presidente). Emprestaram aos passeios de moto, fenômenos de popularidade, cores de ações espontâneas, a trama assumindo ares de iniciativa popular, e não de uma orquestração minuciosa de uma atividade política de grande envergadura, que ia em favor do presidente, sem que o indigitassem o seu patrocinador. Apenas os personagens que participaram da confecção da trama podem, dela, dar testemunhos fidedignos. Que tenham sido os passeios de moto ação política orquestrada pela equipe do presidente; que tenham sido atos de iniciativa popular de apoiadores e admiradores dele, o resultado o conhecemos, ou acreditamos conhecê-lo. 

Seguiu-se ao passeio de moto na ponte de Abunã o pelas avenidas do Distrito Federal, o na cidade do Rio de Janeiro, e outros, em outras capitais estaduais, e, enfim, o na cidade de São Paulo, o que mais contou com participantes. E os meios de comunicação – na verdade, de subversão – a declararem que foram os passeios de moto fracassos retumbantes e a apontarem, com o apoio de institutos de pesquisas, que perdia o presidente apoio popular e a alcunharem os bolsonaristas com os epitetos mais depreciativos que a maledicência humana jamais concebeu. Sucedendo-se os passeios de moto, o presidente intensifica as críticas, não ao STF, mas a dois de seus ministros neles concentrando-as, e sempre com mais vigor, criando, deles, no imaginário popular, a figura de criaturas repulsivas, e assim voltando para eles a atenção do povo, anula o discurso midiático, que lhe faz a caveira; e quanto mais ele eleva o tom de voz, quanto mais ele aumenta o engajamento popular nas manifestações a seu favor, mais a imprensa vende a idéia, que pouca gente compra, que ensina que é ele e os bolsonaristas anti-democráticos, e que está ele, com apoio deles, irrestrito, a preparar um golpe militar. O recrudescimento das tensões, os beligerantes a sinalizarem que não recuariam nem sequer um passo, a mídia o interpretava como ato de agressão exclusivo do presidente, ele, unicamente ele, a desrespeitar as instituições democráticas com o objetivo de provocar uma ruptura institucional, que faria da terra inferno.

E chegamos ao fatídico dia 7 de Setembro de 2.021. Na antevéspera, o presidente Jair Messias Bolsonaro visita o estado de Pernambuco, berço do seu principal rival nas eleições de 2.022, e multidão em festa acolhe-o de braços abertos, alvoroçada, entusiasmada. Na véspera publica-se uma carta, assinada por mais de uma centena de sumidades, intelectuais, ex-presidentes, ex-primeiro-ministros, todos de esquerda, a alertar o mundo para a corrosão da democracia brasileira, para as ameaças anti-democráticas que o presidente brasileiro representava às liberdades, e manifestantes, à noite, em Brasília, removem das avenidas as barricadas que impediam veículos de se aproximarem da Esplanada dos Ministérios e da dos Três Poderes – o trovejante soar das buzinas de caminhões e carros, ensurdecedor, petrificou os inimigos do presidente, que previram que ele executaria uma ação de força, e com amplo e irrestrito apoio popular, a escudarem-lo as Forças Armadas e a Polícia Militar. O presidente iria, enfim, converter-se no ditador que seus inimigos tanto temiam. Foi esta a conclusão à qual chegaram antes de os relógios baterem as vinte e quatro horas do dia 6 de Setembro. E no dia 7 de Setembro, discursa o presidente duas vezes, primeiro, em Brasília, diante de multidão de apoiadores, e, segundo, em São Paulo, cidade, na Avenida Paulista, para multidão maior do que aquela que o ouvira em Brasília. O sucesso de seus discursos, retumbante, inegável. E concentra o presidente as críticas, nestas duas ocasiões, a um ministro do STF, Alexandre de Moraes. Encerrado o dia 7 de Setembro, ao alvorecer do dia 8, amigos e inimigos do presidente aguardaram, ansiosos, impacientes, dele, o anúncio de medidas de força – os amigos as desejavam porque as entendiam justas e corretas, os inimigos as repudiavam, mas queriam que ele as tomasse para alcunhá-lo ditador e mover contra ele as engrenagens de organizações políticas e midiáticas mundiais. E o presidente publica a Carta à Nação. E a história assume contornos inesperados. O que se viu foi o espanto inicial de todos os brasileiros e a multiplicação milagrosa de explicações de infinitas tendências, das mais inusitadas origens, uma cornucópia de comentários, que revelavam, não segurança, inexistente, que muitos desejavam manifestar, mas confusão.

As explicações que aventaram gregos e troianos para a redação da Carta à Nação, inúmeras; e ninguém sabe, mesmo que, de peito estufado, diga que sabe, o que fez o presidente dá-la a público em vez de executar as medidas de força que os brasileiros dele esperávamos. Muitos são os que presumem saber o que vai dentro da cabeça do presidente. Não há viva alma que lhe antevira a decisão; mente quem diz que sabia, ou intuía, que ele enviaria à nação uma carta.

Antes, alcunhavam o presidente autoritário, antidemocrático, ditador e golpista; agora, chamam-lo arregão, covarde e frouxo. Sonharia quem esperasse que os inimigos dele reconhecessem que sempre mentiram-lhe a respeito, que lhe criaram imagem que não corresponde à realidade apenas para, cuspindo na imagem que lhe criaram, atacarem-lo, sem que ele possa se defender, e destruí-lo. O presidente quebrou-lhes a espinha dorsal, no último instante.

O presidente Jair Messias Bolsonaro não atendeu os anseios dos seus inimigos declarados, e aos dos dissimulados, que lhe apertam as mãos, amicíssimos, e lhe declaram lealdade imarcescível: o de atuar com força, destituindo de seus cargos ministros do STF e governadores. A Carta à Nação, ducha de água fria sobre os inimigos do presidente, que estavam em posicão de ataque, prontos para cantar aos quatro ventos que é ele um político inescrupuloso, um ditador, um golpista, agora a ilustrar-lhes a narrativa algo de concreto (e nada me tira, nem à fórceps, da cabeça, que estavam os conservadores revolucionários prontos para cuspir na cara do presidente a responsabilidade exclusiva pelo caos que se seguiria à ação de força presidencial, e abandoná-lo às hienas, que o atacariam, de todos os lados, com tal voracidade que ao ataque ele não resistiria um dia sequer).

Não sei o que se conversa no círculo de homens de confiança do presidente. Não sei quantos são os personagens nele inscritos. São poucos, presumo. Além do presidente, o general Heleno, penso, e, talvez, mais um. A Laurinha Bolsonaro, acredito – ela não é um homem, mas é da confiança de Jair Messias Bolsonaro.

E inicia-se outro capítulo da história do Brasil.

PT, Cuba, e charutos.

É o título deste meu artigo “PT, Cuba, e charutos.” Eu poderia intitulá-lo, também, e, penso, com mais propriedade, e com recheio joco-sério, assim: “Três bilhões e seiscentos milhões de motivos para o presidente Jair Messias Bolsonaro perdoar a dívida cubana.” O leitor entenderá a minha observação ao ler as palavras a seguir.
Diz o presidente Jair Messias Bolsonaro que, nos anos em que o PT desgovernava o Brasil, assinaram um contrato, pra lá de camarada, os governos do Brasil e de Cuba, contrato que contemplava a entrega, pelo Brasil, à Cuba – melhor, ao governo de Cuba – de algumas moedinhas que a cornucópia tupiniquim criava a partir do nada (é tal cornucópia um maquinismo de moto-perpétuo), moedinhas que nenhuma falta fariam ao Brasil, que é, afinal, todos sabemos, um país cujo povo nada em dinheiro tal qual o muquirana mais amado em todo o mundo, o Tio Patinhas. E todas as moedinhas, somadas, chegam a míseros três bilhões de reais e alguns cascalhos. Mas não temos os brasileiros com o que nos preocupar, afinal o governo do país caribenho, a ilha-cárcere, sob administração humanitária dos Castro, comprometeu-se a honrar, num prazo de vinte e cinco anos, o seu compromisso, entregando ao povo brasileiro charutos, muitos charutos, e não quaisquer charutos, como afirmam os detratores dos Castro, não! mas charutos cubanos, os mais cobiçados de todo o universo. Todavia, soube-se, o governo da ilha de Fidel, para surpresa de todos, decidiu não entregar ao Brasil os charutos prometidos. Algumas pessoas – contou-me um passarinho – exortaram o excelentíssimo presidente do Brasil, o senhor Jair Messias Bolsonaro, que desejava ir às vias de fato contra o governo cubano e cobrar-lhe a dívida acordada, a resignar-se, entender que o Brasil já tomou o calote, perdeu três bilhões de reais e alguns trocados. E que se desse por satisfeito, e feliz, pois, embora considerável o prejuízo brasileiro, deve-se saber que, caso o Brasil recebesse de Cuba os charutos, o prejuízo dos tupiniquins poderia se decuplicar, ou, pior ainda, elevar-se à enésima potência, afinal não se sabe quais são os ingredientes da “moeda” cubana.

Crise econômica. Genocídio. Cultura brasileira. Mengele. Picolé. Fim da epidemia. Notas breves.

Quem é o culpado pela crise econômica?
Quem é o culpado pela crise econômica na Argentina? O Alberto Férnandez? Não. O coronavírus.
Quem é o culpado pela crise econômica no Canadá? O Justin Trudeau? Não. O coronavírus.
Quem é o culpado pela crise econômica na França? O Emmanuel Macron? Não. O coronavírus.
Quem é o culpado pela crise econômica na Alemanha? A Ângela Merkel? Não. O coronavírus.
Quem é o culpado pela crise econômica nos Estados Unidos? Em 2.020, o Donald Trump; em 2.021, o coronavírus.
Quem é o culpado pela crise econômica no Brasil? O coronavírus? Não. O Bozonaro.
*
Quem é genocida?
Na Alemanha, muita gente morreu de covid.
No Canadá, muita gente morreu de covid.
Na Argentina, muita gente morreu de covid.
Na França, muita gente morreu de covid.
Nos Estados Unidos, em 2.020, Donald Trump, o genocida, matou muita gente, e, em 2.021, muita gente morreu de covid.
No Brasil, o Bozonaro, o genocida, matou muita gente.
*
Bolsonaro destrói brasileiríssimas educação e cultura.
Dizem por aí que o presidente Jair Messias Bolsonaro está destruindo a educação e a cultura brasileiras. Qual cultura está o presidente a destruir? A do Golden Shower?! A do Macaquinhos?! E ele está a destruir qual educação? A dos 50%, ou mais, dos alunos que, aos dezoito anos, de posse de diploma escolar do segundo grau, revelam-se incapazes de entender uma simples frase e de somar dois e dois?
*
Eleitores do Alckmin, vergonha.
Constrangedores os malabarismos retóricos dos eleitores do Geraldo Alckmin em favor do Lula e da aliança do ex-tucano com o líder máximo do PT. Os alckministas repreendem, com a elegância dos ostrogodos, os bolsonaristas, que apóiam o Mito, aliado do Centrão, e não se vexam de ver seu herói na companhia daquele que até ontem tinham na conta de ser abjeto, desprezível, iníquo, um crápula legítimo.
*
Josef Mengele ressurge.
Josef Mengele, seguidor da ciência, médico renomado, que segue o que as pesquisas indicam, atende, de segunda à sexta, das 7,00 às 11,00 e das 13,00 às 16,00, no seu consultório, situado, na rua Experimento Científico, número 666, décimo terceiro andar, sala número 171.
*
Um cientista sabe como dar fim à epidemia.
Declara o especialista, em conformidade com o que as pesquisas indicam: Para dar fim ao coronavírus, faz-se urgente cortar as asas de todos os tatus, animais mastodônticos, dotados, na extremidade anterior de seu corpanzil, de um nariz amangueirado, flexível, grosso, cheio de dobras, de uma cauda, pequena, na extremidade posterior do imenso corpo, de dois grandiosos dentes, e de duas asas, proeminências maleáveis encontradas, uma, à lateral direita da cabeça, outra, à lateral esquerda.

Fraudemia, insisto. Três doses. Vacinados e não-vacinados. Argentina. Bolsonaro e Tarcísio. Notas breves.

Navegando pelos mares revoltos da internet, aportei em alguns sites e redes sociais, e neles encontrei, para a minha surpresa, perdidos, tesouros. Aqui, dois deles, ambos nos Estados Unidos, a terra do Tio Sam: 1) No governo Biden (ou Brandon) morreram, de covid, mais gente do que no governo Trump. E sabe-se que atualmente boa parte da população americana está vacinada. Na comparação entre os dois governos, sai-se mal o do mister Joe. Para evitar constrangimento ao atual ocupante da Casa Branca, decidiu-se, agora, separar os mortes pela peste viral em dois grupos, o dos que morrem de covid e o dos que morrem com o covid, incluindo nas estatísticas de mortos por covid apenas os do primeiro grupo. Ora, mas não era isso o que se pedia desde o início da fraudemia?! E por que não se usa do mesmo critério para se dimensionar os casos de mortes durante o governo Trump?!; e, 2) Em alguns estados americanos, em decorrência da rápida, assustadoramente veloz, disseminação da variante ômicron, muitos americanos infectados, oficialmente infectados, com o resultado do teste em mãos, foram obrigados a se licenciarem do trabalho por alguns dias, mas foram tantos os afastados de suas tarefas profissionais que alguns setores da economia e dos serviços públicos que entenderam as autoridades correto os infectados assintomáticos exercerem suas tarefas, pois eles, por não apresentarem sintomas, não estão doentes, estão aptos, portanto, ao trabalho, e não transmitem o vírus. Ora, mas era isso o que se diz, com todas as letras, desde o início da fraudemia. Mas, não se sabe porque cargas-d’água, insistia-se, até então, em trancar os assintomáticos em suas casas. O que mudou? A queda da popularidade do presidente Biden. A disseminação da variante ômicron foi tão rápida que põe à pique a economia americana, causando um estrago, que não é desprezível, na imagem do Brandon (ou Biden), e, por consequência, do Partido Democrata. Imagine-se o impacto de uma crise econômica nas eleições legislativas americanas deste ano!

*

Multiplicam-se os casos isolados de pessoas que, vacinadas com três doses da poção da imortalidade, foram infectadas pelo coronavírus, e os dos que sofrem de efeitos colaterais por ela provocados, e os de mortes.

*

Até há não muito tempo eram consideradas pessoas não-vacinadas aquelas que não haviam tomado nenhuma dose da poção milagrosa; agora, todas as que não tomaram, em alguns países, a dose de reforço, e, em outros, a quarta dose. Não está longe o dia em que serão tidas como não-vacinadas as pessoas que tiveram injetadas no corpo 2.789 doses, e não 2.790. Alteram ao bel-prazer o estatuto ontológico dos não-vacinados os especialistas e cientistas e médicos renomados – conforme o que as pesquisas indicam, é óbvio.

*

No ano passado, para estabelecer a quarentena, classificaram as atividades econômicas em essenciais e não-essenciais, e os sábios políticos consideraram de bom tom proibir o exercício das não-essenciais. Hoje, classificam as pessoas, segregando-as, em dois grupos, o dos vacinados e o dos não-vacinados. Faltam quantos dias para os políticos proibirem a existência dos não-vacinados?! Parece-me que, se não houver uma força em sentido contrário, poucos, afinal alguns países já construíram o que se chama eufemisticamente de campo de reeducação, ou campo de quarentena. E não posso deixar de evocar Djokovik. Ou Dkojovic?! Ou Dvokojik? Pausa, para uma pesquisa rápida em site de busca: É Novak Djokovic. Tenista sérvio, atualmente o melhor do mundo. Ele está comendo, na Austrália, o pão que o diabo amassou. Pegaram-lo pra Cristo. E o espantoso é que muita gente está a catarrar-lhe na cara.

*

Não saiu da memória dos homens a política, elogiada por onze de cada dez brasileiros anti-bolsonaristas, de lockdown implementada, na Argentina, por Alberto Fernandez. Dizia-se, então, que eram os argentinos sortudos por contarem com um presidente que zela pela saúde deles, e azarados eram os brasileiros, caídos nas mãos do tal de Bozo. Trancorridos dois anos, a Argentina colheu, em 2.020, inflação anual de 35%, e, em 2.021, de 50%. E não surpreende ninguém os antibolsonaristas silenciam a respeito. Ah! Eu disse que não saiu na memória dos homens aqueles dias; corrijo-me, sair, saiu, e convenientemente, da dos antibolsobaristas.

*

O presidente Jair Messias Bolsonaro tem um nome para o estado de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas, atual ministro da infra-estrutura, o Thórcísio, o Tarcisão do Asfalto. Todo e qualquer apoiador do presidente, todo e qualquer homem público, que, dizendo-se inimigo das esquerdas, insistir outro nome para os paulistas está a trabalhar para o inimigo.

Acabou a mamata. A velha e a nova política. Comparações históricas. E outras notas breves.

 

Anti-bolsonaristas dão notícia – não vem ao caso, aqui, se procedem, ou não – de que membros do Governo Federal fizeram uso particular de recursos públicos e destacam, indignados: “Acabou a mamata?”, querendo com tal interrogação dizer que o presidente Jair Messias Bolsonaro conserva os vícios, já lendários, folclóricos, de uma cultura milenar, dos homens públicos brasileiros. Ora, tais pessoas, tão indignadas com o descaso com o dinheiro público pelo atual chefe da nação, ao perguntarem se a mamata acabou, indicando com tal pergunta que é o uso do dinheiro público destinado para uso particular hábito antigo no Brasil, reconhecem que tal prática já existia antes de Jair Messias Bolsonaro assumir a presidência. Pergunto-me, então, porque não se indignavam com tal cultura política nacional dos antecessores do presidente e com a de outros políticos e porque elogiam muitos deles.

*

Não há velha política, tampouco nova política. Há política. Mas para se diferenciarem da política, a velha, associada à corrupção, insistem alguns políticos em dizem que fazem uma política nova, que da velha se distingue. Aí eu leio e escuto gente declarando que o presidente Jair Messias Bolsonaro faz a nova política e é tal qual os políticos da velha política e defendendo políticos da velha política, sem perceber que estão defendendo a velha política.

*

Após o dia 7 de Setembro de 2.021, alguns intelectuais da direita conservadora revolucionária que ambiciona pôr no chão o tal estamento burocrático, desiludidos, frustrados, ao verem que o presidente Jair Messias Bolsonaro não lhes realizou o sonho tão acalentado, numa postura à criatura de cabelos multicoloridos imitadora de foca, comparam-lo com Dom Pedro I e Winston Churchill e, usando de imaginação pobre, reescrevem a história, emprestando-lhe um ar ficcional, destes dois nobres personagens da História, substituindo-os, em momentos emblemáticos da História Universal, o primeiro, no Grito da Independência, o segundo, na ação contra Hitler, por Jair Messias Bolsonaro, este a prosternar-se, pusilânime, às margens do Ipiranga, diante da Coroa Portuguesa, e, de cabeça abaixada, acovardado, a exercer no cenário mundial, uma política de apaziguamento com o Terceiro Reich. Tais intelectuais usam de uma demão de cultura para ocultar do público a mentalidade mesquinha e a má-vontade que os movem.

*

Há anti-petistas… corrijo-me: havia anti-petistas… Melhor: certas pessoas, que se diziam anti-petistas, por conveniência, ou por sentimento sincero, afirmavam, antes de Jair Messias Bolsonaro assumir a presidência do Brasil, no dia 1 de Janeiro de 2019, que o PT havia destruído a Educação no Brasil; que o PT havia feito da Cultura brasileira uma imundície; que os petistas eram corruptos, os seres mais corruptos da face da Terra; que os petistas eram vagabundos; que o PT estava destruíndo o Brasil; que o PT, enfim, era o que havia de pior no universo. Mas bastou Jair Messias Bolsonaro assumir a presidência, que no dia 2 de Janeiro de 2019, limparam a imagem do PT, agora modelo de partido democrático, que sabe dialogar com os seus antigos – agora ex – oponentes na arena política, o PSDB, e que foi o presidente Jair Messias Bolsonaro quem destruiu a Educação e a Cultura brasileiras; e que é ele o homem mais corrupto do universo, e coisa e tal.

*

Recordo-me do dia em que o presidente Jair Messias Bolsonaro deu a público, em uma de suas contas de redes social, um vídeo que exibia dois marmanjos a performancizarem, é assim que dizem?, uma obra artística, o tal Golden Shower, que consiste em um dos marmanjos a mijar na cabeça do outro. De início os críticos do presidente descarregaram contra ele uma catadupa de impropérios, alcunhando-o estúpido e grosseiro por exibir coisa tão degradante, tão repulsiva, tão imoral, mas tão logo elevaram-se as vozes dos, como se diz?, vanguardistas, especialistas em arte moderna, passaram a condená-lo por exibir uma obra de arte indicando-a como se uma imundície fosse e o alcunharam estúpido e grosseiro porque ele nada entende de arte. Além dos anti-bolsonaristas que ocupam cadeiras nas empresas de comunicação fazerem papel tão vergonhoso; além da manifestação pública de estudiosos que entendem ser arte um… um… não sei o que; além da ousadia desavergonhada de pessoas que se exibem desinibidamente, a expôr, em locais públicos de grande aglomeração de pessoas, as suas, assim dizia-se em tempos imemoriais, vergonhas, houve aqueles, anti-bolsonaristas, que declaram, indignados, que o presidente Jair Messias Bolsonaro havia incorrido num ato, ao exibir o vídeo, inconsequente, irresponsável, que prejudicava a imagem do Brasil no exterior, mas nenhuma censura fizeram às pessoas que promoveram espetáculo tão grotesco, e não se perguntaram há quantos anos tal coisa se exibe no Brasil e por que as autoridades públicas jamais se manifestaram publicamente a respeito.

Além das palavras que vão expostas no primeiro parágrafo, tenho de registrar: se se considera arte o Golden Shower, então o Golden Shower, uma arte, pode ser ensinada, nas escolas, pelos professores de arte, nas aulas de arte; e se um pai de um aluno, ao saber que seu filho está exposto a tal arte, ir tirar satisfações com o professor, ele, o pai, será escrachado, ridicularizado, apodado ignorante e estúpido e condenado à prisão perpétua.

O presidente Jair Messias Bolsonaro, com a exibição de tal vídeo, fez um imenso bem aos brasileiros: expõe a podridão da intelectualidade e dos profissionais da imprensa, e da classe artística, e de uma parcela da sociedade brasileira, corrompida pela intelectualidade e pela imprensa.

*

Os isentões são de uma parcialidade explícita, embora digam o contrário. Nas críticas ao presidente Jair Messias Bolsonaro eles as dedicam a ele, exclusivamente a ele, e nas críticas ao ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (ou ao PT) nelas incluem o presidente Jair Messias Bolsonaro e, salientam, dizem não serem a favor nem de um nem do outro.

Bolsonaro, o iconoclasta. Bolsonaro, o herege. Desmascarados. Notas breves.

E o Bolsonaro, hein!? Ele se recusa a idolatrar os novos sacerdotes, cuja indumentária resume-se a jaleco branco, sapatos brancos, meias brancas; roupas brancas, enfim. E ele não se dispõe a entrar, e humildemente, de cabeça baixa, nos novos templos sagrados, os laboratórios farmacêuticos, e prosternar-se diante da Santa Vacina. Herege! Ímpio! Iconoclasta incivil! Impio! Ele rejeita o decálogo cientificista desumanizador.

*

E na Europa Bolsonaro, o herege confesso, não-vacinado, num tetê-a-tetê com ninguém mais, ninguém menos, que Tedros Adhanom. Ambos sem máscara. E acompanhados de outros personagens, todos sem máscara.

Nas últimas reuniões de líderes mundiais o que mais se viu foram homens poderosos, todos sem máscara, em ambientes fechados, a abraçarem-se, a confabularem sem respeitar o distanciamento social, a divertirem-se, e a zombarem da cara de todas as pessoas que se sacrificam pelo bem comum – assim pensam os abnegados cidadãos responsáveis que neste tempo dramático arvoraram-se autoridades morais.

Bozonaro, o malvadão. O vírus tem inteligência artificial. Notas breves.

Em 2020 e 2021 um vírus super-mega-hiper mortal ataca a Terra, e mata milhões de pessoas, em todos os países, menos no Brasil, onde as mortes atribuídas ao vírus foram causadas pelo presidente Bozonaro. E não contente com a mortandade, destruiu o vírus a economia de todos os países, menos a do Brasil, que foi destruída pelo Bozonaro.
*
O vírus, que defende agenda política de esquerda, livrou a cara dos heróis dos esquerdistas, Macron, Fernandez, Trudeau e Merkel. Na França, na Argentina, no Canadá e na Alemanha, ele faz e acontece, e assume as responsabilidades pelos seus atos inconsequentes; já no Brasil – e nos Estados Unidos durante o governo Trump -, ele se faz de joão-sem-braço.
*
O vírus hiper mortal está nas ruas, matando muita gente. Para impedi-lo de matar gente à beça devem as pessoas que executam atividades ditas não-essenciais viverem – se puderem – trancadas em suas casas até a chegada da vacina, poção mágica que dará fim ao vírus. Enquanto isso, as pessoas que executam atividades ditas essenciais podem executá-las livremente, respeitando, obviamente, protocolos sanitários. Ora, se o vírus está nas ruas, então as pessoas que executam atividades ditas essenciais, saídas à rua, foram irresponsáveis, pois, expondo-se ao vírus, arriscaram-se a serem por ele infectadas, e muitas o foram, de fato, e muitas das infectadas, assintomáticas, não vindo a saber que carregavam consigo o vírus, o transmitiram (caso proceda o discurso que ensina que as pessoas assintomáticas transmitem o vírus) para outras pessoas. Podem tais pessoas alegarem que seguiram protocolos sanitários; ora, se seguindo os protocolos sanitários, puderam exercer atividades fora de suas casas, por que as pessoas que exercem as ditas atividades não-essenciais não puderam exercer as suas, desde que também respeitassem os protocolos sanitários, os mesmos que as pessoas que executam as ditas atividades essenciais respeitaram? Será que o vírus só ataca pessoas que executam atividades ditas não-essenciais?
Eu ouvi muita gente – não poucas profissionais das áreas ditas essenciais – condenar as pessoas que, de áreas profissionais ditas não-essenciais foram irresponsáveis ao se recusarem a respeitar a quarentena, retirarem-se de suas casas e irem às ruas. Ora, o vírus ataca as pessoas que, consideradas de profissões ditas não-essenciais, saem às ruas, mas não as que saíram à rua para o exercício de suas atividades ditas essenciais? O vírus sabe distinguir as duas categorias de pessoas, as profissionais de atividades ditas essenciais das profissionais de atividades ditas não-essenciais? Tem o vírus inteligência artificial, com certeza.

Café, sim; Coca-Cola, não. Foi-se o Aquecimento Global. Pelé. Dinossauros e pernilongos. E outras notas breves.

Café, sim; Coca-Cola, não.

Um historiador brasileiro de primeira grandeza chama-nos a atenção para uma atitude, inusitada de tão grosseira e estúpida, do presidente do Brasil, o senhor Jair Messias Bolsonaro: o distinto chefe-de-estado nacional recusou a oferta que lhe fizeram de beber algumas doses de café, produto genuinamente nacional, e optou por beber um refrigerante genuinamente estadunidense, a Coca-Cola. Lastimável, a conduta desdenhosa do presidente da maior nação da América do Sul. Lastimável! É mais um exemplo da mentalidade nazista, fascista, genocida, machista, racista, supremacista branco do presidente Jair Messias Bolsonaro, um homem deplorável. Impítima! Que ele seja julgado, e condenado, por crimes contra a humanidade e a Terra, no Tribunal de Haia!

*

Foi-se o aquecimento global. O monstro, agora, é outro.

Exterminaram os ambientalistas o Aquecimento Global. Ameaça-nos, agora, a Mudanças Climáticas; e para dar-lhe fim os ambientalistas querem reduzir a emissão do CO2, que lhe serve de alimento e fortalece, obrigatoriamente, o extino Aquecimento Global. Não entendi patavinas, nem bulhufas, do imbróglio. Afinal, exterminaram, ou não, o Aquecimento Global, anunciador do apocalipse?! Ou é a Mudanças Climáticas avatar feminino do Aquecimento Global?! ou o Aquecimento Global reencarnado numa entidade feminina?! Neste mundo de “cancelamentos” até os fenômenos naturais apocalípticos masculinos são assassinados para que assumam o protagonismo da história seus correspondentes femininos, sempre superiores, mais poderosos. Que mundo infernal!

*

Reza a lenda que Pelé, o nosso querido Edson Arantes do Nascimento, é canhoto. Ora, se é verdade que é ele canhoto, então o jornalista cuja reportagem, publicada ontem, li hoje, mentiu ao dá-lo como um futebolista destro no manejo da bola. Afinal, é Pelé canhoto, ou destro? Ou ambidestro?

*

… e um meteoro caiu, no México – e tenha de ser no México!? Não podia ser na Argentina?! -, em uma era em que mexicanos e brasileiros ainda não haviam erguido um muro na fronteira entre México e Brasil, e dizimou os dinossauros. Que meteoro inconsequente! Por que ele não exterminou os pernilongos? À noite, eu, deitado na cama e os menestréis de pernas longas a atanazarem-me e a atazanarem-me com as suas melodiosas canções e trovas campestres. E eu, sem pregar o olho, a atravessar, em branco, ou em claro, tanto faz, a noite. Fossem os pernilongos varridos para outro plano existencial, e não os dinossauros, hoje admiraríamos estes monstrengos a perambularem modorrentamente pela vastidão dos continentes, e poderíamos dormir tranquilos e sonhar com os anjos.

*

Os carinhas apoiaram, incondicionalmente, a política do Fique Em Casa e afirmaram ser tal política indispensável para se combater a disseminação do coronavírus. Depois de meses, a crise econômica batendo na porta, os preços de alimentos e combustíveis a elevarem-se consideravelmente, além de não verem uma relação de causa e efeito entre a política que defenderam com unhas e dentes e a crise econômica, culpam o presidente Jair Messias Bolsonaro pela crise econômica, sendo que ele não promoveu o Fique Em Casa, e esquecem-se que as medidas de restrições às atividades econômicas foram decretadas tendo-se em mente a redução dos casos de mortes, durante a epidemia, pelo vírus. Ora, para tais pessoas foram essenciais tais medidas, e a crise destas advinda foi por elas prevista, afinal, elas esgoelavam em tom autoritário “Fique Em Casa; a economia a gente vê depois.”, cientes de que o impacto na economia da política insana (que elas consideravam sensata) que defenderam seria devastador; se não, por que o “a economia a gente vê depois.”?

Mas entendo que a percepção que os anti-bolsonaristas tem da economia nacional está distante da realidade, talvez num universo paralelo. A economia brasileira enfrenta alguns percalços, é inegável, mas não vai de mal a pior, como dizem por aí os anti-bolsonaristas, que empreendem uma aventura política de terra arrasada e querem fazer as pessoas verem o que não existe. Se a economia nacional não vai de vento em popa, e não vai – e não podemos desconsiderar as adversidades que o mundo enfrentou nestes últimos vinte e quatro meses -, também não está indo à bancarrota; acredito, mesmo, que cresce, e agora alicerçada em bases mais sólidas.

*

Intelectuais da direita conservadora querem que o presidente Jair Messias Bolsonaro jogue por terra o tal de estamento burocrático, este glutão paquidérmico, um primo distante do Gargântua, que está, há séculos, a devorar os brasileiros. De mentalidade revolucionária, românticos aguerridos, bravos e destemidos, heroicamente dispostos a sacrificarem sangue alheio, não dizem o que o presidente Jair Messias Bolsonaro teria de fazer após o desmantelamento do tal estamento burocrático, e tampouco o que os de tal estamento e seus aliados instalados aqui em terras brasileiras e os estabelecidos no exterior fariam se iriam reagir ao desmonte do edifício que lhes faz a fortuna, ou se se resignariam, prosternados, impotentes, diante do presidente Jair Messias Bolsonaro, que lhes tirara o osso da boca. Nesta hora, penso no Garrincha: “Combinaram com os russos?”

Com tais amigos, o presidente Jair Messias Bolsonaro não precisa de inimigos.

Dentre tais intelectuais, há os que declaram que de nada adianta o presidente Jair Messia Bolsonaro indicar fulano, ou beltrano, conservadores, para o STF, porque eles são produtos do estamento burocrático – ou sistema, ou mecanismo. E o que propõem tais criaturas? Que o presidente Jair Messias Bolsonaro destrua o estamento burocrático, e, depois, crie um novo STF, cujas onze cadeiras seriam ocupadas por ministros conservadores. Quanta sabedoria! E de onde sairiam tais ministros? Das escolas do novo estamento burocrático, agora conservador. E quando? Eis a questão. Quanto tempo é preciso para se erguer novo estamento burocrático, agora conservador? E até lá como fica a justiça no Brasil? Viverá os brasileiros sob um regime anárquico? Se é que se pode viver em tal regime. E os inimigos do Jair Messias Bolsonaro ficariam, de braços cruzados, a admirá-lo a reconstruir o Brasil como lhe desse na telha?

Bolsonaro, a economia, o “depois”. O “depois” é agora. E Putin. E a China. Notas breves.

E para surpresa de ninguém os antibolsonaristas, que até outro dia esgoelavam “Fique em Casa; a economia a gente vê depois.”, agora que o “depois” chegou jogam a batata quente nas mãos do presidente Jair Messias Bolsonaro, e, não se pode deixar de dizer, do ministro Paulo Guedes. Mas foram as medidas do presidente que prejudicaram a economia brasileira? Não. Foram as de governadores e prefeitos, que restringiram atividades comerciais ditas não-essenciais e paralisaram, por meses, a economia de estados e cidades inteiras em nome de uma política sanitária, que se revelou inconsequente – para dizer o mínimo. E tais medidas não tiverem impacto negativo no desempenho da economia nacional? Segundo os inimigos do presidente Bolsonaro, não. E não estou me referindo apenas aos famosos inimigos dele. Para os antibolsonaristas, é o presidente culpado pelo aumento do preço dos combustíveis e dos alimentos – e no mundo inteiro, é óbvio, pois tal fenômeno está a se ver em todos os países. E a China enfrenta uma crise no setor de energia que está a prejudicar imensamente a produção de inúmeros produtos naquele país cuja matriz energética depende imensamente do carvão, que está em estoque mínimo, o que obrigou o governo chinês a paralisar inúmeras fábricas, produzindo, consequentemente, crise de abastecimento de produtos em todo o mundo. E as energias limpas não suprem a demanda; não substituem a “energia suja”. E a Europa está nas mãos de Vladimir Putin, que pode fechar a torneira dos gasodutos se assim o desejar. Brincaram de “Fique em Casa”, uma espécie de esconde-esconde dos adultos; e agora que a brincadeira está para acabar – presume-se – os que se divertiram durante estes quase dois anos não querem saber de assumir suas responsabilidades – é mais fácil apontar o dedo acusador para o presidente Jair Messias Bolsonaro.

Governo Bolsonaro, ações louváveis. Borba Gato. E outras notas breves.

Em entrevista, de um pouco mais de onze minutos, à TV Asa Branca, de Caruaru, Pernambuco, o presidente Jair Messias Bolsonaro diz que vivemos os brasileiros dias difíceis; não esquece do Auxílio Emergencial; critica, uma vez mais, a política do “Fique Em Casa, a Economia a Gente vê Depois”; condena os governadores que decretaram quarentenas, lockdowns, restrições às atividades comerciais; e chama a atenção para o endividamento público brasileiro e para a retomada das atividades do setor turístico, não se esquecendo de mencionar que o ramo de hotéis, restaurantes e bares foram imensamente afetados pelas políticas restritivas, arbitrárias, de governadores e prefeitos. E elogia o ministro do turismo, Gilson Machado. E fala da Amazônia, pólo turístico de imenso potencial. E mais uma vez, trata do Pronampe – programa econômico de auxílio às micros e pequenas empresas -, que garantiu a preservação de doze milhões de empregos. E apresenta dados do índice de empregos, no Brasil, em 2019, 2020 e 2021, com a adição de um detalhe de chamar a atenção: que ao encerramento do ano de 2020, apresentava o Brasil taxa de ocupação de trabalhadores empregados superior à de 2019, e que em 2021, a economia do Brasil recupera-se do baque sofrido em 2020. Faz menção à lei de liberdade econômica, o Governo Federal a desregulamentar vários setores da economia e reduzir a burocracia, políticas, estas, que resultaram em melhorias à saúde financeira de muitas empresas. E afirma que é sua política “tirar o Estado do cangote do trabalhador.”
Ao ouvir o presidente Jair Messias Bolsonaro, obrigo-me a concluir que ele não é o espantalho que dizem que ele é os anti-bolsonaristas. É ele um homem íntegro, seguro de si, determinado, que está, na medida do possível, a cumprir, ao contrário do que dizem os ex-bolsonaristas que nunca foram bolsonaristas, o compromisso que assumiu com os brasileiros. É ele um homem de autoridade moral inegável, de admirável força de vontade, de sinceridade ímpar, de coragem ilimitada; não é um sujeito inconsequente, que almeja solucionar, num ímpeto de abnegação romântica irresponsável e insana, a assumir a figura de um voluntarioso herói aguerrido; não tem a mentalidade revolucionária que move muitos de seus supostos aliados, intelectuais em particular, que já se revelaram seus inimigos viscerais, mas como tais não se declaram, e que estão sempre a constrangê-lo a assumir posturas condizentes, não com as de um chefe de estado, que “joga dentro das quatro linhas da Constituição”, e sim com as de um líder revolucionário, que tem de pôr no chão as instituições nacionais, demolir o que eles chamam de estamento burocrático – mas os abnegados intelectuais que se oferecem para conselheiros (melhor, tutores, pois, presunçosos, se têm na categoria de sábios omnissapientes, e para eles é o presidente do Brasil um tipinho reles, tolo, ignorante, milico positivista abrutalhado que não sabe combater o comunismo, de minúscula – ou nenhuma – inteligência e grandiosa estúpidez) do presidente não dizem o que será erguido no lugar das instituições postas abaixo.


*

O jornal Gazeta do Povo publica, dia 16/10/2020, o artigo “Borba Gato e o Delírio Arianista da Esquerda Paulistana”, de Bruna Frascolla Bloise. Borba Gato, diz a autora, um bandeirante, era caboclo; e tal qual os seus irmãos de aventuras, homem independente, insubmisso. E além de outros dados a respeito de tão lendário personagem, a autora diz que é o papa do racialismo brasileiro Abdias do Nascimento, para quem é genocídio a miscigenação.


*


A Secom, Secretaria de Comunicação (do Governo Federal), informa, no dia 29/07/2021, que o governo prorrogou as ações da Força Nacional no Amazonas, a Operação Arpão I, e na terra dos índios Apyterewa, localizada no estado do Pará, e nas proximidades do Rio Negro e do Solimões, os atos em apoio à Funai e contra grupos organizados de exploração ambiental e narcotraficantes.


*


Consideram-se de vanguarda, portanto, superioras, pessoas que acreditam que as maquininhas eletrônicas de votação são o suprassumo da tecnologia, o ponto mâximo jamais atingido pela ciência universal, e que qualquer alteração em sua configuração configura-se um retrocesso tecnológico, em especial se se pedir que ela imprima em papel o voto. Aldo Lebed critica, com sarcasmo ferino, um professor universitário que se opõe à proposta de urna auditável. Impressiona-me a estupidez das pessoas que se opõem ao voto impresso, induzidos pela mídia, que se esmera, numa campanha patética, contrária à urna auditável e ao voto impresso, usando argumentos os mais estapafúrdios.


*


Devo respeitar o Luciano Hang?
Se levasse ao pé da letra as lições que recebi de meus pais e avós, eu jamais respeitaria o Luciano Hang: “Sergio, respeite, sempre, quem tem mais cabelos brancos do que você.”


*


O que eu sei de vírus!? O suficiente para entender que os vírus não seguem orientações da Organização Mundial da Saúde, e tampouco respeitam decretos de presidentes, governadores e prefeitos.

Governo Bolsonaro na pandemia. Violência psicológica.Notas breves.

Persiste o presidente Jair Messias Bolsonaro em falar das ações do Governo Federal durante o um ano e quatro meses do que se convencionou chamar Pandemia (ou Epidemia) do coronavírus (ou Covid-19), evento, este, profetizaram renomados médicos e cientistas, cataclísmico, que culminaria na extinção da civilização se medidas drásticas de contenção da disseminação do vírus não fossem implementadas. E o que se viu? Que os países que as implementaram colheram os mesmos frutos que os que não as implementaram – para tristeza de muitos, não foi o fim-do-mundo – e enfrentam crises social e econômica significativas, a antecipar recrudescimento das que as antecediam e a abrir caminho para a ereção de estados totalitários (o que já se vê em alguns países devido às revoltas populares – em especial nos países que decretaram rigorosas medidas restritivas) – os, lentos em uns, acelerados, em outros, movimentos nesta direção estão explícitos nos decretos governamentais de cerceamento das liberdades básicas, um deles o da exigência de Passaporte Sanitário, que rouba aos cidadãos o direito ao livre exercício das suas liberdades elementares.

Em publicação, de 29/07/21, em sua conta no Facebook, o presidente, mais uma vez, insistindo em registrar as ações do seu governo, diz o que muitos estamos cansados de ouvir, mas que deve ser dito inúmeras vezes, para que as mentiras não prevaleçam. Há uma guerra de narrativas; e as narrativas mentirosas têm de ser confrontadas com as verdadeiras. Enviou o Governo Federal recursos aos governos estaduais e municipais – é esta uma informação que todo brasileiro tem de conhecer, muitos, todavia, decidiram ignorá-la porque preferem adotar como verdadeira a oposta, prejudicial à imagem do presidente Jair Messias Bolsonaro. E segue o presidente do Brasil: aeronaves da FAB transportaram remédios e vacinas, e pessoas, para o estado do Amazonas, e a outros estados; em auxílio às pequenas e micro empresas criou o Governo Federal o Pronampe, que, evitando a bancarrota de milhares de empresas, conservou milhões de empregos – diretos e indiretos -, preservando, assim, aquecida, a economia, apesar da perda do poder aquisitivo do brasileiro nestes dezesseis meses – e os mais tarimbados, talentosos, criativos, souberam usar, sabiamente, os poucos recursos que lhes chegaram às mãos em equipamentos e máquinas eficientes, e enveredaram por novos mercados, pouco explorados, preparando-se, agora, à retomada da economia, para conquistar novos clientes e progredirem rapidamente. Outro ponto importante do texto presidencial prende-se na absurda, irresponsável, postura, inconsequente, da mídia, que demonizou remédios que poderiam ser ministrados às pessoas que, infectadas pelo coronavírus, e encontrando-se no estágio inicial da doença, manifestaram os sintomas; e adicionou comentários acerca do direito do médico ao livre exercício da Medicina, o médico atuando, para o benefício dos seus pacientes, e com a aquiescência deles, prescrever-lhes remédios off-label (fora da bula), remédios que eles consideram apropriados ao tratamento, remédios que, sabe-se, hoje, são de uso disseminado pelos que adoecem (e por aqueles que querem se precaver caso venham a ser pelo vírus infectados) de gripe causada pelo vírus que, dizem, veio de Wuhan.

E insiste o presidente Jair Messias Bolsonaro em informar que o Supremo Tribunal Federal delegou a prefeitos e governadores a responsabilidade de decretar as políticas que eles entendessem apropriadas para o efetivo e correto enfrentamento do surto epidêmico do coronavírus; coube, portanto, a eles, e não ao presidente do Brasil, a decisão de decretar quarentenas e lockdowns; e não foram poucos prefeitos e governadores que determinaram pela obrigatoriedade do uso de máscaras, pelo fechamento do comércio, pela aplicação de multas a empresários que ousassem erguer as portas de seus estabelecimentos comerciais e trabalhar, pela prisão de pessoas que caminhassem, sós, em praças, avenidas, ao largo de praias, nas areias das praias, e pela imposição de toques de recolher, medidas, todas estas, que prejudicaram milhões de brasileiros. E não deixou de lembrar que o Governo Federal recorreu, em duas ocasiões, ao STF, solicitando aos seus ministros que reconhecessem inconstitucionais os decretos dos governadores, que, alegou o Governo Federal, desrespeitam o artigo quinto da Constituição Federal, e em tais pedidos o Governo Federal não foi atendido. E as últimas palavras do presidente Jair Messias Bolsonaro ele as usa para dizer que o seu governo respeitou a liberdade individual de ir e vir, e a de expressão – no que diz a verdade, mas os seus inimigos insistem em negar-lha, e a dá-lo ao público, que, tudo indica, não está comprando tal narrativa, como um sujeito autoritário.

Faz bem o presidente Jair Messias Bolsonaro vir a público expôr as ações do seu governo para confrontar as narrativas mentirosas que os seus inimigos, que são inimigos dos brasileiros, lhes assacam com virulência desmedida.

*

Em seu texto do dia 30/07/2021, publicado no Facebook, Flávio Lindolfo Sobral fala do mal que a lei que trata da violência psicológica contra a mulher pode vir a causar aos brasileiros. Li um outro texto, de outro autor (cujo nome não anotei), que acredita que tal lei, sancionada, e sem vetos, pelo presidente Jair Messias Bolsonaro, redundará numa guerra sexista no Brasil, afinal “violência psicológica” é algo extremamente subjetivo, de larga acepção, ilimitada, e qualquer coisa dada como violência psicológica, se assim entender o juiz de plantão, assim será a acusação entendida. Ai do homem que se atrever a chamar de feiosa um exemplar feminino da espécie humana desprovido de atributos que excitam a imaginação masculina, que é bem fértil em tal matéria. E que jamais o homem diga a uma feiosa que ela é uma baranga. Chamá-la de mocréia!? Nem pensar! Tribufu!? Prisão perpétua ao machista.

Bolsonaro na ONU: sucesso retumbante.

Ontem, dia 21 de Setembro de 2021, o presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, no discurso de abertura da reunião anual da Organização das Nações Unidas, apresentou, assenhoreado pela ambição, nobre e humana, de um aguerrido, destemido, voluntarioso e abnegado combatente da Democracia, da Liberdade e da Justiça, em um pouco mais de dez minutos, numa oratória límpida, num estilo primoroso, com a dicção dos mestres helênicos da arte do bem falar, numa retórica vazada nos moldes clássicos do exercício correto e justo da exposição das idéias, as suas políticas, que se coadunam com as dos vanguardistas do espírito humano; e encerrado o seu discurso, ovacionaram-lo e o aplaudiram, estrondosamente, em pé, os chefes-de-estado presentes no prédio da Organização das Nações Unidas, todos eles, enquanto ele discursava, a ouvirem-lo, atentamente, embevecidos, alumbrados com a ínsigne postura do líder nato da nação mais rica e próspera da América do Sul; e os efusivos aplausos os congêneres do representante brasileiro os estenderam até se cansarem, durante quarenta e quatro minutos. Nas horas que se seguiram e no dia de hoje, jornais de todo o mundo e sites e emissoras de televisão estamparam a venerável figura do presidente da República Federativa do Brasil, acompanhada do discurso magistral que saira da boca dele, um estadista, o personagem de maior importância de toda a história da nação que se formou a partir da amálgama, em seus primórdios, de lusitanos, africanos e nativos ameríndios pré-colombianos, com a contribuição posterior de ingredientes étnicos e culturais de outros povos. Estas palavras, poucas, estão aqui inscritas para enaltecer o valoroso presidente do Brasil, um herói de escala universal. Não nos estenderemos, neste artigo, os louvores ao senhor Jair Messias Bolsonaro, coquanto ele mereça todos os concebíveis, e, esculpida em bronze, uma estátua titânica de sua portentosa, apolínea e hercúlea figura. Aqui encerrado o parágrafo que dá aos nossos leitores a conhecer a participação do lídimo e legítimo representante do povo brasileiro na reunião anual da Organização das Nações Unidas neste 2021, reproduzimos, no parágrafo subsequente, dele, o eloquente discurso, discurso, este, uma obra-prima da retórica política que merece atentas e reverentes leituras e releituras. Eis o discurso do ilustríssimo presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro:

Amigues, hoje, eu, o presidente do Brasil, estou, aqui, para anunciar a todes as políticas politicamente corretas, comunistas, socialistas, de ideologia de gênero, marxistas e leninistas, que estou, eu, Jair Messias Bolsonaro, proponente da extinção das soberanias nacionais, a voz do Estado brasileiro, eu, Jair Messias Bolsonaro, o Estado, eu, Jair Messias Bolsonaro, a Opinião Pública Brasileira, obediente ao Governo Mundial, a implementar, em todo o território brasileiro, punindo todo cidadão brasileiro recalcitrante com o fuzilamento, as políticas que irão fazer do Brasil um paraíso socialista tecnocrata transhumano e cientificista. Fuzilei, fuzilo e fuzilarei ao paredão todo indivíduo hostil, de mentalidade fascista e nazista, de temperamento genocida, capitalista, ocidental, supremacista branco e cristão fundamentalista e intolerante. A religião é o ópio do povo. Deus é um personagem do tempo do nunca, do arco-da-velha, das histórias da carochinha de nossos avós brutos e asselvajados, adorado pelos energúmenos medievalistas, preconceituosos e fanáticos crentes que estão sempre a sobraçar o livro, que eles têm na conta de sagrado, recheado de baboseiras folclóricas, lendárias, de um povo rude, bárbaro, inculto e ignaro. A família, esta instituição opressora, burguesa, capitalista, favorece o exercício autoritário, ditatorial, totalitário do patriarcado sexista e machista, e dela tira seu poder máximo o homem cristão, ocidental, branco, loiro e de olhos azuis. A religião é o ópio do povo. O Grande Satã tem de ser aniquilado. Todo o poder aos proletários! Abaixo a burguesia! Eu odeio a classe média! Há lógica no assalto. Proletários de todo o mundo, uni-vos! Vivas à revolução! Para salvarmos a Terra urge extirpar-lhe o tumor cancerígeno maligno que muito mal lhe faze: a espécie humana. Vivas à Mãe Gaia! O Estado sou eu! A opinião pública sou eu! Iniciemos o processo de renovação da natureza removendo do útero das fêmeas da espécie humana o amontoado de células, coisa inerte e sem vida, bizarra e anômala, que, no interior dele, os homens inserem numa quantidade que elas ignoram. Todo o poder às mulheres empoderadas! Às pessoas sem vagina, dotadas de masculinidade tóxica, o paredão, destino reservado a todos os seres que não sabem qual é o seu papel na história, papel que o partido lhes reserva. Salvemos as baleias! Salvemos os pandas! Salvemos as tartarugas marinhas! Regulamentemos a mídia e a internet para que elas não disseminem dos conservadores fascistas e nazistas e genocidas fakes news e discursos de ódio. Exterminemos o gabinete do ódio conservador! Todo poder aos soviétes e aos chins! Fidel Castro e Che Guevara, olhai por nós! Marx e Engels, orai por nós! Lênin e Stalin, olhai por nós! Mao e Pol Pot, orai por nós! Não há dois sexos. Há setecentos e noventa e quatro gêneros, ensinam-nos os heróis do movimento. Abaixo a ditadura dos capitalistas opressores! Que os filhos libertem-se dos grilhões com que seus pais lhes manietam os movimentos! Fim aos tabus! Enalteçamos o amor intergeracional! Louvemos os novos tipos de família! Abaixo a família tradicional, arcaica, opressora, liberticida, pecadora! Vivas ao amor com os animais, com as plantas, com os objetos, com os cadáveres! Que aos inúteis à paz socialista seja oferecida a morte digna via injeção letal, ou por envenenamento, ou enforcamento, ou fuzilamento. Enviemos os inimigos da paz universal aos campos de reeducação, instrução e treinamento. Que as crianças não vivam na companhia de seus pais, seres opressores, que as maltratam durante sessões diárias de tortura psicológica de inspiração cristã! Que nenhuma pessoa tenha direito à legítima defesa! Que a educação e a segurança fiquem a cargo do Estado, exclusicamente do Estado. Fiquemos em casa; a economia veremos depois. Que ninguém se retire, à rua, de sua casa, até segunda ordem. Prisão aos refratários aos decretos estatais. Internacionalizemos a Amazônia, e o Pantanal, e o Mangue, e a Chapada Diamantina, e os Lençóis Maranhenses, e Fernando de Noronha, e a ilha de Marajó, e Parintins, e o Recôncavo Bahiano. O homem branco é racista; é racista de espírito; é mal; é iníquo. Amigues, sei que estas minhas palavras, poucas, ecoam no espírito de todes vocês. Unidos, iluminaremos, guiados por cientistas renomados, a mente dos humanos; e aos que optarem por permanecerem à escuridão oferecemos um paredão e um cárcere e lhes daremos o direito de escolher o que entenderem que lhes seja a melhor das duas opções, que lhes deixaremos à disposição. Tenhamos um bom dia, amigues. Fidel Castro e Che Guevara, olhai por nós! Marx e Engels, orai por nós! Lênin e Stalin, olhai por nós! Mao e Pol Pot, orai por nós!

*

Nota de rodapé: Inútil é dizer, digo, todavia: o discurso aqui apresentado é uma peça de ficção; e o Jair Messias Bolsonaro que o proferiu não existe – se existisse, cá entre nós, amá-lo-iam e o idolatrá-lo-iam onze de cada dez de seus inimigos.

China, chuvas, enchentes, a hidrelética de Três Gargantas e o aquecimento global. Bolsonaro e Argentina. Ministro Tarcísio e o Ferrogrão. E outras notas breves.

Notícias exibem cenas dramáticas sucedidas em território chinês após a tempestade torrencial que desabou no país do Bruce Lee. E dá-se a conhecer que a precipitação de água desta vez superou todas as expectativas. Foi um volume tão grande de água que o fenômeno pode ser comparado a um dilúvio. Há quem pense que não é inteiramente correto atribuir à chuva inesperada a catástrofe que se abateu sobre a China, pois suspeita-se que a causa da tragédia deve-se à frágil estrutura das hidrelétricas situadas em território chinês. E avizinha-se dos chineses uma tragédia cataclísmica, suspeitam estudiosos; é o que se lê nos artigos “O rompimento da hidrelética das Três Gargantas na China irá causar uma calamidade global.”, de Renato Cunha, publicado, dia 12/05/2021, no site Stylourbano, e “Barragem pode se romper a qualquer momento na China (Exército)”, publicado, sem nome do autor, no site do Estado de Minas, dia 20/07/2021.

No primeiro artigo aqui mencionado, informa o autor, evocando recentes fatos histórios sucedidos na China desde há um pouco mais de vinte anos, que a construção da hidrelétrica de Yangtsé está envolta de suspeitas de corrupção desde a apresentação do seu projeto pelo governo chinês e é tal obra faraônica uma peça de propaganda do governo chinês, comunista. E o risco de um rompimento da barragem não pode ser descartado. No segundo artigo acima mencionado, fala-se do rompimento da barragem de Luoyang. Não podemos, sabemos, confiar nas palavras do governo chinês, cuja desonestidade é proverbial – nada que nos surpreenda, afinal é o governo chinês comunista.

A tempestade que ora atinge a China vem bem a calhar para o governo chinês e para os ambientalistas alarmistas. Sendo verdadeira a história da fragilidade da hidrelétrica das Três Gargantas, o resultado será uma catástrofe apocalíptica, com milhões – fala-se em centenas de milhões – de chineses mortos. E o governo da China já estaria a criar um bode expiatório, eximindo-se de suas responsabilidades: o aquecimento global, que, alterando significativamente o clima terrestre, causou a tragédia. E os ambientalistas alarmistas, xiitas, comunistas verdes (diria Luís Dufaur), estão prontos para sacar as suas armas retóricas para condenar os seres humanos, para eles o câncer da Terra, e exigir dos estados nacionais submissão à uma agenda global de combate ao aquecimento global de origem antropocêntrica chancelada por uma organização mundial, que a todos os povos do mundo irá impor, em nome do bem da Terra, uma política totalitária, que engendrará miséria inimaginável e mortes incalculáveis.

*

O presidente Jair Messias Bolsonaro publicou, hoje, em sua página no Facebook, um vídeo. Vídeo que apresenta o testemunho de um argentino, que não tem seu rosto exibido, acerca do que se passa na Argentina. E o presidente Jair Messias Bolsonaro, na sequência, fala de uma conversa sua com Maurício Macri, antecessor de Alberto Fernandez na cadeira da Casa Rosada, e do alerta que vem fazendo desde há dois anos, a de que retormando o poder as esquerdas o Brasil viverá o inferno na Terra, e falou da crise econômica e social argentina, e, evocando o exemplo dos venezuelanos que migram para o norte do Brasil, do fluxo migratório de argentinos para o sul do Brasil. Falou um pouco do Voto Impresso, de sua importância, inprescindível para o bom andamento das eleições brasileiras, e de um ministro do STF, Luis Roberto Barroso, e de Lula, sem deste citar o nome. E repetiu uma de suas costumeiras frases, a que diz que ele, presidente Jair Messias Bolsonaro, joga dentro das quatro linhas da Constituição.

*

O ministro da Infra-estrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, bate-se contra ambientalistas militantes, informa Fábio Matos, no artigo “Tarcísio volta a defender o Ferrogrão e afirma que ativistas não conhecem o projeto.”, publicado, dia 20/07/2021, no site da Revista Oeste.Critica, e duramente, com as suas civilidade e pacatez costumeiras, o já lendário ministro da Infraestrutura, galardoado pelos brasileiros com um apelido carinhoso, Tarcísio do Asfalto, os ativistas ambientalistas que, não se contentando em defender a natureza, almejam emperrar a construção de obras benéficas aos humanos. É o Ferrogrão extensa linha ferroviária de mais de novecentos quilômetros, que vai de Sinop, Mato Grosso, até Itaituba, Pará, no porto de Miritituba, às margens do Rio Tapajós. Escoará a produção de grãos do Centro-Oeste, pela BR-163, que recebe obras de melhoria, até o Pará.

Há um imbróglo no projeto do Ferrogrão. Envolve a legenda do Psol, e o ministro do STF Alexandre de Moraes, e o Governo Federal, além de outros personagens; e diz respeito ao Parque Nacional do Jamanxim, no Pará.

O projeto contará com conexões de ferrovia, hidrovia e portos, e elimina a dependência que têm da malha rodoviária os produtores de grãos. Trará muitos ganhos para o agronegócio brasileiro, e para o Brasil como um todo.

Li, há pouco, um artigo, “Escoamento de Grãos de MT para o porto de Miritituba- PA deve crescer 20% em 2021”, escrito por Luiz Patroni, publicado, no blog Canal Rural, dia 04/01/2021. Traz importantes informações.

*

Fernando Vaismann, sob o codnome Bituka du Bronx, manifesta a desconfiança que nutre por Abraham Weintraub, Daniel Silveira, Oswaldo Eustáquio, e por deputados federais que, recém-eleitos, excurcionaram pela China, ciceroneados por atenciosos e prestativos guias turísticos de olhos puxados, e por Janaína Paschoal, deputada estadual por São Paulo. Muitos brasileiros, em especial os bolsonaristas, até hoje não engoliram as desculpas que os patriotas deputados federais apresentaram ao se verem de calças arriadas. Para não poucos são as desculpas esfarrapadas. E os bolsonaristas, com uma pulga atrás da orelha, os fitamos com o canto dos olhos, um pé para trás.

*

Neto Curvina publica uma informação que dá o que falar e deixa a todos de cabelos em pé. Diz ele que se dissemina pelos quatro cantos do planeta uma idéia do balacobaco: agências de notícias informam que com o fim das restrições à movimentação econômica e ao livre exercício de atividades públicas dos indivíduos, aumentar-se-á o efeito estufa, automaticamente avolumando-se, e perigosamente, os ingredientes que favorecem o aquecimento global. Aqui, dá-se como certo que o fenômeno cataclísmico que profetizam os ambientalistas fanáticos tem sua origem na atividade econômica humana, pior, na existência do ser humano.

No ano passado, li reportagem que informava que as quarentenas e os lockdowns haviam beneficiado a natureza; que os rios e o ar e o mar estavam menos poluídos. Na ocasião cocei a cabeça, intrigado. Agora, à insinuação de que a retomada das atividades econômicas redundará em prejuízo à Terra, percebo que cocei, e com razão, a cabeça, a pensar com os meus botões. Inserindo tal detalhe, a informação dada por Neto Curvina, num cenário, percebe-se que se está a preparar os homens para a aceitação de medidas de restrição econômica, em nome do bem das tartarugas marinhas, dos ursos polares e dos ursos pandas, e da Terra, a mãe Gaia, como um todo, medidas que erguerão uma civilização mais humanitária porque menos populosa, quase desabitada. É difícil equacionar a questão ambiental. É o homem um personagem da Terra. E muitos ambientalistas desdobram-se com seriedade ímpar no estudo da questão ambiental; infelizmente, são os inescrupulosos que, barulhentos, estão sob os holofotes.

*

Nicolas Carvalho de Oliveira, na sua página do Facebook, hoje, dia 23, tece comentários percucientes a respeito da mentalidade dos conservadores, mentalidade com trinta anos de obsolescência. Estão os conservadores cegos para as questões atuais, prementes, dentre outras a conexão deletéria entre capitalismo de consumo e marxismo cultural, a guerra espacial, e a ditadura das High-Tech. Está com a razão Nicolas ao apontar o consumismo e o entretenimento hedonista como sustentáculos do despotismo dos Estados.

É o presidente Jair Messias Bolsonaro nazista e fascista? Copa América. E outras notas breves.

Dizem de viva voz os anti-bolsonaristas que é o presidente Jair Messias Bolsonaro nazista e fascista. Pergunto-me se se sustenta tal afirmação se se considerar a política que ele está a promover e a implementar, e não a retórica saída da boca dos inimigos dele. Em nenhum momento o presidente Jair Messias Bolsonaro esboçou, mesmo pressionado a fazê-lo, um ato anti-democrático, autoritário, de inspiração nazista e fascista. Sua postura é a de um homem de espírito democrático. Com a popularidade de que goza teria ele poder de impor-se a todos, se assim o desejasse, rasgar a Constituição Federal, e estabelecer um estado de exceção; e teria, não erro em dizer nesta especulação que jamais poderá ser analisada, amplo apoio popular. Está ele a defender o direito, que ele considera inalienável, inegociável, à legítima defesa, cada cidadão a usar, se sua consciência o mandar, arma-de-fogo, a reduzir o Estado ao desregulamentar inúmeros setores da economia, a criar mecanismos de ajuda às micro e pequenas empresas, a eliminar a proibição ao ensino domiciliar, e outras medidas que convergem para uma política de maior autonomia de cada cidadão brasileiro. E nestes mais de um ano de fraudemia – para muitos, epidemia – do coronavírus (Covid, para os íntimos; mocorongovírus, para o Barnabé Varejeira), o povo, torturado pela mídia, incapaz de pensar acerca do que está a acontecer, o presidente Jair Messias Bolsonaro assume, contra tudo e contra todos, a postura de um chefe-de-estado comprometido com as liberdades individuais; não escreveu nem sequer um rascunho de uma política de supressão da liberdade do cidadão brasileiro em nome de uma política sanitária insana e abusiva, lesiva à vida de toda pessoa que vive em território de terras em que se plantando tudo dá. Não ameaçou com multa e prisão quem decidiu sair de sua casa, ir trabalhar para seu sustento, fazer uso de remédios e não se deixar vacinar. Fosse um homem dotado de espírito autoritário, de alma nazista e fascista, seria ele, hoje, o dono do Brasil. Mas dono do Brasil, dizem, é aquele cujas obras, inacabadas, o presidente Jair Messias Bolsonaro não pode concluir.

*

Há mais de um mês ouço falar que está na iminência de quebrar no Brasil a terceira onda – provocada por uma versão indiana do vírus de Wuhan, (mocorongovírus, ensina Barnabé Varejeria) nosso velho conhecido – de infecção viral. Mas, tudo dá a entender que tal onda não se realizará; esqueceram de combinar com os indianos, ou hindus, como queiram, a importação do vírus tão malfadado, que, declaram, é 60% mais letal do que o original, saído da China, dizem. Todavia, insistem as trombetas do apocalipse a profetizar o flagelo que nos abaterá. Se é verdade, ou não, não sei; sei apenas que para se conter o avanço do chinavírus entre nós a medida mais promovida e praticada, dada como eficiente e indispensável, é a quarentena (ou lockdown, para quem ama usar palavras estrangeiras num texto em português). Se é assim, por que prefeitos e governadores, à ameaça do coronavírus (mocorongovírus, diria Barnabé Varejeira), ao invés de tomarem tal providência, estão a suspender as restrições às atividades públicas?

*

Uma celeuma animou os espíritos dos brasileiros há poucas semanas. Envolvia futebol e epidemia. É sensato promover, no Brasil, a Copa América? Não iriam os casos de infecção e morte pelo tal de Covid, que está a nos atormentar há um bom par de meses, aumentar consideravelmente piorando o já estado miserável do nosso sistema de saúde e ocasionando um morticínio sem precedentes nas terras de Cacambo e Lindóia? Com a voz da certeza inspirada pelos deuses pagãos, os flageladores da humanidade cravaram: é uma rematada tolice, uma irresponsabilidade genocida um campeonato esportivo no Brasil num momento tão sensível. E choveu uma tempestade torrencial diluviana de pancadas na cabeça do presidente Jair Messias Bolsonaro. Passadas as semanas, a Copa América seguiu o seu curso normal, e não se realizou o cataclisma profetizado.

*

Lembro-me que no ano passado, ali pelos meses de Outubro, Novembro, informava-se que de todas as vacinas contra o coronavírus (Covid, para os íntimos; mocorongovírus, no vocabulário singular do Barnabé Varejeira) era a melhor a Coronavac, que serviria, porque tinha 100% de eficiência, para imunizar as pessoas por ela vacinadas contra o vírus em sua versão original e contra os de todas as versões dele atualizadas (isto é, as variantes, as cepas). Pois bem, passaram-se os meses, e muitos milhões de pessoas tiveram em si injetada a vacina chinesa (ou vachina, sua alcunha carinhosamente concebida pelos que não vêem com bons olhos o governo comunista chinês). E os mesmos que diziam que ela era o elixir da saúde, a poção mágica contra o mal chinês, afirmaram que teriam as pessoas vacinadas (ou vachinadas) de seguir a respeitar as regras sanitárias (uso de máscaras – se possível de duas camadas, ou duas máscaras sobrepostas uma à outra -, isolamento social; enfim, todo o pacote sanitário), pois poderiam vir a serem infectadas, e, se infectadas, infectar as que não se vacinaram – o que por si só já era um contra-senso, afinal, as vacinadas estão imunizadas. E constrangidos diante dos casos, inúmeros, de pessoas que, já vacinadas há meses com as duas doses da Coronavac, foram infectadas pelo vírus saído de Wuhan, e adoeceram, vindo algumas a morrerem, declararam, tom de voz vacilante, numa postura de quem simula segurança para inibir qualquer pessoa atrevida de lhe questionar a afirmação, que nenhuma vacina – a Coronavac, portanto, incluída – é 100% eficiente e que todas elas podem provocar efeitos colaterais nas pessoas vacinadas.

*

Nos idos de Abril deste ano de 2.021, informava-se que o Brasil enfrentaria um aumento expressivo de infecções e mortes por Covid, se o Governo Federal (entenda-se: o presidente Jair Messias Bolsonaro) não implementasse um lockdown nacional de um mês e vacinação em massa de toda a população antes da suspensão do lockdown. O presidente Jair Messias Bolsonaro não fez nem uma coisa e nem outra, e os casos de infecções e mortes por Covid reduziram-se expressivamente.

Ministro Tarcísio. Teoria Crítica Racial. Putin. E outras notas breves.

E o Ministro Tarcísio, Tarcísio Gomes de Freitas, da Infra-estrutura, carinhosamente alcunhado Tarcísio do Asfalto, realizou mais uma de suas inumeráveis proezas. Entregou a quingentésima locomotiva de corrente alternada (AC44) produzida no Brasil. O trabalho, hercúleo, do ministro da Infra-estrutura, o de reerguer o gigante combalido, esfarrapado, está indo de vento em popa. Provoca uma revolução nos meios de transportes brasileiros; e na malha ferroviária são imensas as conquistas, e os avanços. Reduz os custos de transporte. E vivas à Ferrovia Norte-Sul, à Paulista, à Integração Oeste-Leste, e à futura Integração Centro-Oeste. É o Capitão Tarcísio um homem de grandes méritos, de grandes feitos.

*

Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares, em sua página do Facebook, tece rápidas, curtas e certeiras, e severas, contundentes, críticas ao movimentos negro, aos esquerdistas, que fazem dos negros gato e sapato, bucha de canhão de uma guerra cultural criminosa. Sem papas na língua, põe os pingos nos is, dá nomes aos bois, põe a nu a maledicência, má-fé, de quem usa os negros para fins políticos iníquos. Faz da Fundação Palmares uma instituição de respeito aos negros, à cultura deles. Compartilhou um artigo, Teori Crítica Racial: Pai Acusa Escola de Ensinar Filha Que “Sua Mãe é Do Mal” Por Ser Branca, publicado no site Senso Incomum, cujo autor, Leonardo Trielli, dá notícia de um episódio vexatório, e preoupante, que se passou numa escola pública do Distrito de Caledonia, Michigan, e prevê que tal teoria, que está a causar celeumas nos Estados Unidos logo fará o seu estrago nas escolas brasileiras.

*

Fernando Vaismann, usando o nome de seu avatar, Bituka Du Bronx, no Facebook, declara que não é o Vladimir Putin conservador e que ele se opõe ao progressismo em terras eslavas e o promove em território estrangeiro. Inteligente, o ex-agente da KGB é, ninguém há de negar: Financia nos países inimigos uma política que irá enfraquecê-los, debilitá-los.

*

Lembro-me que há um bom tempo, em eras antediluvianas, li, no Jornal Rascunho, um artigo, cujo autor, melhor, autora, não me lembro, que trata da Metamorfose, de Franz Kafka. A autora afirma que George Samsa não se converte em uma bicho peçonhento, um inseto asqueroso, uma barata, ou algo que o valha. Nada disso. A palavra alemã que designa o “bicho” na verdade, assim me lembro do pouco que minha memória conserva do artigo registrado, indica um estado espiritual de George Samsa, e não físico. E é tal palavra intraduzível. Os familiares de Samsa viram um monstro espiritual, e não um bicho repulsivo. É um caso kafkiano. Parece que além dos alemães, ninguém mais entendeu a sina do mais famoso personagem de Franz Kafka. Ou nem eles a entenderam? Tenho de encontrar tal artigo. Procurei-o, ontem, no Google. Não o encontrei.

*

Leio, no Facebook, artigos de vários autores, todos ótimos, a versarem sobre os mais variados temas. Aqui, alguns escritores que muito me ensinam: Neto Curvina, Carlo Manfredini, Flávio Lindolfo Sobral, Cesar Ranqueta Jr., Eduardo Levy, Raquel Brugnera, Daniel Fernandes, Paulo Cursino, Silas Feitosa, Marco Frenete, Glauco Paludo Gazoni e Sérgio Camargo, este, presidente da Fundação Palmares.

*

Dizem que as redes sociais são meios de se perder tempo; ora, nas redes perdem tempo quem não sabe bem usá-las. Sempre encontro, sempre, todos os dias, nelas, coisas de alto valor.Além de usar o Facebook, uso, também, o GETTR, o MeWe, o Likabout, o Gab.ai e o Bom Perfil. Dentre eles, recorro mais ao Facebook, que tem maior público e mais usuários do que os outros, e é nele que encontro muito do que procuro; as outras redes sociais ainda estão engatinhando.

*

Se os anti-bolsonaristas, pessoas que se dizem anti-autoritárias, fossem de fato o que dizem ser, comparariam o presidente Jair Messias Bolsonaro ao Stálin, ao Mao, ao Fidel, ao Pol Pot, e não apenas ao Hitler e ao Mussolini. Mas eu os entendo. Eles têm os seus autoritários de estimação.

*

Li um volume de Filosofia com trechos da obra Tratado dos Sistemas, de Condillac, publicado, pela Abril Cultural, na coleção Os Pensadores. Condillac, em outras palavras, afirma que os filósofos, perdidos em abstrações, escrevem muita asneira. Antes, eu lera, de Will Durant, pela mesma coleção, uma História da Filosofia onde o filósofo americano, ao final de cada capítulo, dedicado a um pensador, tece, em poucas palavras, alguns comentários expondo os dados negativos da filosofia deles. O que se conclui daí? Que os filósofos pensam, e pensam, e pensam, e pensam… E batem cabeça, o tempo todo. A aventura que eles decidiram viver é emocionante.

*

Há cientista que acreditam, piamente, que um dia eles irão desenvolver uma teoria de tudo, de tudo o que há. A Teoria de Tudo, que explicará o Universo, a Vida. E que reduzirá tudo a uma fórmula matemática. Presunçosos os cientistas, não!? Crédulos.

*

Os brasileiros precisamos aprender a valorizar os brasileiros talentosos, inteligentes, geniais. Além do Mário Novello, temos o Newton Carneiro Affonso da Costa, matemático de valor universal, de quem ouvi, semana passada, uma entrevista, que ele concedeu a Murilo Ferraz, do site Filosofia Pop. Fala o matemático da Lógica Paraconsistente e de alguns capítulos de sua vida de sucesso. Está a entrevista em duas partes; são os áudios 43 e 44, cada um deles de aproximadamente uma hora de duração.

*

Olavo de Carvalho costuma dizer que a palavra cachorro não morde; muita gente, no entanto, todavia, porém, entretanto, acredita que as palavras são coisas reais, fenômenos naturais.

*

Se o macho da galinha é galo; se o macho da pata é pato, por que o macho da codorna é codorna? Devia ser codorno, não devia? Ou é melhor, em respeito, melhor, submissão, à ideologia de gênero, dizer, para a fêmea e para o macho da codorna, codorne? E assim vamos de gale, ou galinhe, e pate. É feio. E risível. Grotesco e arabesco. O horror! O horror! O horror!

*

Já nada entendo do pouco que eu entendia. Até há não muito tempo, diziam os bem pensantes que, para se evitar ferir suscetibilidades de gente de sentimentos epidérmicos, devia-se substituir dos substantivos as desinências masculina e feminina pela letra “x”, que indica neutralidade de gênero; assim aluno e aluna ficariam alunx. A mesma regra valendo para o plural: alunxs. Que idéia de jerico. Como se pronuncia alunx e alunxs? “Alunxs” e “alunx” são palavras, ou sequências de letras? Agora, abandonada tal idéia, que era de jerico, inventaram outra idéia, de jerico também: Substituir as desinências masculina e feminina dos substantivos pela letra “e”. E fica assim alune e alunes. Pode-se lê-las. Mas, pelo amor de Deus! Que cérebro concebeu tão brilhante despautério!?

Para encerrar: Desinências masculinas e femininas, ou desinêncies masculines e feminines? Brinco, mas a coisa é séria. Quero dizer, “e coise é série”.

Médicos e cientistas. Redes sociais. Petróleo e fontes renováveis de energia. Mário Novello e Universo Inacabado. E outras notas breves.

– Você não acredita nos médicos e cientistas renomados que estudaram cinco anos em faculdades de Medicina; que dedicaram décadas à profissão médica? E os cientistas não contam com a sua confiança por quê? Eles estudaram em faculdades de boa reputação. Apreenderam inúmeros conhecimentos. E você sabe o que de ciência? Nada. Você se opõem aos médicos e aos cientistas só porque você é a favor do Tratamento Precoce e contra a vacinação e foi contrário às regras sanitárias. Você é contra a vacina? Você se formou em Medicina e Ciência pela Universidade do WhatsApp?

– Eu poderia poupar você de constrangimento, mas decidi não o fazer. Primeiro, às duas perguntas que você me fez respostas grosseiras, que você merece ouvir: Para a primeira: Você é contra ou a favor da farinha de trigo? Para a segunda: É claro que eu não me formei em Medicina e Ciência pela Universidade do WhatsApp; formei-me em tais áreas pela Universidade do Telegram. Agora, falando sério: Não há razão de ser a primeira pergunta. Ser contra ou a favor da vacina não é a questão. Deve-se perguntar por que se vacinar contra um vírus que causa gripe, se o ser humano é em sua maioria imune a ele. Quase todas as pessoas infectadas pelo vírus sentem, se muito, um desconforto. E pelo que se sabe até agora, pessoas doentes, de baixa imunidade, velhas ou não, podem adoecer e morrer, se não tratadas adequadamente logo que a doença se manifesta. Ora, o mesmo se dá com qualquer gripe. Não há, portanto, razão para tanto bafafa em torno da vacinação. E tampouco vacinação em massa, que interessa à indústria farmacêutica. E eu sou, sim, e deixo isso bem claro, defensor do Tratamento Precoce, e para todas as doenças. Por que as pessoas infectadas pelo coronavírus não podem ser medicadas logo que se apresentam os sintomas?! E querem muitos política mundial de vacinação obrigatória. Pra quê!? E a sua segunda pergunta é apenas uma demonstração de sua presunção, de sua auto-imagem supervalorizada. Você é da galerinha do Eu Sigo a Ciência, cujos associados jamais leram um texto de ciência; são tipinhos pernósticos, posudos, que adoram alcunhar Negacionista quem não tem opiniões convergentes às dos heróis midiáticos. E para concluir: Faço-me a pergunta: os médicos e os cientistas, todos eles, são honestos? Esta é a pergunta que importa.

*

Toda invenção humana pode ser bem empregada, para o bem de todos, ou mal empregada; uma faca pode ser usada para cortar carne, ou para matar uma pessoa; um tijolo usa-se numa parede de uma casa, ou encaixa-se, com pancada mortal, na cabeça de algum desavisado; a energia nuclear emprega-se em quimioterapia, ou em bombas; e as unhas compridas mulheres as esmaltam, embelezando-as, agradando os olhares de homens, outras, no entanto, as usam com um único propósito: beliscar o consorte sempre que ele desvia o olhar para o saracoteio sedutor de uma jovem de belo patrimônio.

Registradas as primeiras palavras desta minha nota breve, trato, agora, das Redes Sociais, este instrumento, esta invenção, bem explorada por uns, mal explorada por outros; aqueles que a usam sem dela extrair todo o seu potencial perdem-se em futilidades, mexericos, coisas, enfim, de nenhum valor, ou, o que é pior, de valor negativo. Acerca deles me calo. E também não falo daqueles que a usam bem. Trato do bem que elas proporcionam àqueles que bem a usam. Que toda pessoa, inclusive as mais sensatas, percam preciosos minutos em futilidades – nada que surpreenda, afinal também são eles seres de carne e osso – não é de surprender. Há pessoas que sabem melhor ocupar o tempo que usam viajando pela Redes Sociais. E tais pessoas nelas encontram muita coisa de valor publicada por muita gente de valor. Há assuntos para todos os gostos, Economia, Política, Teologia, Filosofia, Arte, História, Revistas em Quadrinhos, Ciência, todos os temas, enfim. No Facebook, por exemplo, encontram-se página de arte; em uma delas, Ars Europe, pode-se admirar pinturas de Giacomo Francesco Cipper, Rembrant, Charles Lemire (Lemire, the Elder), Neri di Bicci, Antonio del Castilho Saavedra e Charles-Antoine Coypel. Cito apenas estes seis nomes, que vi hoje – de cada um deles, uma pintura. Quem aprecia a História do Brasil, pode muito aprender com a página A Terra de Santa Cruz, na qual, hoje, vi uma pintura, Gato com Papagaio, de Nicolas-Antoine Taunay. E quem aprecia Política, Filosofia, Teologia, Educação, conta com incontáveis escritores, de altíssimo nível, todos a publicarem textos muito bem escritos. Dentre os muitos, inteligentes e cultos, que publicam seus textos no Facebook, elenco alguns: Rodrigo Micelli, Maurício Mühlmann Erthal, Victor Vonn Serran, Maurício Alves, Aldo Lebed, Kleber Sernik, Guillermo F. Piacesi Ramos, Elisa Robson, Rodrigo Gurgel, Filipe G. Martins, Wagner Malheiros, Ricardo Santi, Sidney Silveira, Fabio Blanco e Ana Caroline Campagnolo. E chamo a atenção, sem desmerecer os outros acima elencados, para os nomes de Rodrigo Gurgel, Sidney Silveira e Fabio Blanco. O primeiro, professor e crítico literário de mão cheia; os outros dois, filósofos respeitáveis.

*

Há quem acredita que a civilização só escapará da ruína se se substituir a matriz energética mundial de origem fóssil, chamada energia não-renovável, pelas chamadas fontes de energia renováveis. Mas as fontes de origem não renováveis não são renováveis? Li, ontem, um artigo (Teoria do Petróleo Abiótico, de Erica Airosa Figueredo, publicado no site InfoEscola), que traz as seguintes informações: Há duas teorias científicas que tratam da origem do petróleo, a de Mikhail Lomonossov, a Teoria da Biogênese, que dá o petróleo como produto cuja origem está na matéria de animais e vegetais mortos; e a Teoria da Abiogênese, de Marcellin Berthelot e Dmitri Mendeleev, ambos a apontaram a origem inorgânica do ouro preto – isto é, é o petróleo formado de minerais. Mas é renovável, o petróleo? Diz a lenda que não. Se acabar, acabou. Lembro que li, há muito, muito tempo, reportagem que fala de um geólogo que concluiu que é o petróleo renovável; que um poço de petróleo, esgotado, deixado ao deus-dará durante umas poucas décadas, renova-se – infelizmente, não anotei, na ocasião o nome de batismo do dito geólogo, que, se não me falha a memória, é americano (e sei que não posso confiar na minha memória).

Para encerrar, dois adendos: 1) Diz-se que a Energia Eólica, a Energia Elétrica, e outras energias ditas renováveis, alternativas, são energias limpas. Limpas, por quê?! Na cadeia de produção de todas elas não há sujeira?; e, 2) Li (o meu hábito de quase nunca anotar o que leio constrange-me não poucas vezes a escrever que “li, não sei onde, um texto, não sei de quem, que…”) que os Senhores do Universo planejam substituir, até 2.030 (ONU 2030), a matriz energética convencional – entenda-se, baseada no petróleo – pela elétrica e outras ditas alternativas, mas como o custo destas é alto comparado com o do petróleo, estão a dar um jeito de torná-las aceitáveis, comparadas ao seu concorrente, e para tanto forçam a subida do preço do petróleo mediante explosões de gasodutos em países árabes e a redução da produção de petróleo e gás natural em solo americano – assim, com a redução da oferta, e o consequente aumento do consumo, aumenta-se o preço.

*

Mário Novello, cosmólogo brasileiro, impar entre os seus pares, no artigo O Universo Solidário, do dia 12/04/2018, publicado no seu site, fala, rapidamente – o artigo é curto – de Albert Einstein e de Alexandre Friedman; e do microcosmo e do macrocosmo, e das partículas elementares dos corpos e os aspectos topológicos do universo – estes e aquelas em perfeita união, sendo que aquelas não funcionam bem sem estes e tampouco estes sem aquelas – que está em expansão, pois é dinâmico.E no texto Sobre o Infinito (trecho do livro O Universo Inacabado), publicado, dia 25/05/2021, no site Cosmos & Contexto, fala o extraordinário cosmólogo brasileiro, evocando o mito de Sisifo, de Giordano Bruno, Georg Cantor; e da finitude humana e da infinitude de Deus; e de múltiplos, distintos, número ilimitado, infinitos universos infinitos. Pôxa vida! Se já é impossível se conceber em imaginação um, um só, só um, universo infinito, o que pensar de se imaginar infinitos universos infinitos!?

E mais um pouco de Mário Novello. No vídeo, de uns dez minutos, publicado, dia 06/04/2021, no Youtube, no canal History of Science, Universo Inacabado, Mário Novello, em bom português, simples, acessível ao leigo, fala de Gödel, Sakarov; de matéria e anti-matéria – e porque (Graças a Deus) é o nosso universo composto, em sua maior parte (ou ele disse em sua totalidade? – este detalhe é relevante), de matéria; e da força gravitacional, e do mundo quântico; e da luz, que se curva à força gravitacional. Afirma ele que é o universo inacabado; que o Big Bang é um fenômeno que não indica a origem do universo, mas uma passagem de uma fase do universo em colapso para uma do universo em expansão – o universo, portanto, passa por ciclos, indefinidamente, de contração e expansão, com uma explosão universal de entremeio entre estas duas fases. O universo não é estacionário; está em constante formação; é inacabado, conclui o cientista brasileiro.

Ao ouvir Mário Novello dizer que o Big Bang não está na origem do universo, mas é apenas uma singularidade, que aponta o fim de uma era e o começo de outra, eu abri – em imaginação, claro – um largo sorriso de uma orelha à outra. Ora, eu sempre me perguntava o que, ó raios! explodiu no Big Bang. Se houve uma grande explosão, alguma coisa explodiu. Mas o quê!? Li que foi um tal de Ovo Cósmico. Mas quem botou tal ovo!? Não sou cientista. Não sou cosmólogo. Sou apenas um sujeito curioso que lê de tudo um pouco, de algumas coisas mais do que de outras. Mas que o tal de Big Bang sempre me cheirou a disparate, cheirou. Nunca fez sentido para a minha cabeça, que não é a de um cientista, repito.

E para encerrar: Usei de um pouco de liberdade literária na redação desta nota breve. Se incorri em algum pecado, perdoem-me.


*


No Youtube, há ótimos canais que tratam de literatura. Dois: O de Rodrigo Gurgel; e, o de Tatiana Feltrin. Ambos os dois estudiosos comentam livros, resenham-los, com muita agudeza de inteligência. Aprende-se muito com eles. As aulas – não há exagero em dizer que se trata de aulas – são inestimáveis.


*


E eu não poderia deixar de falar do presidente Jair Messias Bolsonaro, que uma vez mais vai ao hospital para tratamento. Ele, e desde as eleições, fala de nióbio e de grafeno, dois produtos que poderão – e irão – revolucionar a indústria mundial. E sempre foi o presidente brasileiro alvo de chacota. Os anti-bolsonaristas, que são contra, mas não sabem dizer porque, tudo o que ele defende, o apelidaram com as alcunhas mais torpes que se possa imaginar. E não é que ele está antenado nos rumos que a sociedade toma? que nióbio e grafeno são produtos revolucionários na sociedade tecnológica atual?!

Isentões, isentos? Rússia x Ucrânia, prólogo da Terceira Guerra. O avatar do Daniel. Cuba, nova revolução. Haiti. E outras notas breves.

Os isentões, carinhas de ares sofisticados, de auto-imagem irrealista, egocêntrica, de isentos nada têm. Põem-se num ponto equidistante, e acima, entre os grupos que eles denominam extrema-esquerda e extrema-direita, aquele resumido no PT e este no Bolsonaro. Aqui já demonstram a falta de equivalência de valores, pois estão a comparar um partido político com um político – o correto seria comparar Bolsonaro e Lula, o que muitos passaram a fazer após a mídia lançar o Barba candidato natural à presidência do Brasil em 2.022. São, acreditam, moderados, serenos, pacíficos, de centro, mas estão a comprar uma narrativa mentirosa que dá Bolsonaro o êmulo natural, em se tratando de radicalismo na política, política revolucionária, de Lula, o reflexo, dele, mas no extremo oposto do espectro político, dando a entender que são ambos os dois figuras do mesmo álbum de fanatismo político de inspiração ideológica autoritária; comparam, e igualam – e sabe-se lá que instrumentos teóricos usam em suas análises -, um ser real, o Lula, com um ser fictício, o Bolsonaro descrito pelos seus inimigos. Mas na hora de decidirem o que fazer, que posição tomar, fincam pé ao lado dos adversários do Bolsonaro, convertem-se em máquinas esquerdistas de moer reputações de não-esquerdistas.

Dias atrás, numa ação de esquerda contra o presidente Jair Messias Bolsonaro, ação que redundou em atos violentos – mas a mídia, confiável que só ela, insiste em classificá-la manifestação pacífica de meninos -, um grupo de peéssedebistas ingênuos – ou tolos? – quis cerrar fileiras ao lado de peceólistas (partidários do P.C.O, Partido da Causa Operária), e foi por eles escorraçado. E, li, alguns partidários do N.O.V.O., em outra manifestação, não sei, no mesmo dia, ou em outro, foram agredidos por esquerdistas, que atuaram com suas urbanidade e civilidade proverbiais, e surpreenderam-se com a agressividade insana deles. Que esses carinhas sofisticados, os isentões, em 2.022 votem, em massa, no Lula, o elejam presidente, que a partir de 2.023, ou antes mesmo, saberão o que é radicalismo, extremismo, fanatismo na política. O silêncio dos isentões a respeito da agressão de peceólistas e outros esquerdistas contra peéssedebistas e novistas é ensurdecedor, e revelador do amor não declarado dos isentistões pela esquerda, conquanto dela ganhem umas belas e inesquecíveis sovas.

*

Durante aqueles dias em que Vladimir Putin, o agente da KGB (hoje FSB), enviou dezenas de militares russos para a fronteira da Rússia com a Ucrânia, previu-se uma conflagração entre a terra dos tzares e a OTAN. E não foram poucos que viram em tal capítulo, dramático, que poderia culminar numa tragédia de proporções planetárias, o princípio da Terceira Guerra Mundial, que não se deu, graças a Deus – ou foi adiada. Jayson Rosa, do canal Casando o Verbo, assumiu uma postura de preocupação com o andar da carruagem; foi um dos que previram nos atritos entre Rússia e Ucrânia o estopim da conflagração que se expandiria até abarcar todas as nações. Maurício Alves, em publicações na rede social Facebook, assumiu uma posição contrária: viu no imbrógio eslavo-ucraniano apenas fogo de palha. O desenrolar dos eventos prova – por enquanto – que Maurício Alves estava correto em sua análise.

Jayson Rosa e Maurício Alves merecem atenção, fazem análises excelentes das questões mundiais, principalmente quando divrergem, e quando erram, pois sempre dão informações imprescindíveis para o conhecimento do que está a ocorrer no nosso planeta.

*

… e o presidente Jair Messias Bolsonaro insinuou que um tal de Daniel, avatar de um líder revolucionário brasileiro treinado em Cuba, tem consigo alguns segredos acerca de ministros do STF, e coisa e tal. E o universo político nacional, embasbacado, calou-se. E a mídia, que adora atacar o presidente Jair Messias Bolsonaro sempre que ele abre a boca, desta vez emudeceu.

*

Os cubanos sublevam-se contra o governo ditatorial, autoritário, totalitário, de Miguel Díaz-Canel, preposto do Raúl Castro. Kleber Sernik, na rede social Facebook, dá-nos informações do que se passa na ilha-cárcere do falecido Fidel, amigo do também falecido escritor colombiano Gabriel Garcia Márquez e ídolo do igualmente falecido escritor português José Saramago. Parece que tem a mão da C.I.A. na revolta. E Bituka Du Bronx, avatar de Fernando Vaisman, vê associação do que se passa em Cuba com a morte do presidente do Haiti, e com o alusão, pelo presidente Jair Messias Bolsonaro, de segredos de um tal de Daniel, e com a visita ao Brasil de um alto funcionário da C.I.A. Quem sabe o que se passa nos altos escalões dos governos e dos serviços de inteligência!?

*

Não poucos brasileiros pedem por urnas eleitorais eletrônicas auditáveis e apuração pública dos votos. Não acreditam que as urnas são invioláveis, suspeitam que fraudes já ocorreram em pleitos eleitorais anteriores e prevêem que poderá vir a se dar no de 2.022. Mas há quem diga que as urnas são confiáveis; que fraudes são impossíveis; que fraudes são figuras do folclore nacional imaginados por gente de mentalidade rústica, atrasada, antediluviana, isto é, de bolsonaristas (bolsominion, para os íntimos) e do presidente Jair Messias Bolsonaro. Percebe-se nas pessoas – e trato, aqui, de cidadãos brasileiros, e não de políticos, de ministros do STF, de artistas, de intelectuais, de jonalistas – contrárias ao voto auditável, em papel, e apuração pública dos votos, uma rejeição insensata, irracional, que tangencia a má-vontade, a má-fé, não da proposta em si mesma, mas dela porque ela foi esposada pelo presidente Jair Messias Bolsonaro. E o que se lê e se ouve de tais pessoas é deboche, e nada mais do que deboche. Não é de hoje que percebo que muitos anti-bolsonaristas vão de encontro aos seus mais caros valores se ao encontro deles vai o presidente Jair Messias Bolsonaro. É tiro e queda. O Fulano defende “A” e se opõe a “B”; e ao ouvir o presidente falar em favor de “A” e ir contra “B”, automaticamente converte-se num defensor intransigente de “B” e declara-se hostil, e desde o berço, a “A”. Um dos argumentos – se se pode chamar tal asnice de argumento – que aventam contra a proposta do voto impresso é que tal é um retrocesso, o mesmo que tornarmos a usar mimeógrafo e máquina de datilografia. Não entendem os sandeus que se está a falar de justiça eleitoral, de lisura do pleito eleitoral. A turminha do Clube Desportivo Urna Eleitoral Eletrônica Inviolável perdeu de há muito o bom-senso. E um adendo: tal turminha é a mesma que se auto-intitula Seguidor da Ciência, rotula quem não lhe subscreve os mandamentos de Negacionista, e clama pela salvação das Girafas da Amazônia, que estão na iminência de serem varridas da face da Terra pelas mãos genocidas do presidente Jair Messias Bolsonaro.

*

Li que está a ocorrer casos de pericardite em pessoas que se imunizaram – pode-se falar que foram imunizadas? – com vacinas de RNA mensageiro. E reportagens que dão notícias de pessoas que morreram em decorrência da vacina e de pessoas que estão a sofrer com os efeitos colaterais provocadas pela vacina.

São as vacinas experimentais? Ora, semanas atrás vi duas reportagens: uma dava notícia da existência de um grupo de um pouco mais de trezentas mulheres grávidas e a outra de um grupo de mais de mil jovens, ambos os grupos a participarem de testes com vacinas, para se mensurar as reações que os participantes dos testes teriam, se eles sofreriam efeitos colaterais. Ora, mas as vacinas não são produtos testados em laboratório, prontos e acabados?! Pra que os testes em humanos?! E surpreendeu-me saber que mulheres grávidas se dispuseram a participar do teste, e após notícia de que mulheres grávidas morreram em decorrência da aplicação da vacina contra o Covid.

*

Dizem os anti-bolsonaristas que é o presidente Jair Messias Bolsonaro genocida.

No livro Terras de Sangue, de Timothy Snyder, dá-se a conhecer o horror vivido pelos poloneses sob a mortífera foice-e-martelo dos comunistas soviéticos e a máquina de matar dos nazistas, comunistas e nazistas a se revezarem na matança aos poloneses. E o autor lembra que a palavra “genocídio” é um neologismo que nasce da fusão de duas palavras, uma de origem grega, outra latina, que significam, a grega, geno, raça, tribo, e a latina, cídio, matar. Foi tal palavra forjada pelo advogado polonês Raphael Lemkin. Genocídio é, respeitando-se o seu significado original, política sistemática de extermínio de um povo patrocinada pelo Estado. Alguns estudiosos entendem que houve apenas um genocídio em toda a história, a da política de extermínio, pelos nazistas, de judeus, outros incluem o Holodomor, matança de ucranianos pelos comunistas soviéticos, nos anos 1930, sob a liderança de Joseph Stalin. Milhões de ucranianos morrerem de fome. Há quem inclua, na lista dos genocídios, o extermínio dos tibetanos pelos chineses comunistas e por estes mesmos comunistas a morte de uygures. Ora, qual política de perseguição sistemática, com o consequente assassinato, a grupos étnicos e raças o presidente Jair Messias Bolsonaro promoveu? Que se saiba, ele jamais aventou uma política de tal cariz. Usa-se chamar o presidente Jair Messias Bolsonaro – e, por extensão, seus aliados e eleitores – de genocida (e de terraplanista, de negacionista, de nazista, de fascista) única e exclusivamente com a intenção de desumanizá-lo, dá-lo não como um ser humano que merece respeito, mas como uma coisa qualquer que pode ser retirada da existência, afinal não é ele – e tampouco os seus aliados e eleitores -, segundo os seus inimigos, um ser humano; e assim justificarão a morte dele e as dos que o seguem e inocentarão quem se dispuser a eliminá-los. “Genocida” é só um rótulo desumanizador.

*

Eleito presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, ainda em 2.018, antes, portanto, de assumir a presidência do Brasil, declarou, de viva voz, em alto e bom som, que exigiria dos médicos cubanos a realização do Revalida e que entregaria a cada médico cubano residente no Brasil seu salário integral. Bastou tais palavras alcançarem os ouvidos dos plenipotenciários cubanos, que estes ordenaram a ida imediata dos médicos cubanos residentes no Brasil a Cuba. E dizem, ainda hoje, que o presidente Jair Messias Bolsonaro expulsou do Brasil os médicos cubanos, acabando, assim, com o programa Mais Médicos. Pergunto-me se os tais médicos cubanos – médicos, ou agentes de infiltração comunista a treinar guerrilheiros e a doutrinar brasileiros com a ideologia comunista? – regressaram a Cuba, ou se circulam por terras brasileiras e nelas exercem a verdadeira tarefa – que não foi a medicina – para a qual foram encarregados.

Li, não me recordo onde, ontem, que há, no Brasil, células terroristas iranianas e cubanas. E que soldados russos estão, na Venezuela, na fronteira deste país com o Brasil. Acredito que não estão lá os agente do Putin a dançarem pagode cossaco e a encherem a cara de vodka.

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

Dragão Metafísico

Depósito de palavras, pensamentos e poesias.

%d blogueiros gostam disto: