É a Rússia que aponta armas nucleares para a OTAN, ou é a OTAN que aponta armas nucleares para a Rússia?

Tem a história, que ora assistimos, um herói? E um vilão, um daqueles malévolos, comuns em filmes de espionagem exageradamente aventurescas, dispostos a destruir o universo, e exterminar os humanos, para escravizá-los, e colonizá-lo?

Nestes meses que correm desde que se deflagrou a guerra, em Fevereiro, no território ucraniano, e mesmo antes, li artigos, de inúmeros autores, cada qual a dar, dela,observando-a de uma perspectiva, um parecer, alguns sensatos, outros insensatos – todavia não eu não soube dos insensatos distinguir os sensatos, e inclinar-me a ver nestes sensatez, e naqueles insensatez, e muitos dos sensatos, avaliando-os em retrospectiva, aparentemente revelaram-se-me sensatos, e os sensatos insensatos -, todos a entenderem cada qual que era a sua tese a correta e a esculacharem quem defendia uma que dela distinguia-se. E ouvi muitas pessoas, acadêmicos, historiadores, estrategistas militares, todos, em palavras faladas, a externarem muitas idéias que se assemelhavam, e muitas que se identificavam em tipo e grau, com o que estava escrito nos artigos que li.

Não sou correto ao afirmar que toda pessoa que falou da guerra na Ucrânia defendeu com unhas e dentes sua tese, dando-a a correta, e negando-se a ouvir, e atentamente, e respeitosamente, uma que seja, que se lhe opusesse, ou que simplesmente que lhe negasse a correção de certas análises. Ouvi alguns militares, e li alguns textos, de intelectuais, de historiadores, de simples leigos curiosos, a teceram comentários sensatos, deveras sensatos, acerca do que se passa no coração da Europa, pedindo àqueles que do assunto tratam que tenham cautela ao do assunto tratar, pois as infornações que nos chegam não sabemos se correspondem aos eventos, e eventos reais, e não fictícios, sucedidos na área em conflito e nos bastidores dos edifícios dos governos de Moscou, Kiev, Londres, Wasghington, Berlim, e dos de outras nações diretamente envolvidos no arranca-rabo global. Cautela e caldo de galinha nunca são demais, disse, num texto, um dos personagens que trataram do assunto. Sensato. Pediu prudência aos que se ocupam da questão, e recebeu, em troca, ofensas e o desprezo dos que estão certos de que de tudo que a ela se relaciona estão inteirados.

Desde o prefácio, vi gente a defender Putin, e gente a defender Zekenski, e gente a dizer que é a guerra um conflito entre a Rússia e a Ucrânia, e gente a dizer que ela se dá entre a Rússia e a OTAN; e gente a declarar que não passa o entrevero de uma farsa, o discurso belicoso de todos os agentes envolvidos matéria fictícia de um teatro de marionetes de mal gosto; e vi gente a dizer que iria a Rússia dominar, devido a sua superioridade militar, em poucos dias, a Ucrânia, e gente a declarar que a Rússia iria à bancarrota, os russos se sublevariam contra Putin, e os magnatas russos lhe encomendariam o caixão e lhe preparariam as exéquias, as carpideiras a executarem sua tarefa dramática; e gente a afirmar que as sanções econômicas teriam um bom fim, isto é, o fim da Rússia, e gente a declarar que Zelenski seria abandonado pelos que o sustentam em Kiev. E agora estou a ver que pairam sobre as nossas cabeças as armas nucleares, que, se atendessem ao desejo dos cavaleiros do Apocalipse, já teriam se detonado em 2.021.

Li, e ouvi, que o Putin ameaçou a OTAN: vai disparar armas nucleares contra Berlim, Paris, Londres, Kiev, Washington, e outras capitais de países membros da OTAN. Li, e ouvi, que Biden ameaçou a Rússia: vai disparar um bom punhado de armas nucleares contra Moscou e outras metrópoles russas. Quem está com a verdade? Quem está com a mentira? Não sei, não quero saber, e tenho raiva de quem sabe.

Eu só posso lamentar pelas vidas que se perdem nesta guerra entre gente poderosa que em defesa, não apenas de seus interesses mesquinhos, mas de seu sonho em moldar o mundo cada qual à sua imagem e semelhança – e para tanto tem tal gente de assumir o controle absoluto de tudo o que há, da vida de todos os seres vivos.

Li aqui e ali, e aqui e ali ouvi, que de um lado da guerra, e guerra a nível global, estão os metacapitalistas, os donos do Grande Capital, pessoas que têm mais grana do que duzentos Tio Patinhas, seres cujo objetivo primordial é erigir um governo global totalitário, criar a Nova Ordem Mundial, os globalistas financistas ocidentais, e, do outro, as pessoas que lhes resistem ao avanço, pessoas que defendem as soberanias nacionais, o direito dos povos. Para uns, estão Trump, Putin, Xi, e, correndo pelas beiradas, Bolsonaro, unidos, contra os banqueiros internacionais que mandam e desmandam em países inteiros, homens poderosos, herdeiros de fortunas dinásticas, que têm nas suas mãos, nelas comendo migalhas, presidentes de repúblicas e reis e príncipes.

Sigamos a acompanhar os próximos capítulos desta emocionante novela, cientes de que não conhecemos o roteiro, e não sabemos quem são os personagens principais, os coadjuvantes, os figurantes, e tampouco qual é o papel de cada um deles na trama.

Putin e Dugin.

Para quem não sabe, digo: Putin e Dugin não são personagens da Hanna-Barbera. E tampouco são uma dupla caipira, e menos ainda de sertanejo universitário. São dois personagens que estão na ordem do dia, e dos quais se fala, com mais tagarelice, e menos propriedade, nos dias que sucederam à morte de Darya Dugina, filha de Alexandre Dugin, guru de Vladimir Putin, atual tzar da Mãe Rússia,pátria de úbere generoso e braço robusto e mão pesada. Diz-se à boca miúda que do Putin é Dugin consultor de assuntos estratégicos e geopolíticos e outros assuntos correlatos e de outras dimensões – se é verdade, não sei. E também se diz que foi Putin agente da KGB, uma sucursal do inferno, atual FSB – e outra sucursal do inferno é a CIA. Mas é Putin guru… quero dizer, é Dugin guru do Putin? Popularizaram, e corromperam, a palavra “guru”, que assumiu, aos olhos e ouvidos dos brasileiros, desde que a mídia nacional insistiu em vender-lhes a idéia, e idéia errada, de que era Olavo de Carvalho guru do presidente Jair Messias Bolsonaro, que mal lhe dava ouvidos, para desespero do filósofo – e não filósofo auto-nomeado – e de muitos de seus alunos e admirados; e a palavra “guru”, prossigo, assumiu ares de criatura semi-divina, misteriosa, negativamente sapiencial, mentora intelectual, de cabeça repleta de carambolas e caraminholas cabalísticas, esotéricas, de ingredientes mágicos, místicos, inacessíveis ao comum dos homens. Vamos conservar tal título ao Dugin, e deixar explícito que “guru” tem, aqui, o sentido incomum de estrategista político, formulador das diretrizes de quem lhe segue, e sem pestanejar, as orientações, entendendo que é o “guru” Putin, quero dizer, Dugin, quem determina a estratégica geopolítica do Putin.

Pela primeira vez, assim me recordo, eu li o nome de Alexandre Dugin no livro Os EUA e a Nova Ordem Mundial, que dá a público um debate em que se confrontaram Olavo de Carvalho e Alexandre Dugin. Desde então odeiam-se de morte olavistas e duginistas, aqui no Brasil e em outras terras. Mas quem é Dugin e qual o papel dele na formulação da geopolítica de Putin? Não faço a mínima idéia, e acredito que tudo que se diz a respeito não passa de tagarelice de papagaio-de-pirata. Acompanhei, e antes da trágica morte da herdeira do Dugin, celeumas homéricas acerca de Dugin e de sua ascendência sobre Putin, e cocei-me a cabeça ignorando as razões de meu ato de coçar-me a minha plantação de cabelos. Agora, sucedendo-se à morte de Dugina, leio controvérsias, cujos participantes me parecem irracionais, acerca do papel de Dugin na política de Putin.

Antes de prosseguir, pergunto: Darya Dugina morreu? Ora, estamos falando de coisas da Rússia, a envolver serviços de inteligência, e espionagem, e contra-espionagem, e terrorismo, um jogo bruto entre personagens poderosos.

Prossigo: afirma-se que Dugin é o guru do Putin, que segue as orientações de Dugin. Ora, sabemos que as idéias do Putin… quero dizer, do Dugin, dentre elas a Teoria do Quarto Poder, que desconheço, está, livre para acesso público, impresso em papel. Afirma-se que as idéias de Dugin fazem a cabeça de Putin, que lhas segue à risca. Se é assim, então os inimigos de Putin, depois de lerem os livros do Dugin, e das idéias destes tomarem conhecimento, entenderam quais idéias movem Putin, assim podendo planejar estratégias que se opõem à dele, antecipando-se a ele, e sobrepujando-o. Mas não é isso o que se vê. Parece-me – não sei se estou correto ao fazer tal afirmação, que me inspiraram artigos que li de pessoas que reputo confiáveis – que está Putin a fazer de gato-sapato seus inimigos. Se nos livros de Dugin estão as idéias que movem Putin, das duas uma: ou os inimigos de Putin não as entenderam; ou as entenderam, e as usaram contra si mesmos (na verdade, contra os países da zona do Euro e os Estados Unidos), assim se aliando, conquanto em público digam o contrário, ao inimigo declarado. Ou então, outra conjectura: nos livros de Dugin não há sequer uma idéia que faça a cabeça de Putin e que a fama de Dugin, a de guru, e o principal, ou o único, do Putin é só balela, foi inventada e disseminada por Putin com o o objetivo de induzir seus inimigos a formularem políticas que tenham como sua fonte de conhecimento uma política fictícia dele, assim dele esculpindo uma imagem falsa, distante da verdadeira. O que é verdade e o que é mentira neste teatro de aparências? Não faço a mínima idéia. Penso, apenas, que Putin não seria tolo a ponto de construir uma política estratégica com os ingredientes que os livros de Dugin fornecem, sabendo que os seus inimigos os leram. Ou, não sendo tolo, e suspeitando que seus inimigos acreditam que nos livros de Dugin estão idéias que ele, Putin, jamais, porque públicas, usaria em suas políticas, as usa? Não sei, entende?

Bolsonaro e Trump, e Biden, e Putin. ICMS, e programas sociais, e carga tributária, e arrecadação de impostos. Notas breves.

Ouvi, de anti-bolsonaristas, durante o governo Trump, que o presidente Jair Messias Bolsonaro, servil ao seu congênere americano, estava a entregar o Brasil aos Estados Unidos. Agora, ouço aqueles mesmos anti-bolsonaristas, num momento em que ocupa a cadeira presidencial americana o Joe Biden, que já se revelou hostil ao presidente Jair Messias Bolsonaro, e diante do estreitamento das relações diplomáticas e comerciais entre o governo brasileiro, resumido, este, na pessoa do presidente Jair Messias Bolsonaro, e o governo russo, sintetizado na figura de Vladimir Putin, afirmarem que o presidente Jair Messias Bolsonaro é irresponsável e inconsequente ao manter boas relações com o seu colega russo, a ponto de, inclusive, estando Rússia e Ucrânia, em Fevereiro deste ano, na iminência da detonação de um confronto bélico direto, empreender uma viagem ao país dos tzares, ignorando exortações, que mais parecem ameaças, da Casa Branca, para assinar contrato de importação, pelo Brasil, da Rússia, de ingredientes de fertilizantes, produtos indispensáveis à saúde do agronegócio brasileiro, e, mais recentemente, insistindo em ignorar exortações, que aos ouvidos de quem sabe ouvir soam como ameaças, do governo americano, assinar com o Kremlin contratos de importação, pelo Brasil, da Rússia, de óleo diesel. Alegam os anti-bolsonaristas que a postura do presidente brasileiro pode redundar em aplicação, pelo governo americano, contra o Brasil, de sanções econômicas, o que viria em desfavor do Brasil, prejudicando, consequentemente, os brasileiros. Ora, por que o governo americano iria aplicar sanções econômicas contra o Brasil? Porque está, na ótica dos críticos do presidente brasileiro, o Brasil a ignorar as orientações do governo americano. E o que teria de fazer o governo brasileiro, então, para evitar que o governo americano imponha sanções ao Brasil? Teria de agir em consonância com os conselhos que tão amigavelmente lhe oferece o governo americano. Em outras palavras, que o governo brasileiro seja servil ao governo americano. Mas é claro que os anti-bolsonaristas simulam ignorar – e muitos, penso, de fato o ignoram – o real significado do que estão a dizer. Compreensível. Estão a torcer e torcer o discurso para praticar seu esporte predileto: difamar o presidente Jair Messias Bolsonaro.
*
Abaixa o governo federal o valor da alíquota de ICMS que incide sobre os combustíveis, objetivando impedir que o dragão da inflação destrua o poder de compra da moeda brasileira. Não entro no mérito de tal política – desconheço-a em seus detalhes. É minha intenção, nesta nota breve, chamar a atenção para uma das razões aventadas pela oposição ao governo Jair Messias Bolsonaro: a redução da alíquota de ICMS sobre combustíveis irá redundar na redução de investimentos públicos em programas sociais, principalmente saúde e educação. Procede tal crítica? Não estou na minha praia, mas digo que, considerando o pouco que sei a respeito, investimentos em saúde e educação estão garantidos no orçamento, correspondem à certa porcentagem do montante de arrecadação de impostos, que depende da situação econômica, e não da carga tributária, que, ensina a experiência, se extorsiva, a prejudicar a economia, redunda em arrecadação de impostos inferior à que se obtêm com uma carga tributária que não onera os cofres das empresas. Podemos dizer, então, que o dedo que acusa o presidente Jair Messias Bolsonaro de irresponsável e inimigo dos mais pobres está a fazer, única e exclusivamente, demagogia barata.

Bolsonaro, a economia, o “depois”. O “depois” é agora. E Putin. E a China. Notas breves.

E para surpresa de ninguém os antibolsonaristas, que até outro dia esgoelavam “Fique em Casa; a economia a gente vê depois.”, agora que o “depois” chegou jogam a batata quente nas mãos do presidente Jair Messias Bolsonaro, e, não se pode deixar de dizer, do ministro Paulo Guedes. Mas foram as medidas do presidente que prejudicaram a economia brasileira? Não. Foram as de governadores e prefeitos, que restringiram atividades comerciais ditas não-essenciais e paralisaram, por meses, a economia de estados e cidades inteiras em nome de uma política sanitária, que se revelou inconsequente – para dizer o mínimo. E tais medidas não tiverem impacto negativo no desempenho da economia nacional? Segundo os inimigos do presidente Bolsonaro, não. E não estou me referindo apenas aos famosos inimigos dele. Para os antibolsonaristas, é o presidente culpado pelo aumento do preço dos combustíveis e dos alimentos – e no mundo inteiro, é óbvio, pois tal fenômeno está a se ver em todos os países. E a China enfrenta uma crise no setor de energia que está a prejudicar imensamente a produção de inúmeros produtos naquele país cuja matriz energética depende imensamente do carvão, que está em estoque mínimo, o que obrigou o governo chinês a paralisar inúmeras fábricas, produzindo, consequentemente, crise de abastecimento de produtos em todo o mundo. E as energias limpas não suprem a demanda; não substituem a “energia suja”. E a Europa está nas mãos de Vladimir Putin, que pode fechar a torneira dos gasodutos se assim o desejar. Brincaram de “Fique em Casa”, uma espécie de esconde-esconde dos adultos; e agora que a brincadeira está para acabar – presume-se – os que se divertiram durante estes quase dois anos não querem saber de assumir suas responsabilidades – é mais fácil apontar o dedo acusador para o presidente Jair Messias Bolsonaro.

Polifonia Literária

Um espaço voltado para o desenvolvimento criativo de textos literários.

divinoleitao.in

Rede pessoal de Divino Leitão.

Reflexões para os dias finais

Pensamentos, reflexões, observações sobre o mundo e o tempo.

PERSPECTIVA ONLINE

"LA PERSPECTIVA, SI ES REAL, EXIGE LA MULTIPLICIDAD" (JULIÁN MARÍAS)

Pensei e escrevi aqui

— Porque nós somos aleatórias —

On fairy-stories

Fantasia, Faërie e J.R.R. Tolkien

DIÁRIO DE UM LINGUISTA

Um blog sobre língua e outros assuntos

Brasil de Longe

O Brasil visto do exterior

Cultus Deorum Brasil

Tudo sobre o Cultus Deorum Romanorum, a Antiga Religião Tradicional Romana.

Carlos Eduardo Novaes

Crônicas e outras literatices

Coquetel Kuleshov

um site sobre cinema, cinema e, talvez, tv

Leituras do Ano

E o que elas me fazem pensar.

Leonardo Faccioni | Libertas virorum fortium pectora acuit

Arca de considerações epistemológicas e ponderações quotidianas sob o prisma das liberdades tradicionais, em busca de ordem, verdade e justiça.

Admirável Leitura

Ler torna a vida bela

LER É UM VÍCIO

PARA QUEM É VICIADO EM LEITURA

Velho General

História Militar, Geopolítica, Defesa e Segurança

Espiritualidade Ortodoxa

Espiritualidade Ortodoxa

Entre Dois Mundos

Página dedicada ao livro Entre Dois Mundos.

Olhares do Mundo

Este blog publica reportagens produzidas por alunos de Jornalismo da Universidade Mackenzie para a disciplina "Jornalismo e a Política Internacional".

Bios Theoretikos

Rascunho de uma vida intelectual

O Recanto de Richard Foxe

Ciência, esoterismo, religião e história sem dogmas e sem censuras.

.

.

Prosas e Cafés

(...) tudo bem acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar - Caio Fernando Abreu

OLAVO PASCUCCI

O pensamento vivo e pulsante de Olavo Pascucci

Clássicos Traduzidos

Em busca das melhores traduções dos clássicos da literatura

Ensaios e Notas

artes, humanidades e ciências sociais

Minhas traduções poéticas

Site de tradução de poesias e de letras de música

Além do Roteiro

Confira o podcast Além do Roteiro no Spotify!

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

Humanidade em Cena

Reflexões sobre a vida a partir do cinema e do entretenimento em geral

resistenciaantisocialismo

Na luta contra o câncer da civilização!

História e crítica cultural

"Cada momento, vivido à vista de Deus, pode trazer uma decisão inesperada" (Dietrich Bonhoeffer)

Devaneios Irrelevantes

Reflexões desimportantes de mais um na multidão com tempo livre e sensações estranhas

Enlaces Literários

Onde um conto sempre puxa o outro!

Ventilador de Verdades

O ventilador sopra as verdades que você tem medo de sentir.

Dragão Metafísico

Depósito de palavras, pensamentos e poesias.

%d blogueiros gostam disto: